Cobertura ocidental de Gaza: um caso clássico de jornalismo colonizador


0

A guerra de Israel contra Gaza expôs a verdadeira natureza e propósito dos meios de comunicação ocidentais.

pessoas fogem a pé - com um burro carregando uma pessoa ferida enquanto a fumaça sobe ao fundo
A fumaça dos bombardeios sobe ao fundo enquanto palestinos deslocados fogem de Khan Yunis, no sul da Faixa de Gaza, em 30 de janeiro de 2024 [Mahmud Hams/AFP]

Se tem acompanhado os meios de comunicação ocidentais para tentar compreender as imagens e histórias comoventes provenientes de Gaza durante a invasão de Israel, ficará certamente desapontado.

Desde o início do último ataque israelita ao enclave palestiniano sitiado – que está a revelar-se um dos esforços de limpeza étnica mais rápidos da história – as organizações noticiosas ocidentais publicaram repetidamente alegações infundadas, contaram um lado da história e encobriram a violência selectivamente para justificar as violações do direito internacional por parte de Israel e protegê-lo do escrutínio.

Ao fazê-lo, os jornalistas ocidentais abandonaram os padrões básicos na sua cobertura da conduta de Israel para com os palestinianos. Nada disso é novo. Os fracassos do jornalismo ocidental ajudaram Israel a justificar a sua ocupação e violência contra os palestinianos durante mais de 75 anos.

Em 6 de agosto de 2022, mais de um ano antes do ataque do Hamas a Israel em 7 de outubro, numa ruptura particularmente flagrante com o bom jornalismo, o The New York Times enterrou o lede sobre a morte de seis crianças palestinianas no seu relatório sobre um “flare” em Israel. “Combate Israel-Gaza”.

No relatório, os jornalistas esperaram até ao segundo parágrafo para mencionar que seis crianças estavam entre as vítimas dos ataques israelitas no campo de refugiados de Jabalia, em Gaza, e sem sequer quebrarem a frase acrescentaram que “Israel disse que algumas mortes de civis foram o resultado de militantes esconderem armas em áreas residenciais” e “em pelo menos um caso, um foguete palestino que falhou matou civis, incluindo crianças, no norte de Gaza”.

Nas escolas de jornalismo isto é identificado como reportagem “de tirar o fôlego”. E acabou sendo um relatório errado também. Dez dias depois, os militares israelitas admitiram finalmente que estavam por detrás dos ataques que mataram aquelas crianças em Jabalia.

O New York Times não noticiou isso de forma tão ofegante.

Poderia chamar-lhe pouco profissional – o que seria verdade, uma vez que a cobertura deste conflito nos meios de comunicação social ocidentais foi claramente moldada pela ideologia e não pela verificação rigorosa dos factos. Tal avaliação, no entanto, encobriria um problema cada vez mais profundo no jornalismo ocidental: a colonialidade.

A reportagem de conflitos é um dos cantos mais hipercolonizados das maiores redações do mundo. Mesmo em redações com diversidade racial, reportar conflitos pode ser complicado. Mas os erros flagrantes que parecem passar pelos filtros editoriais em redações que se orgulham da precisão das suas reportagens sobre conflitos precisam de ser contabilizados. Também é necessário que fique registado que, com estes erros consistentes, os jornalistas ocidentais estão a “mediar” o conflito na Palestina e não apenas a reportá-lo.

Eu estaria medindo as palavras se não o chamasse pelo que realmente é: um caso clássico de jornalismo colonizador. É o jornalismo feito por profissionais dos países colonizadores que se orgulham das suas conquistas imperiais e têm um elevado sentido de identidade, cada fibra alimentada por séculos de acumulação predatória de riqueza, conhecimento e privilégios. Estes jornalistas parecem convencidos de que os seus países lutaram e derrotaram inimigos particularmente imorais e poderosos ao longo da história, detiveram o mal, protegeram a civilização e salvaram o dia. Esta é a história dominante do Ocidente e, por extensão, também a história do jornalismo ocidental.

Contudo, a história dominante muitas vezes não é a verdadeira história – é apenas a história dos vencedores.

E hoje, os meios de comunicação ocidentais estão mais uma vez a contar a história dos vencedores em Gaza, como fizeram inúmeras vezes antes na sua cobertura de conflitos, crises e sofrimento humano em nações pós-coloniais.

Tenho visto isto na cobertura de doenças tropicais feita por repórteres que sabem que a malária, a dengue ou o Ébola nunca correrão nas suas veias nem afectarão as suas comunidades. Já vi isso depois do genocídio dos Rohingya, quando perguntaram aos sobreviventes do genocídio se tinham sido “reprimidos por cinco ou sete homens” quando foram violados em grupo.

O jornalismo ocidental é, na sua essência, o jornalismo do vencedor – nunca tenta desconstruir histórias, colocá-las na ordem certa ou adicionar contexto relevante para falar a verdade ao poder e expor os contínuos excessos, agressões e violência dos “vencedores”. de história.

E quando se trata da Palestina, trata-se de jornalismo sobre a ocupação por pessoas que nunca saberão como é viver sob ocupação. É uma reportagem voyeurística sem uma bússola moral ou um senso fundamental de decência.

No jornalismo do colonizador, a linguagem é uma arma usada para apagar a humanidade dos colonizados. Em Os Condenados da Terra, no qual analisou os efeitos desumanizadores da colonização, o filósofo Frantz Fanon escreveu sobre o sofrimento argelino (durante a conquista imperial da França) como sendo retratado em reportagens da mídia como “hordas de estatísticas vitais” sobre “massas histéricas” com “ crianças que parecem não pertencer a ninguém”. O livro foi escrito em 1961, mas as suas inferências aplicam-se perfeitamente à cobertura mediática ocidental do sofrimento palestiniano actual.

Este uso desumanizador da linguagem tem sido mais visível na contagem de mortes. No início de Novembro, o The Times de Londres notou que “os israelitas assinalaram um mês desde que o Hamas matou 1.400 pessoas e raptou 240, iniciando uma guerra na qual 10.300 palestinianos teriam morrido”. Nas notícias ocidentais, os israelitas morrem com voz activa – o Hamas “matou-os” ou “assassinou” – enquanto os palestinianos morrem passivamente. Eles “desidratam-se até à morte à medida que a água limpa acaba”, como disse uma vez o Guardian, como se isto não fosse um crime intencional contra a humanidade, mas um acto aleatório de Deus.

De acordo com a máquina de propaganda do Ocidente, Israel tem o direito de destruir Gaza, a Cisjordânia, Jerusalém Oriental, o Irão, o Líbano, o Iémen e qualquer outro país da região para manter os israelitas seguros. Pode matar quase todos os muçulmanos, judeus que pedem um cessar-fogo, funcionários da ONU e médicos dos Médicos Sem Fronteiras (Médicos Sem Fronteiras, ou MSF), jornalistas, motoristas de ambulância e até bebés no processo de atacar o Hamas. No entanto, poucas organizações de notícias discutem o que isso significa para Israel e para o mundo, se a única forma de se sentir seguro for fazendo chover morte e miséria sobre milhões de pessoas. Nenhum deles – pois agora existe um “nós” e um “eles”, um mundo dividido entre colonizados e colonizadores – alguma vez questionou de forma significativa se uma vitória alcançada à custa das vidas de milhares de crianças inocentes pode alguma vez ser considerada uma vitória. vitória em primeiro lugar.

Nesta astuta propaganda de guerra, os jornalistas ocidentais estão a obscurecer a verdadeira história que enfrentamos aqui – que Israel, apoiado pelos militares mais poderosos do mundo, está a travar guerra contra um povo sem Estado que vive sob a sua ocupação e pulveriza homens e mulheres inocentes. e crianças aos milhares. A história de que os governos ocidentais têm permitido esta carnificina enquanto ensinam ao mundo sobre os seus valores superiores, decência e amor pela democracia. Qualquer pessoa que viva no mundo pós-colonial sabe que o seu discurso sobre decência e amor pela democracia e jornalismo excepcional e políticos decentes – é tudo menos uma fraude.

A esta hora tardia, enquanto a guerra avança e as crianças morrem de fome e Israel é julgado por “genocídio plausível”, é crucial apontar para o sangue nas mãos dos jornalistas ocidentais. Eles, em perfeita coordenação com os seus governos poderosos, difamaram e enfraqueceram instituições multilaterais como as Nações Unidas, deram às narrativas israelitas de “autodefesa” um verniz de respeitabilidade e levaram as histórias e perspectivas palestinianas à irrelevância.

Os poucos palestinianos a quem foi dada uma plataforma – em nome do “equilíbrio” e do bom jornalismo – foram desencorajados de discutir as décadas de opressão, ocupação e abusos que sofreram às mãos de Israel. Foi-lhes permitido apenas chorar pelos seus familiares mortos e implorar por mais ajuda para alimentar os seus filhos famintos – depois de condenarem o Hamas, claro.

Talvez com esta guerra o jogo finalmente tenha terminado para o jornalismo ocidental. Enquanto assistem à guerra de Israel em Gaza nas suas redes sociais e veem o que está a acontecer com os seus próprios olhos através dos relatórios e testemunhos dos próprios palestinianos, cada vez mais pessoas em todo o mundo reconhecem o papel dos meios de comunicação ocidentais na perpetuação do poder colonial, da sua língua e ideologias.

Hoje em dia há críticas crescentes sobre a forma como os líderes ocidentais falharam, mas não se diz o suficiente sobre como a intelectualidade ocidental, e especialmente aqueles que lideram as redações mais influentes do Ocidente, também falharam. Não foram apenas o liberalismo ocidental e a ordem baseada em regras que foram reduzidos a escombros como resultado da guerra de Israel em Gaza, mas também a legitimidade do jornalismo ocidental.

Na sua cobertura da guerra de Gaza, as organizações noticiosas ocidentais demonstraram claramente que consideram a morte em massa, a fome e a miséria humana ilimitada como aceitáveis ​​e até mesmo inevitáveis ​​quando infligidas pelos seus aliados. Mostraram que o jornalismo de conflito, tal como praticado nas redações ocidentais, nada mais é do que outra forma de violência colonial – que é realizada não com bombas e drones, mas com palavras.

Neste momento de barbárie avassaladora, jornalistas negros como eu são açoitados pela monumental amoralidade das redações que nos dizem que devemos respeitar. O mínimo que os jornalistas ocidentais, com o seu poder significativo, poderiam fazer neste momento é exigir um cessar-fogo permanente e poupar-nos mais uma parcela do jornalismo colonizador.

As opiniões expressas neste artigo são do próprio autor e não refletem necessariamente a posição editorial da Al Jazeera.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *