Ex-rebelde do Níger lança movimento anti-golpe enquanto o impasse continua


0

O Conselho de Resistência para a República diz que apoia a tentativa da CEDEAO de restaurar a ordem constitucional no Níger.

Oficiais do golpe no Níger em trajes militares fazem discurso
Membros de um conselho militar que organizou um golpe no Níger participam de um comício em um estádio em Niamey, Níger, 6 de agosto de 2023 [Mahamadou Hamidou/Reuters]

Um ex-líder rebelde e político no Níger lançou um movimento de oposição ao governo militar que assumiu o poder em um golpe de 26 de julho, um primeiro sinal de resistência interna ao governo do exército no estrategicamente importante país do Sahel.

Em uma declaração vista na quarta-feira, Rhissa Ag Boula disse que seu novo Conselho de Resistência para a República (CRR) visa restabelecer o presidente deposto Mohamed Bazoum, que está detido em sua residência desde a tomada do poder.

“O Níger é vítima de uma tragédia orquestrada por pessoas encarregadas de protegê-lo”, disse o comunicado.

O anúncio ocorre no momento em que os esforços diplomáticos para reverter o golpe foram interrompidos depois que o governo militar rejeitou a última missão diplomática da União Africana e da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

Os líderes do golpe do Níger negaram a entrada de enviados africanos e das Nações Unidas na terça-feira, resistindo à pressão para negociar antes de uma cúpula na quinta-feira, na qual os chefes de estado da CEDEAO discutirão o possível uso da força.

A declaração de Ag Boula disse que apoia a CEDEAO e quaisquer outros atores internacionais que buscam restaurar a ordem constitucional no Níger, acrescentando que se colocaria à disposição do bloco para qualquer propósito útil.

Outro membro do CRR disse que várias figuras políticas nigerianas se juntaram ao grupo, mas não podiam tornar sua lealdade pública por razões de segurança.

Ag Boula desempenhou um papel de liderança nas revoltas dos tuaregues, um grupo étnico nômade presente no norte do deserto do Níger, nas décadas de 1990 e 2000. Como muitos ex-rebeldes, ele foi integrado ao governo sob Bazoum e seu predecessor Mahamadou Issoufou.

Embora a extensão do apoio ao CRR não seja clara, a declaração de Ag Boula vai preocupar os líderes do golpe, dada a sua influência entre os tuaregues que controlam o comércio e a política em grande parte do vasto norte. O apoio dos tuaregues seria fundamental para garantir o controle do governo militar além dos limites da cidade de Niamey.

Estados membros democráticos da CEDEAO, como a Nigéria, querem o restabelecimento do governo civil que teve relativo sucesso em conter uma campanha mortal de grupos armados ligados à Al-Qaeda e ISIL (ISIS) que devastou a região do Sahel.

Soldados amotinados detiveram Bazoum e tomaram o poder em 26 de julho, alegando que poderiam fazer um trabalho melhor para proteger a nação da violência.

O golpe é um golpe para muitos países do Ocidente, que viam o Níger como um dos últimos parceiros democráticos da região contra a ameaça expansionista de grupos armados. O Níger também é importante para o mercado global em várias frentes, incluindo sua participação de 5% no fornecimento global de urânio.

imagem diplomática complexa

O golpe já levou ao fechamento de fronteiras e do espaço aéreo que cortou o fornecimento de remédios e alimentos, dificultando a ajuda humanitária em um dos países mais pobres do mundo.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse na noite de terça-feira que havia falado com Bazoum para expressar esforços contínuos para encontrar uma solução pacífica para a crise.

“Os Estados Unidos reiteram nosso apelo para a libertação imediata dele e de sua família”, ele postou na plataforma de mídia social X, anteriormente conhecida como Twitter.

O presidente da Nigéria e presidente da CEDEAO, Bola Tinubu, impôs mais sanções ao Níger na terça-feira, com o objetivo de pressionar entidades e indivíduos envolvidos na aquisição, e disse que todas as opções ainda estão sobre a mesa.

A CEDEAO disse que o uso da força seria o último recurso. Os chefes de defesa do bloco concordaram com um possível plano de ação militar, que os chefes de estado discutirão em sua cúpula na quinta-feira na capital nigeriana, Abuja.

Mas Mali e Burkina Faso, membros da CEDEAO que rejeitaram aliados ocidentais desde que seus próprios militares tomaram o poder em golpes nos últimos três anos, prometeram defender os novos governantes do exército do Níger de qualquer tentativa enérgica de removê-los.

Em uma carta à ONU, eles pediram ao Conselho de Segurança para impedir qualquer ação armada contra o Níger, dizendo que isso teria consequências imprevisíveis, como a dissolução da CEDEAO, um desastre humanitário e uma piora na situação de segurança.

Acusando as potências ocidentais de usar a CEDEAO como um substituto para esconder uma agenda hostil em relação ao Níger, eles disseram que estão comprometidos em encontrar soluções por meio da diplomacia e da negociação.

Mali e Burkina Faso disseram anteriormente que tratariam qualquer intervenção militar no Níger como um ato de guerra.

Para complicar ainda mais o quadro diplomático, está a influência da Rússia na região do Sahel, que as potências ocidentais temem que possa crescer se o governo militar do Níger seguir o exemplo do Mali expulsando tropas ocidentais e convidando mercenários Wagner.

O Níger atualmente abriga tropas americanas, francesas, alemãs e italianas sob acordos feitos com o agora deposto governo civil.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *