Quem é o general que lidera a nova estratégia de guerra da Rússia na Ucrânia?


0

Apelidado de ‘açougueiro’ de Aleppo e Grozny, Aleksandr Dvornikov, foi homenageado com uma medalha de Herói da Rússia em 2016.

O presidente russo Vladimir Putin posa para uma foto com Alexander Dvornikov depois que ele foi premiado com o título de Herói da Federação Russa em Moscou, Rússia 17 de março de 2016 [Alexey Nikolsky/Sputnik/Kremlin via Reuters]

Vinnytsia, Ucrânia – “Ele é chamado de ‘açougueiro’ desde os dias da Segunda Guerra Chechena, depois em Aleppo, na Síria”, disse o tenente-general Ihor Romanenko, ex-vice-chefe do Estado-Maior Geral das Forças Armadas da Ucrânia, sobre Aleksandr Dvornikov.

Recentemente relatado para ter sido nomeado como o comandante supremo das forças da Rússia na Ucrânia, Dvornikov comandou uma divisão russa de fuzis que invadiu Grozny, a capital da província russa independente de fato da Chechênia, no final de 1999 e início de 2000.

Então, as forças russas bombardearam a cidade antes de se mover em pequenos grupos de infantaria que supostamente atiraram em qualquer um que vissem.

Artilharia de foguetes, bombas de fragmentação proibidas e mísseis de cruzeiro mataram milhares de civis e arrasaram Grozny.

A cidade caiu em 6 de fevereiro de 2000, elevando os índices de aprovação do primeiro-ministro russo Vladimir Putin, eleito presidente menos de um mês depois.

Atualmente, observadores dizem que Moscou parece estar usando uma tática semelhante na cidade sitiada de Mariupol, no sul da Ucrânia. Autoridades ucranianas acusam a Rússia de matar dezenas de milhares de civis e danificar ou destruir quase todos os prédios da região.

Apagando Aleppo

Em 2015, Putin colocou Dvornikov no comando das forças russas na Síria devastada pela guerra.

Dvornikov salvou o governo do presidente sírio, Bashar al-Assad, de desmoronar e assumiu a batalha por Aleppo, um reduto da oposição.

Ele parece ter usado as táticas de Grozny, com dezenas de milhares de sírios sendo mortos e a cidade histórica sendo transformada em ruínas fumegantes.

“Nada o detém. Ele segue a antiga abordagem soviética e depois russa – se houver forças, elas devem ser concentradas e usadas para destruir tudo”, disse Romanenko.

“Vimos os resultados em Aleppo”, disse ele.

Dvornikov viu os resultados de forma diferente.

“A ação militar do grupo russo de forças armadas mudou radicalmente a situação na Síria em cinco meses e meio. A possível desintegração da Síria foi frustrada”, disse ele ao jornal Rossiiskaya Gazeta, publicado diariamente em uma rara entrevista em março de 2016.

Dias antes, Putin colocou uma medalha de Herói da Rússia, um dos maiores prêmios da Rússia, em Dvornikov no Kremlin.

O estratagema, no entanto, não parece estar funcionando no norte e no centro da Ucrânia.

Lá, terreno arborizado, emboscadas ousadas e ataques de forças ucranianas, bem como logística precária e baixo moral, impediram o avanço dos russos em direção a Kiev, disse Romanenko.

Eles sofreram perdas pesadas e humilhantes e se retiraram das regiões de Kiev, Chernihiv e Sumy no início de abril.

Mas o sul da Ucrânia é diferente, pois as paisagens são dominadas por estepes, e Moscou parece estar usando as mesmas táticas mais uma vez, disse Romanenko.

Apoiando os rebeldes

Em 2016, dois anos depois que separatistas apoiados pelo Kremlin pegaram em armas contra a Ucrânia nas províncias de Donetsk e Luhansk, no sudeste, Putin colocou Dvornikov no comando do Distrito Militar do Sul da Rússia.

Este posto inclui bases anexadas da Crimeia e da Rússia nas regiões separatistas georgianas da Ossétia do Sul e da Abkhazia – e possui milhares de membros do serviço testados em batalha.

Embora Moscou tenha negado veementemente o envio de tropas para a Ucrânia na época, autoridades em Kiev, inteligência ocidental e reportagens da mídia revelaram a presença de militares e “consultores” russos nas províncias separatistas.

A guerra se tornou o conflito armado mais quente da Europa, matando mais de 13.000 pessoas e desalojando milhões de ucranianos desde 2014.

Quando Dvornikov se mudou para seu novo quartel-general na cidade de Rostov-on-Don, no sul da Rússia, a fase ativa da guerra havia terminado quando se transformou em um conflito de trincheiras.

Dvornikov ainda adquiriu um profundo conhecimento da Ucrânia e foi responsável pela formação do Oitavo Exército Combinado de Guardas, uma reencarnação da força militar da Segunda Guerra Mundial.

Ele estava parcialmente estacionado nas regiões rebeldes ucranianas conhecidas coletivamente como Donbas, disse Pavel Luzin, analista militar baseado na Rússia da Fundação Jamestown, um think tank em Washington, DC.

“Portanto, ele conhece o teatro militar no leste da Ucrânia há muito tempo”, disse Luzin à Al Jazeera.

Diz-se que Dvornikov planejou o incidente de 2019 no Mar de Azov, um corpo de água raso a nordeste da Crimeia anexada, quando navios russos bloquearam e apreenderam três navios da marinha ucraniana que tentaram entrar no mar. Moscou capturou 24 marinheiros ucranianos que foram mantidos na Rússia por quase 10 meses.

Como resultado, a União Europeia colocou Dvornikov e outros sete generais e funcionários russos na lista negra em 2019.

Embora punido pelas potências ocidentais, ele ganhou pontos com Putin ao conduzir uma série de exercícios militares vastos e impressionantes.

Ele liderou a gigantesca prática militar do Cáucaso 2020 ao lado da fronteira da Ucrânia. Os exercícios envolveram dezenas de milhares de soldados da Rússia e ex-repúblicas soviéticas e foram realizados em cerca de 30 locais na Rússia, na Crimeia anexada e na Armênia.

Eles mostraram o uso de “escalões móveis”, uma nova maneira de coordenar as forças em terra, no ar e no mar.

Putin chegou com pompa à cidade de Kapustin Yar, região do Volga, para observar a parte final dos exercícios, e Dvornikov disse a ele que as forças “provaram nossa prontidão para a batalha”.

O Ministério da Defesa ucraniano alertou profeticamente que os exercícios visavam criar um grupo de forças russas que invadiriam a Ucrânia.

Em março e abril de 2021, o distrito militar de Dvornikov tornou-se o foco de outra demonstração de força.

O Kremlin reuniu dezenas de milhares de soldados ao longo da fronteira com a Ucrânia, na Bielorrússia, amiga de Moscou, e anexou a Crimeia – um confronto que abriu o caminho para o primeiro encontro cara a cara de Putin com o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

No entanto, a Ucrânia e o Ocidente ignoraram uma lista de exigências russas que incluíam a proibição da adesão de Kiev à Otan e um limite à presença de tropas da Otan na Europa Oriental, o antigo reduto da Moscou soviética.

Assim, Putin iniciou uma invasão para derrubar o governo do presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy e, em suas palavras, “desnazificar” a Ucrânia.

Mas ele não havia nomeado um único comandante para liderar o ataque – até a nomeação de Dvornikov na segunda-feira, de acordo com o conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Jake Sullivan.

Dvornikov já liderou a ofensiva em torno de Donbas e nas províncias do sul, onde a Rússia tomou o único grande centro urbano, Kherson, de acordo com o Instituto para o Estudo da Guerra, um think tank em Washington, DC.

A nomeação marca a tentativa de Moscou de se livrar de seu calcanhar de Aquiles na guerra – a gestão coerente e centralizada de suas forças no terreno, disse o analista Luzin.

“Como o general mais avançado nesta área, Dvornikov foi nomeado para se livrar dos problemas mais sérios à luz da nova tentativa de avançar no leste da Ucrânia”, disse ele à Al Jazeera.

Outros observadores, no entanto, descartam o pedigree de Dvornikov, pois ele passou a maior parte de sua carreira gerenciando unidades militares de retaguarda em tempos de paz.

“Este é o problema do alto escalão da Rússia – eles não travam guerras sérias há muito tempo que cobriam toda a nação, não uma ‘operação especial’ local”, como o Kremlin chama sua invasão da Ucrânia, disse Nikolay Mitrokhin, um Pesquisador da Rússia na Universidade de Bremen da Alemanha.

“É por isso que não acho que sua nomeação vá mudar significativamente alguma coisa”, disse ele à Al Jazeera.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *