Deveria Zelenskyy da Ucrânia realizar eleições em meio à guerra com a Rússia? Não, dizem os eleitores


0

Alguns políticos, na Ucrânia e noutros lugares, questionam se o país deveria realizar uma votação, apesar das restrições legais.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, fala durante uma conferência de imprensa conjunta com o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, e o presidente da Moldávia, Maia Sandu, em Kiev, Ucrânia, terça-feira, 21 de novembro de 2023. (AP Photo/Efrem Lukatsky)
O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, fala durante uma conferência de imprensa conjunta com o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, e o presidente da Moldávia, Maia Sandu, em Kiev, Ucrânia, na terça-feira, 21 de novembro de 2023. Zelenskyy se opôs à realização de eleições enquanto a guerra com a Rússia está em andamento [Efrem Lukatsky/AP Photo]

Deveria a Ucrânia realizar eleições presidenciais em Março próximo, quando termina o mandato de Volodymyr Zelenskyy? A sociedade ucraniana respondeu com um sonoro “não”.

Desde Fevereiro de 2022, a Ucrânia tem enfrentado uma invasão russa em grande escala que viu os seus territórios orientais ocupados. Esse conflito desencadeou a lei marcial na Ucrânia, que suspende temporariamente as eleições.

Mas embora o público ucraniano tenha manifestado um apoio generalizado ao adiamento, alguns políticos – tanto nacionais como estrangeiros – questionaram se isso contradiz os ideais democráticos do país.

Até mesmo membros do próprio governo de Zelenskyy sinalizaram abertura à perspectiva de realizar uma votação.

“Não vamos fechar esta página”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros, Dmytro Kuleba, na Conferência Política Mundial anual, no mês passado. “O presidente da Ucrânia está a considerar e a pesar os diferentes prós e contras.”

Ainda assim, quando o Instituto Internacional de Sociologia de Kiev (KIIS) realizou uma sondagem nacional em Outubro, oito em cada 10 entrevistados disseram que as eleições presidenciais e parlamentares deveriam ser adiadas para depois do fim da guerra.

Nesse mesmo mês, um inquérito do Instituto Republicano Internacional (IRI) corroborou esse amplo movimento da opinião pública. Apenas dois em cada 10 entrevistados acreditavam que uma eleição presidencial deveria ser realizada em tempo de guerra.

Grupos da sociedade civil também apoiaram essa visão. Em Setembro, 100 organizações não governamentais, tanto ucranianas como multinacionais, assinaram uma declaração contra a realização de eleições durante a guerra.

Citou desafios incluindo “a impossibilidade de garantir a plena participação dos militares e dos eleitores no estrangeiro”. Estima-se que 6,3 milhões de ucranianos sejam atualmente refugiados. Outros cinco milhões estão deslocados internamente.

A declaração também referiu a possibilidade de “falta de competição política”, dado que os direitos e liberdades são reduzidos sob a lei marcial.

Existem também outras preocupações práticas. A Rússia lança drones contra cidades ucranianas quase diariamente e pode ter como alvo os locais de votação.

Dois terços dos ucranianos também acreditam que o sistema de votação electrónica do país pode ser vulnerável a hackers por parte de agentes russos, de acordo com a sondagem KIIS.

No mês passado, todos os partidos no parlamento ucraniano, o Verkhovna Rada, concordaram em adiar as eleições para depois da guerra. Por que, então, alguns membros do governo ucraniano vacilaram?

Uma razão pode ser a propaganda russa, disse Maxim Alyukov, pesquisador especializado em mídia e comunicação política na Universidade de Manchester e no King’s College London.

“A decisão de não realizar eleições é enquadrada como uma demonstração da natureza não democrática da Ucrânia e da falta de legitimidade de Zelenskyy”, disse Alyukov à Al Jazeera.

“Algumas histórias da mídia estatal afirmam que, se as eleições forem realizadas, Zelenskyy perderá legitimidade porque os oponentes irão responsabilizá-lo, demonstrando que ele é imensamente corrupto e incapaz de administrar o país de forma eficiente.”

A Rússia, contudo, tem um forte incentivo para questionar as credenciais democráticas da Ucrânia. Tais narrativas podem ajudar a isolar a Ucrânia dos seus aliados ocidentais.

A Ucrânia já está a aprovar reformas para promover a transparência e o Estado de direito, a fim de se qualificar para o estatuto de candidato na União Europeia. Mas “sem legitimidade”, disse Alyukov, Zelenskyy “também perderá o apoio do Ocidente”.

Outra razão para a continuação do debate eleitoral pode ser a pressão dos legisladores conservadores nos Estados Unidos. O senador da Carolina do Sul, Lindsey Graham, em particular, pressionou publicamente por uma eleição depois de se reunir com Zelenskyy em Kiev, em Agosto passado.

“Não consigo pensar num símbolo melhor para a Ucrânia do que a realização de eleições livres e justas durante uma guerra”, disse Graham num comunicado após a reunião. “As eleições não seriam vistas apenas como um ato de desafio contra a invasão russa, mas também como um abraço à democracia e à liberdade.”

Contudo, nem todos acreditam que os motivos republicanos sejam puros.

“Isto é um teatro político”, disse à Al Jazeera o coronel aposentado dos EUA Seth Krummrich, agora vice-presidente da Global Guardian, uma consultoria de segurança.

Os republicanos há muito que defendem o corte das despesas públicas e, se a Ucrânia for vista como antidemocrática, seria mais fácil retirar a ajuda ao país do orçamento dos EUA.

Krummrich explicou também que o compromisso público do presidente Joe Biden em ajudar a Ucrânia também transformou o país numa alavanca política útil para os republicanos.

O Partido Republicano tornou a ajuda adicional à Ucrânia dependente da aprovação de leis de asilo mais rígidas e de mais fundos para a segurança das fronteiras, uma questão popular entre os seus apoiantes.

“Isso tem muito mais a ver com a política de imigração dos EUA”, disse Krummrich. “Os republicanos na Câmara estão claramente a pressionar a administração Biden a mudar a sua política no lado da imigração se quiserem obter financiamento para a Ucrânia, pelo que esta é basicamente uma situação de reféns.”

O próprio Biden uniu a imigração e o financiamento para a Ucrânia, colocando-os no mesmo projeto de lei, acrescentou Krummrich.

“Não entendo por que eles [Biden officials] faria isso, porque dá toda a vantagem aos republicanos”, disse ele.

Na experiência americana, uma eleição em tempo de guerra é viável. Franklin D Roosevelt conquistou um quarto mandato sem precedentes como presidente em 1944, durante a Segunda Guerra Mundial, mas seu país não estava sob ocupação.

Zelenskyy poderia sem dúvida vencer uma eleição. Contrariando o conselho dos seus aliados, ele recusou-se a negociar a transferência de qualquer parte do território ucraniano para a Rússia antes da invasão e recusou-se a deixar Kiev quando a invasão aconteceu.

O seu objectivo oficial continua a ser a libertação de cada centímetro quadrado da Ucrânia, e os eleitores apoiam esmagadoramente esse objectivo nas sondagens de opinião. A aprovação de Zelenskyy ficou na faixa do percentil 80 nas pesquisas realizadas em julho e agosto.

Mesmo assim, Zelenskyy tomou posição contra as eleições.

“Todos compreendemos que agora, em tempo de guerra, quando há muitos desafios, é totalmente irresponsável envolver-se em temas relacionados com uma eleição de uma forma tão frívola”, disse Zelenskyy num discurso em vídeo no dia 6 de Novembro.

“Precisamos de reconhecer que este é um momento de defesa, um momento de batalha, do qual depende o destino do Estado e do seu povo”, continuou ele. “Acredito que as eleições não são apropriadas neste momento.”


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *