Conflitos sobre combustíveis fósseis, guerra em Gaza na cúpula climática COP28


0

O ataque de Israel a Gaza recomeça um dia depois de a cimeira chegar a um acordo sobre um fundo de reabilitação há muito procurado.

O secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, fala durante uma sessão na COP28 Cúpula do Clima da ONU, sexta-feira, 1º de dezembro de 2023, em Dubai, Emirados Árabes Unidos. (Foto AP/Joshua A. Bickel)

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, instou os líderes mundiais na cimeira climática COP28 a planearem um futuro sem combustíveis fósseis, dizendo que não havia outra forma de conter o aquecimento global.

Falando um dia depois de o presidente da COP28, Sultão Ahmed al-Jaber, ter proposto abraçar o uso contínuo de combustíveis fósseis, Guterres disse: “Não podemos salvar um planeta em chamas com uma mangueira de incêndio de combustíveis fósseis”.

“O limite de 1,5 graus só será possível se pararmos de queimar todos os combustíveis fósseis. Não reduzir. Não diminuir”, disse ele na sexta-feira, referindo-se às tecnologias emergentes para capturar e armazenar emissões de carbono.

As visões concorrentes resumiram a dificuldade das conversações climáticas da ONU nos Emirados Árabes Unidos, produtores de petróleo, onde as divisões sobre os combustíveis fósseis e a acrimónia sobre o atraso no financiamento e as tensões geopolíticas em torno da guerra em Gaza ameaçavam distrair os delegados de fazerem progressos.

Fundo para desastres climáticos

Na quinta-feira foi alcançado um acordo para a criação de um “fundo para perdas e danos” para ajudar os países pobres a enfrentar os impactos das alterações climáticas, que são em grande parte o resultado da utilização de combustíveis fósseis pelos países ricos, que produziram uma grande parte das emissões cumulativas. .

Embora esse fundo seja há muito procurado pelas nações em desenvolvimento, que são as que mais perdem com as alterações climáticas e que instaram os países mais ricos a prestar assistência, apenas 700 milhões de dólares foram dedicados ao fundo. Os países pobres disseram que são necessários 100 mil milhões de dólares.

Um membro de um país em desenvolvimento no principal conselho consultivo da cimeira também renunciou na sexta-feira, após relatos de que o anfitrião, os Emirados Árabes Unidos, usaria o evento para tentar garantir acordos comerciais sobre mais produção de petróleo e gás.

“Estas ações minam a integridade da presidência da COP e do processo como um todo”, disse Hilda Heine, ex-presidente das Ilhas Marshall, de baixa altitude e vulneráveis ​​ao clima, numa carta de demissão.

Um porta-voz de al-Jaber, que também é chefe da Companhia Nacional de Petróleo de Abu Dhabi, negou os relatos e disse estar “extremamente decepcionado” com a renúncia.

Um especialista em clima da Autoridade Palestina fala aos repórteres
Hadeel Ikhmais, especialista em mudanças climáticas da Autoridade Palestina, fala aos repórteres na Cúpula do Clima da ONU COP28 [Joshua A Bickel/AP Photo]

Raiva pela guerra em Gaza

Alguns líderes mundiais subiram ao pódio na sexta-feira para criticar o bombardeamento de Gaza por Israel, quebrando um acordo tácito para se manterem afastados da política nas cimeiras climáticas da ONU.

O presidente turco, Recep Tayyip Erodgan, e o presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, acusaram Israel de cometer crimes de guerra em Gaza durante os seus discursos, enquanto um oficial israelita disse que os militares cumpriam o direito internacional e tinham a intenção de destruir o Hamas.

“A África do Sul está consternada com a tragédia cruel que está em curso em Gaza. A guerra contra o povo inocente da Palestina é um crime de guerra que deve acabar agora”, disse Ramaphosa.

“Como vemos nesta região, os conflitos estão a causar imenso sofrimento e intensa emoção”, disse Guterres em declarações na sexta-feira. “Acabamos de receber a notícia de que as bombas estão soando novamente em Gaza.”

“Estamos aqui todos juntos, todo o mundo junto, para combater as alterações climáticas e, na verdade, estamos a negociar para quê?” perguntou Hadeel Ikhmais, especialista em alterações climáticas da Autoridade Palestiniana. “Estamos negociando para quê no meio de um genocídio?”

O presidente israelense, Isaac Herzog, deveria fazer um discurso na sexta-feira, mas não o fez depois que outros líderes criticaram o pesado bombardeio de Israel em Gaza, que o presidente colombiano, Gustavo Petro, chamou de “genocídio e barbárie desencadeados sobre o povo palestino”.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *