A trégua Israel-Hamas entra em vigor: como ela poderia se desenrolar agora


0

Com a trégua, a primeira pausa nos combates após sete semanas, vários cenários na guerra são agora possíveis.

Palestinos se reúnem no complexo do Hospital Al Shifa, na cidade de Gaza, em meio à operação terrestre em andamento do exército israelense contra o grupo islâmico palestino Hamas, na Faixa de Gaza
Palestinos se reúnem no complexo do Hospital al-Shifa, na Cidade de Gaza, em meio às contínuas operações terrestres do exército israelense contra o grupo palestino Hamas na Faixa de Gaza [Ronen Zvulun/Reuters]

A mãe da prisioneira palestina há mais tempo presa nas prisões israelenses está dominada pela ansiedade, mas, pela primeira vez, também pelo otimismo.

A mãe de outro prisioneiro preso poucos meses depois de ele completar 18 anos, está assando bolo de chocolate e outros doces em antecipação à sua libertação.

Em Israel, um avô questiona se a sua neta de três anos será libertada, a criança entre seis outros membros da família mantidos em cativeiro pelo Hamas.

Entretanto, um psicólogo do desenvolvimento de Tel Aviv preocupa-se com os sinais pós-traumáticos nas crianças quando regressam de Gaza.

Na manhã de sexta-feira, às 7h, horário local (05h00 GMT), a trégua entre Israel e o Hamas entrou em vigor, marcando a primeira pausa no bombardeio contínuo de sete semanas de Israel na Faixa de Gaza, após o ataque do Hamas em 7 de outubro ao sul de Israel.

A pausa de quatro dias deverá assistir à troca de 150 mulheres e crianças palestinianas presas em prisões israelitas por 50 mulheres e crianças reféns detidas pelo Hamas. Também oferece uma oportunidade para a ajuda se infiltrar no enclave devastado onde quase 15 mil pessoas foram mortas no bombardeamento, incluindo mais de 6 mil crianças.

As autoridades israelitas, embora inflexíveis de que a trégua não representa o fim da guerra, também concordaram em interromper os combates por mais um dia por cada mais 10 prisioneiros libertados pelo Hamas.

Sendo a trégua o primeiro avanço para persuadir a cessação das hostilidades após semanas de combates, vários cenários são possíveis agora que entrou em vigor.

Aqui está uma olhada em alguns deles:

INTERATIVO - Cenários possíveis do acordo de trégua em Gaza-1700745219
(Al Jazeera)

A trégua mantém

Primeiro, a trégua pode muito bem ser mantida e o acordo respeitado por ambas as partes.

Enquanto os prisioneiros e cativos são trocados, a ajuda humanitária poderá entrar não apenas no sul de Gaza, como tem feito nas últimas semanas, mas também poderá entrar no norte de Gaza, onde as forças israelitas estão a realizar um ataque terrestre, disse Aboud Hamayel, professor da Universidade de Birzeit. na Cisjordânia ocupada.

Mas embora a ajuda humanitária seja bem-vinda, a trégua também levantará a questão do que deveria ser feito com o norte de Gaza, uma vez que foi em grande parte esvaziado de palestinos, disse Sami Hamdi, diretor-gerente da International Interest, uma empresa de risco político focada em no Médio Oriente.

“Haverá vozes cada vez mais altas exigindo que estas famílias palestinianas sejam autorizadas a regressar ao norte de Gaza, a fim de reverter a tentativa israelita de limpeza étnica”, disse Hamdi à Al Jazeera.

Apesar disso, a pausa nos combates seria uma tábua de salvação para muitos palestinos, uma oportunidade para eles se recuperarem e “tirarem as pessoas dos escombros”, disse Hamayel à Al Jazeera.

Em Israel, o regresso dos cativos pode representar uma pequena vitória de relações públicas para o primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu, que tem enfrentado uma pressão crescente das suas famílias desde a sua captura, disse o analista.

Mas foi a pressão internacional, além da pressão das famílias, que obrigou o líder israelita a aceitar a trégua depois de semanas a recusar acordos semelhantes, disse Hamdi.

A pressão internacional será, portanto, crítica para garantir que ambos os lados mantenham a trégua, concordou Hamayel, estando os actores ocidentais particularmente interessados ​​em manter a estabilidade regional para que a economia petrolífera não se torne demasiado volátil.

A trégua é estendida

Se a pressão internacional for bem sucedida, ou se o Hamas concordar em libertar mais dos 237 prisioneiros actualmente detidos, poderá existir a possibilidade de a trégua não só se manter como se manter para além dos quatro dias iniciais, até cerca de três semanas.

Ambos os lados poderiam aproveitar esta pausa mais longa nos combates para convalescer, reorganizar as suas tropas e reunir informações para a próxima fase da guerra, disse Hamayel.

Israel também poderá aproveitar a pausa para explorar os túneis do Hamas, o que ainda não fez, mas sugeriu fazer.

Israel, embora sinalize que não tem intenção de acabar com a guerra, também pode preferir uma pausa mais longa, uma vez que a guerra está a esgotar a sua economia e a afectar o seu turismo, disse Hamayel.

Entretanto, poderá intensificar os seus ataques na Cisjordânia ocupada à medida que a frente de Gaza arrefece, disse o analista. Mais de 226 pessoas morreram e mais de 2.750 ficaram feridas na Cisjordânia desde 7 de outubro.

A trégua quebra

O cenário oposto aos dois anteriores é o de quebra da trégua, com Israel tendo mais incentivos para quebrá-la do que o Hamas, disseram os analistas.

O Hamas não quer perder credibilidade junto dos seus mediadores, enquanto a situação dos civis palestinianos é demasiado terrível para que o grupo arrisque não lhes dar uma trégua nos combates, disse Hamayel.

Entretanto, Netanyahu não conseguiu alcançar nenhum dos objectivos estratégicos que alegou procurar quando iniciou as operações militares e que o obrigam a continuar os combates, disse Hamdi.

“Ele não conseguiu matar nenhum funcionário de alto nível do Hamas. Ele não foi capaz de acabar com o Hamas em Gaza’, disse Hamdi.

Mas o Hamas e os seus aliados regionais não encarariam levianamente a quebra da trégua por parte de Israel, esperando-se que o grupo armado palestiniano dispare mísseis contra Israel em resposta e a possibilidade de uma escalada gradual das tensões em múltiplas frentes da guerra, disse Hamayel.

Também é possível que o Hamas quebre a trégua, com tal resposta não só provocando a ira ocidental contra o grupo, mas provavelmente aumentando a agressão israelita tanto aérea como terrestre, acrescentou.

Os seus aliados regionais continuariam a errar por excesso de cautela e trabalhariam no sentido de procurar uma desescalada do conflito, disse Hamdi.

Um caminho para acabar com a guerra?

Entretanto, existe uma preocupação entre as autoridades israelitas, incluindo os aliados de Netanyahu, de que “esta troca de reféns seja essencialmente uma tentativa de atrair Israel para um cessar-fogo permanente”, disse Hamdi.

Como resultado, o primeiro-ministro tem garantido que as operações militares continuarão, acrescentou. Na quinta-feira, o ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, disse que a guerra continuaria por pelo menos mais dois meses após o fim da trégua.

Mas a pressão internacional para um cessar-fogo está a aumentar. Esta foi a opinião maioritária numa cimeira do grupo BRICS no início desta semana, o bloco de economias emergentes mais poderoso do mundo. O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, também apelou a um cessar-fogo humanitário.

A trégua abriu a possibilidade de mais compromissos diplomáticos e soluções para o possível fim de um conflito sangrento e amargo que tomou conta do mundo, disse Hamayel.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *