O que você deve saber sobre o plano da UE para proibir as importações de petróleo da Rússia


1
1 point

A Comissão Europeia propôs um plano para eliminar gradualmente as importações de petróleo bruto e refinado russo em resposta à invasão da Ucrânia pela Rússia.

A Rússia é o maior fornecedor de petróleo da Europa, fornecendo 26% das importações de petróleo do bloco em 2020 [File: Vasily Fedosenko/Reuters]

A Comissão Europeia propôs suas sanções mais duras até agora contra a Rússia, incluindo um embargo de petróleo em fases, como parte de uma sexta rodada de medidas de retaliação após a invasão da Ucrânia por Moscou.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse na quarta-feira que o embargo “será uma proibição completa de importação de petróleo russo, marítimo e oleoduto, bruto e refinado”, que ocorrerá em etapas para dar tempo aos estados para encontrar fontes alternativas de energia.

Para que a proposta seja aprovada, ela precisará do apoio de todos os Estados membros. Alguns países do bloco de 27 membros expressaram sua oposição a um embargo total.

“Hoje estamos abordando nossa dependência do petróleo russo, e sejamos claros, não será fácil”, disse von der Leyen ao Parlamento Europeu em Estrasburgo.

“Alguns estados membros são fortemente dependentes do petróleo russo, mas simplesmente temos que fazê-lo”, acrescentou.

Enviados de países da União Europeia ainda não chegaram a um acordo, mas as discussões devem ser retomadas na quinta-feira.

Aqui está o que você precisa saber sobre o embargo proposto:

O que está no plano da UE?

A Comissão Europeia está buscando eliminar gradualmente o fornecimento de petróleo bruto russo dentro de seis meses e produtos refinados até o final de 2022.

Segundo a proposta, a Hungria e a Eslováquia poderiam ter um período mais longo para se adaptarem ao embargo, até o final de 2023.

As medidas incluem a proibição dentro de um mês de todos os serviços de transporte, corretagem, seguros e financiamento oferecidos por empresas da UE para o transporte de petróleo russo em todo o mundo, disse uma fonte da UE à agência de notícias Reuters.

A proibição se aplicaria às exportações russas de petróleo em todo o mundo, afetando potencialmente a capacidade de Moscou de encontrar compradores alternativos depois que a UE parar de comprar petróleo russo.

O presidente-executivo da UE também propôs adicionar o principal banco da Rússia, o Sberbank, e duas outras instituições financeiras, a uma lista de vários bancos já cortados do sistema de mensagens SWIFT.

Se acordado, o embargo seguirá os Estados Unidos e o Reino Unido, que já impuseram proibições na tentativa de cortar um dos maiores fluxos de renda para a economia russa.

Espera-se que os embaixadores dos 27 governos da UE adotem a proposta já nesta semana, permitindo que ela se torne lei logo depois.

Um embargo semelhante ao carvão russo, imposto pela UE em abril, entrou em vigor imediatamente para o mercado spot e teve um período de encerramento de quatro meses para os contratos existentes.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse na quarta-feira que a Rússia está analisando várias opções enquanto se prepara para um embargo de petróleo da UE.

Como uma proibição afetaria as economias da UE?

A Rússia é o maior fornecedor de petróleo da Europa, fornecendo 26% das importações de petróleo do bloco em 2020. Alemanha, Polônia e Holanda são os maiores compradores de petróleo russo da Europa.

A Europa pagou à Rússia 14 bilhões de euros (US$ 14,94 bilhões) por petróleo desde o início do que Moscou chama de operação militar especial na Ucrânia há dois meses, segundo a organização de pesquisa Centro de Pesquisa em Energia e Ar Limpo.

A Comissão Europeia está trabalhando para acelerar a disponibilidade de fontes alternativas de energia para tentar reduzir o custo da proibição do petróleo russo.

No entanto, na falta de alternativas suficientes e com preços moderados, é provável que a UE acabe enfrentando um aumento na conta de energia ou uma desaceleração da atividade econômica.

O analista político russo Andrey Ontikov disse à Al Jazeera que Moscou provavelmente encontrará outros compradores fora da Europa, incluindo China e Índia, e disse que a UE enfrentará o pagamento de preços mais altos por importações alternativas de petróleo.

“Os países europeus estão dando tiros na própria perna”, disse Ontikov. “Não consigo imaginar a que preço esses países vão conseguir petróleo [elsewhere]. Talvez os Estados Unidos forneçam petróleo bruto, mas novamente, a que preço?”

A agência de notícias russa RIA citou Vladimir Dzhabarov, primeiro vice-chefe do comitê de assuntos internacionais da câmara alta russa, dizendo que a Europa continuará comprando petróleo russo através de terceiros países assim que introduzir um embargo.

Por que o gás natural não foi incluído no plano de sanções?

O gás natural ainda não foi alvo de sanções. Uma possível proibição ainda não foi devidamente discutida a nível da UE devido à dependência do bloco.

Em 2021, a UE importou mais de 40% de seu consumo total de gás da Rússia.

Desde as interrupções de gás que atingiram alguns países do leste da UE nos invernos de 2006 e 2009, a UE trabalhou em uma política energética comum para fortalecer sua segurança energética e o mercado interno de energia.

Em 2021, a energia representou 62% das importações totais da UE da Rússia, abaixo dos 77% em 2011, mas o bloco ainda está longe de reduzir sua dependência das importações de energia russas.

Dominic Kane, da Al Jazeera, reportando de Berlim, disse que o gás era “o elefante na sala” no Parlamento de Estrasburgo na quarta-feira.

“Os líderes europeus querem agir rápido contra a Rússia, mas estão presos à realidade das decisões que os governos de toda a Europa tomaram ao longo de décadas, quando pensaram que era do seu interesse fazer acordos com o presidente Putin”, disse ele.

No entanto, a Comissão da UE tomou medidas para acabar com sua dependência do gás russo.

Em 8 de março, publicou seu plano “REPowerEU”, delineando medidas para reduzir drasticamente as importações de gás russo antes do final do ano e alcançar a independência completa dos combustíveis fósseis russos antes do final da década.

INTERATIVO - Importações de gás russo para a UE - dependência da Europa no gás russo
(Al Jazeera)

Quais países levantaram preocupações sobre a proposta?

Hungria, Eslováquia, República Tcheca e Bulgária levantaram preocupações sobre o plano de embargo de petróleo.

A Eslováquia obtém quase todo o seu petróleo importado da Rússia, principalmente através do oleoduto Druzhba da era soviética, e juntou-se à Hungria, também altamente dependente de suprimentos russos, buscando uma isenção do embargo.

“Concordamos com essa sanção, mas estamos dizendo que precisamos de um período transitório até nos adaptarmos à situação”, disse o ministro da Economia da Eslováquia, Richard Sulik, em entrevista coletiva em Bratislava na quarta-feira. “O que está sendo discutido hoje é a duração do período transitório.”

Sulik disse que uma transição mais longa daria à Eslováquia tempo para garantir suprimentos alternativos.

A Hungria disse que não poderia apoiar o embargo proposto, pois destruiria sua segurança energética.

“O pacote de sanções de Bruxelas proibiria embarques de petróleo da Rússia para a Europa, com um prazo bastante curto, no caso da Hungria no final do próximo ano”, disse o ministro das Relações Exteriores Peter Szijjarto em um vídeo no Facebook, acrescentando que a Hungria não pode apoiar as medidas em sua forma atual.

A Hungria só poderia concordar com essas medidas se as importações de petróleo bruto da Rússia via gasoduto fossem isentas das sanções, disse o ministro.


Like it? Share with your friends!

1
1 point

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *