Hamas estuda plano de trégua trifásico em Gaza enquanto a linha dura israelense alerta o primeiro-ministro


0

O Hamas afirma que a proposta envolve três etapas, incluindo a libertação dos reféns detidos pelo grupo e dos prisioneiros palestinos detidos em Israel.

Yahya Sinwar (3º à direita), o novo líder do movimento islâmico Hamas na Faixa de Gaza e o líder político sênior Ismail Haniyeh (4º à direita) sentam-se entre outros funcionários do Hamas durante um memorial para Mazen Faqha, um líder do movimento islâmico que foi baleado morto por homens armados desconhecidos na Faixa de Gaza, em 27 de março de 2017, na Cidade de Gaza.  Autoridades do Hamas disseram que o assassinato traz as características do serviço de inteligência de Israel, o Mossad, mas Israel não comentou o tiroteio.
Os líderes seniores do Hamas, Yahya Sinwar (3º R), Ismail Haniyeh (4º R) sentam-se entre outros funcionários do Hamas. (AFP)

O Hamas confirmou que está a estudar uma proposta de três fases para uma trégua em Gaza, enquanto membros linha-dura do governo israelita ameaçaram derrubar a coligação se algum acordo não fosse do seu agrado.

O líder político do grupo palestino, Ismail Haniyeh, confirmou na terça-feira que está estudando a proposta, discutida em Paris no fim de semana, para interromper a guerra e permitir a troca de prisioneiros israelenses e palestinos.

Haniyeh disse num comunicado que o grupo está “aberto a discutir quaisquer iniciativas ou ideias sérias e práticas, desde que conduzam a uma cessação abrangente da agressão”.

O Hamas disse também que o plano deve garantir a “retirada completa das forças de ocupação da Faixa de Gaza”.

A liderança do grupo, disse ele, recebeu um convite para ir ao Cairo para alcançar uma “visão integrada” sobre o acordo-quadro.

Três fases

Num comunicado enviado à Reuters, o Hamas disse que a proposta envolvia três etapas. O plano foi enviado a Gaza para obter a opinião dos líderes do Hamas naquele país.

“A liderança do Hamas se reunirá para discutir o documento e expressar sua opinião final sobre ele”, afirmou o comunicado.

Fontes disseram à agência de notícias que a primeira fase consistiria numa pausa nos combates e na libertação de idosos, mulheres civis e crianças como reféns.

As principais entregas de alimentos e medicamentos a Gaza, que enfrenta uma crise humanitária ruinosa, seriam retomadas.

A segunda fase veria a libertação de mulheres soldados israelitas e outro aumento nas entregas de ajuda e na restauração dos serviços de utilidade pública para Gaza. A terceira fase veria a libertação dos corpos dos soldados israelenses falecidos em troca da libertação de prisioneiros palestinos, disseram duas fontes.

O comunicado do Hamas disse que a segunda fase também envolveria a libertação de recrutas militares do sexo masculino.

“As operações militares de ambos os lados serão interrompidas durante as três etapas”, afirmou. O número de prisioneiros palestinos a serem libertados será deixado ao critério do processo de negociação “em todas as fases, com o lado israelense se preparando para libertar aqueles com sentenças elevadas”, afirmou.

O objectivo final desta abordagem faseada é o fim da guerra e a libertação dos soldados do sexo masculino mantidos em cativeiro em Gaza, em troca da libertação, por parte de Israel, de mais prisioneiros palestinianos detidos na prisão.

Se o Hamas concordar com a proposta-quadro, ainda poderá levar dias ou semanas para resolver os detalhes logísticos da trégua e a libertação de reféns e prisioneiros, disse uma autoridade à Reuters.

Progresso

O primeiro-ministro do Qatar, Xeque Mohammed bin Abdulrahman bin Jassim Al Thani, disse que o quadro discutido em Paris se baseia em elementos de uma proposta inicial feita por Israel e numa contraproposta feita pelo Hamas.

“Tentamos misturar as coisas para chegar a algum tipo de base razoável que unisse todos”, disse ele no think tank Atlantic Council, em Washington, na segunda-feira.

Ele acrescentou que “bom progresso” foi feito em um possível acordo durante reuniões entre autoridades de inteligência do Egito, Israel e dos Estados Unidos no fim de semana.

O primeiro-ministro do Catar observou que o Hamas já havia exigido um cessar-fogo permanente como pré-condição para entrar nas negociações. No entanto, ele sugeriu que há esperança de que sua posição possa ter mudado.

“Acredito que mudamos daquele lugar para um lugar que potencialmente poderia levar a um cessar-fogo permanente no futuro”, disse ele.

O grupo Jihad Islâmica Palestina em Gaza disse que não se envolverá em nenhum entendimento sobre os reféns israelenses sem garantir um cessar-fogo abrangente e a retirada das forças israelenses da Faixa de Gaza, disse o secretário-geral do grupo, Ziad al-Nakhala, em um comunicado na terça-feira.

‘Divisão do governo’

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu disse na terça-feira que Israel continuaria sua guerra em Gaza até a “vitória absoluta” sobre o Hamas.

Ele descartou a possibilidade de libertar “milhares” de prisioneiros palestinos como parte de qualquer acordo para interromper os combates e disse que o exército não se retiraria de Gaza.

“Gostaria de deixar claro… Não retiraremos as IDF [army] da Faixa de Gaza e não libertaremos milhares de terroristas. Nada disto vai acontecer”, disse ele num discurso no assentamento de Eli, na Cisjordânia ocupada.

Netanyahu está sob pressão significativa por parte das famílias dos restantes cativos detidos pelo Hamas para chegar a um acordo que garanta a sua libertação.

O Hamas matou pelo menos 1.139 pessoas em Israel e fez cerca de 240 prisioneiros em 7 de outubro, segundo dados israelenses.

No entanto, Netanyahu também está a ser pressionado a continuar a guerra por parceiros de coligação linha-dura no seu governo.

Comentando as negociações de trégua relatadas na terça-feira, o ministro israelense de extrema direita, Itamar Ben-Gvir, parecia sugerir que um acordo com o Hamas provocaria o colapso do governo.

“Acordo imprudente = divisão do governo”, escreveu Ben-Gvir no X.

O ministro da segurança nacional é conhecido pelos seus comentários inflamados sobre o conflito. No entanto, o seu partido Poder Judaico (Otzma Yehudit) é um actor importante na coligação governante de Israel.

Mohammed Jamjoom, da Al Jazeera, reportando de Tel Aviv, disse que autoridades israelenses anônimas confirmaram que o governo assinou um acordo que foi apresentado ao Hamas. Isto inclui uma pausa nos combates e a libertação de prisioneiros israelitas em Gaza em troca de milhares de prisioneiros palestinianos.

Jamjoom disse que embora os membros do governo de direita fossem contra o acordo, Yair Lapid, líder da oposição de Israel e ex-primeiro-ministro, disse que apoiaria o governo se isso significasse trazer os cativos para casa.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, também deveria desembarcar em Israel no sábado para sua sexta viagem à região desde o início da guerra para discutir cenários pós-guerra em Gaza, informou Jamjoom.

Escalação

As propostas foram distribuídas ao Hamas à medida que os combates se intensificavam em Gaza.

Fortes ataques israelenses e combates urbanos no enclave sitiado mataram mais 128 pessoas durante a noite, de acordo com o Ministério da Saúde de Gaza.

Um “esquadrão de ataque” israelita também matou três homens que classificou como “terroristas” numa operação secreta num hospital na Cisjordânia ocupada.

“O mundo deve pressionar a ocupação para acabar com estes massacres e crimes de guerra, incluindo a política de tortura a que o nosso povo está exposto nas áreas da Cisjordânia, as execuções e as detenções”, disse Haniyeh.

No meio do aumento dos combates, Israel acusou cerca de uma dúzia de funcionários da Agência das Nações Unidas para os Refugiados Palestinianos (UNRWA) ter participado no ataque de 7 de Outubro, levando os principais países doadores, incluindo os Estados Unidos e a Alemanha, a suspender o financiamento.

Haniyeh disse que a decisão dos países de suspender as contribuições foi uma “violação clara” da decisão provisória do Tribunal Internacional de Justiça da semana passada, que apelou ao aumento da ajuda humanitária a Gaza.

Os países que cortam a ajuda apoiam a “ocupação através da fome e do cerco” de Israel, afirmou o chefe do Hamas.

principais doadores suspendem financiamento para UNRWA


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *