EUA afundam barcos Houthi no Mar Vermelho: como se desenrolou a luta?


0

A empresa de navegação Maersk interrompe as operações após a escalada marítima entre os Houthis e as forças dos EUA.

Os militares dos EUA afirmam ter matado 10 combatentes Houthi e afundado três navios do grupo armado iemenita após um confronto no Mar Vermelho.

A escalada, mencionada num comunicado dos EUA no domingo, segue-se a semanas de ataques Houthi a navios identificados como ligados a Israel que atravessavam o estreito de Bab el-Mandeb para o Mar Vermelho.

Isto foi, disse o porta-voz Houthi, numa tentativa de pressionar Israel a parar a sua guerra devastadora e o cerco à Faixa de Gaza, que já matou mais de 21.000 palestinianos.

Os destróieres dos EUA uniram-se a algumas outras nações para tentar impedir os ataques Houthi no Mar Vermelho no âmbito da Operação Prosperity Guardian – embora vários parceiros se tenham distanciado da iniciativa.

O confronto no Mar Vermelho na segunda-feira foi o primeiro grande confronto militar direto entre os militares dos EUA e os combatentes Houthi. Aqui está o que sabemos sobre como tudo se desenrolou:

O que aconteceu no domingo?

No domingo, às 6h30, horário do Iêmen (03h30 GMT), o navio porta-contêineres Maersk Hangzhou emitiu um segundo pedido de socorro em um dia, relatando ter sido atacado por quatro “pequenos barcos Houthi”, postou o Comando Central dos EUA (CENTCOM) no X. .

Em resposta ao pedido de socorro, disse o CENTCOM, o USS Gravely abateu dois mísseis antinavio disparados contra o navio Maersk e, em seguida, helicópteros do Gravely e do USS Eisenhower foram despachados em direção ao Maersk Hangzhou.

Por que os Houthis estão atacando navios no Mar Vermelho?

Os Houthis começaram a lançar drones e mísseis em direção às partes do sul de Israel em outubro, logo após o início da guerra, em 7 de outubro.

No entanto, os drones foram interceptados ou falharam e o grupo apoiado pelo Irão começou a atacar navios no Mar Vermelho que diziam estar ligados a Israel.

Seus ataques interromperam muitos navios que seguiam para Israel.

Em 19 de Dezembro, o secretário da Defesa dos EUA, Lloyd Austin, anunciou uma força multinacional de protecção marítima, mas os Houthis disseram que não recuariam a menos que Israel cessasse a sua guerra contra Gaza.

INTERACTIVE_Israel-Palestina_Força de Patrulha do Mar Vermelho _19DEZ2023

Apesar de vários países terem concordado em juntar-se à força naval dos EUA, apenas o Reino Unido contribuiu directamente com navios de guerra, deixando Washington efectivamente “agir sozinho” contra os Houthis, relata Resul Serdar da Al Jazeera, do Djibouti.

Serdar acrescentou que os EUA “não conseguiram dissuadir os Houthis” até agora, com o grupo a travar ataques com ainda mais frequência.

Ele acrescentou que o último confronto marcou uma grave escalada porque os EUA mataram combatentes Houthi, e não apenas afundaram barcos Houthi. Tais confrontos estão a suscitar receios de uma escalada regional.

Por que os EUA afundaram os barcos Houthi?

O CENTCOM dos EUA afirma que os seus helicópteros alertaram os combatentes Houthi para se manterem afastados quando começaram a atacar o navio de carga com armas ligeiras e tentaram abordar o navio.

Nesse ponto, disse o CENTCOM, os helicópteros foram atacados e dispararam de volta, matando os 10 tripulantes Houthi de três barcos que também afundaram.

O quarto barco escapou e o pessoal e o equipamento dos EUA não sofreram danos, acrescentou o CENTCOM.

“Vamos agir em legítima defesa daqui para frente”, disse um funcionário da Casa Branca.

Um porta-voz dos Houthis confirmou que 10 dos seus combatentes estavam “mortos e desaparecidos” depois dos seus barcos terem sido atacados.

Como reagiram a Maersk e outras empresas de transporte marítimo?

A Maersk anunciou no domingo que interromperia todas as viagens pelo Mar Vermelho pelas próximas 48 horas.

Juntamente com a companhia marítima alemã Hapag-Lloyd, a Maersk opera quase um quarto da frota marítima mundial.

Outras empresas de navegação também responderam à escalada do conflito marítimo. A empresa de transporte Evergreen parou temporariamente de aceitar carga israelense.

Empresas como CH Robinson, Evergreen, HMM, Ocean Network Express, Wallenius Wilhelmsen e Yang Ming Marine Transport estão a planear evitar o Mar Vermelho e aumentar o número de navios redirecionados em torno do Cabo da Boa Esperança, em África, em vez do Canal de Suez. Esta nova rota é mais longa e mais cara.

Embora estes ataques tenham tido um impacto “bastante limitado” no mercado petrolífero até agora, os especialistas postulam que os preços poderão subir se a situação continuar.

INTERATIVO - Comércio do Mar Vermelho e Bab al-Mandeb


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *