Acordo do Hamas divide políticos de Israel, visto como ‘grande dano’, ‘doloroso’


0

O primeiro-ministro israelense fechou o acordo com o apoio dos parceiros da coalizão de extrema direita, que criticaram severamente a medida.

Uma pessoa diante de fotos durante uma manifestação para exigir a libertação de reféns que estão detidos na Faixa de Gaza depois de terem sido capturados por homens armados do Hamas em 7 de outubro.
Uma pessoa diante de fotos durante uma manifestação para exigir a libertação de reféns detidos na Faixa de Gaza depois de terem sido capturados por homens armados do Hamas em 7 de outubro, em Tel Aviv, Israel, em 21 de novembro [Amir Cohen/Reuters]

O primeiro-ministro de Israel conseguiu garantir uma trégua com o Hamas com o apoio dos parceiros da coligação de extrema-direita de que necessita para permanecer no poder, mas vários membros do gabinete expressaram o seu descontentamento por fazer demasiadas concessões ao grupo palestiniano.

O acordo entre Israel e o Hamas alcançado na manhã de quarta-feira, com mediação do Qatar, inclui uma trégua de vários dias e a libertação de 50 reféns detidos em Gaza em troca de 150 palestinianos detidos por Israel, entre outras medidas.

Embora o gabinete do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, tenha aprovado a trégua, membros da linha dura, como o ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben-Gvir, reiteraram a oposição mesmo depois de esta ter sido anunciada.

“O Hamas queria esse intervalo mais do que qualquer outra coisa”, postou Ben-Gvir no X, e disse que a pausa daria ao grupo tempo para reabastecer e se reformular, informou a agência de notícias dpa.

Ben-Gvir também disse na quarta-feira que Israel estava repetindo os erros do passado, referindo-se a um acordo de 2011, quando mais de 1.000 prisioneiros palestinos foram libertados em troca do soldado israelense Gilad Shalit, que estava detido pelo Hamas há cinco anos.

Depois de um membro do gabinete ter dito que era importante enviar uma mensagem de unidade, o meio de comunicação israelita Ynet informou que Ben-Gvir respondeu: “Mas não estamos unidos. Esta decisão nos causará grandes danos por gerações.”

As perguntas dos legisladores foram respondidas por membros do sistema militar e de inteligência de Israel, que procuraram dissipar as preocupações de que uma pausa nos combates pudesse prejudicar o ímpeto israelense depois de mais de um mês de ataques implacáveis ​​em Gaza.

O Presidente Isaac Herzog reconheceu que as “reservas são compreensíveis, dolorosas e difíceis”, mas acrescentou numa declaração que, dadas as circunstâncias, apoiou o governo para avançar com o acordo.

“Este é um dever moral e ético que expressa corretamente o valor judaico e israelense de garantir a liberdade daqueles mantidos em cativeiro, com a esperança de que seja o primeiro passo para devolver todos os reféns para casa”, disse Herzog.

O Hamas lançou um ataque ao sul de Israel em 7 de outubro, que as autoridades israelenses dizem ter matado 1.200 pessoas e sequestrado cerca de 240 pessoas. O ataque mortal abalou a sociedade israelita e dividiu opiniões sobre o caminho certo a seguir.

Representantes do partido Religioso Sionista, liderado pelo ministro das Finanças de direita, Bezalel Smotrich, votaram a favor da trégua depois de expressarem cepticismo.

Em uma postagem nas redes sociais, a Ministra de Assentamentos e Missões Nacionais, Orit Strock, disse que votou a favor da proposta “mesmo que eu realmente não planejasse” após “revisões detalhadas, [and] perguntas respondidas minuciosamente”.

Israel prometeu eliminar o Hamas, mas tem enfrentado um escrutínio crescente sobre as ações em Gaza que, segundo os críticos, constituem uma punição indiscriminada à população do enclave sitiado.

Netanyahu deixou claro que o acordo não significa que a guerra irá parar e prometeu que os militares israelitas prosseguirão após a pausa nos combates.

Israel cortou o acesso a alimentos, combustível e electricidade aos mais de 2,3 milhões de residentes de Gaza e destruiu bairros inteiros num ataque que as autoridades palestinianas dizem ter matado mais de 14.000 pessoas, das quais mais de 5.600 são crianças.

À medida que as condições em Gaza atingem o ponto de ruptura, aumenta a pressão para uma pausa nos combates para permitir a assistência humanitária à sitiada Faixa de Gaza.

Alguns israelitas, incluindo aqueles que perderam entes queridos ou continuam a aguardar o seu regresso após terem sido raptados durante o ataque, também apelaram ao governo para dar prioridade ao regresso dos reféns.

“As pessoas não foram sequestradas no exterior. Eles foram sequestrados aqui, em Israel, de suas camas”, disse o ministro da Cooperação Regional, David Amsalem, membro do partido de direita Likud, de Netanyahu. “Um grande fracasso aconteceu aqui. Portanto, devemos trazê-los de volta.”

O tribunal superior de Israel rejeitou na quarta-feira uma petição da Associação de Vítimas do Terror de Almagor que afirmava que o acordo representaria uma ameaça à segurança do país, de acordo com relatos da mídia israelense.

A petição argumentava que libertar alguns cativos, mas não todos, violava o direito à igualdade, segundo o The Times of Israel. Apelou a um adiamento na implementação do acordo até que o governo pudesse provar que a trégua não punha em perigo a vida dos israelitas.

Um período de 24 horas durante o qual o público israelense poderia registrar objeções legais ao acordo aprovado pelo governo começou na noite de terça-feira.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *