O que sabemos sobre o ataque da Ucrânia em Makiivka


0

No dia de Ano Novo, as forças ucranianas atacaram quartéis em um dos ataques mais mortíferos contra a Rússia desde o início da guerra.

Um homem observa os trabalhadores removendo os escombros de um prédio destruído que se supõe ser uma escola vocacional usada como acomodação temporária para soldados russos em Makiivka, na Ucrânia [Alexander Ermochenko/Reuters]

Um ataque com mísseis ucranianos em 1º de janeiro contra uma escola vocacional que abrigava tropas russas mobilizadas na região de Donetsk, na Ucrânia, controlada pela Rússia, tornou-se um dos incidentes mais sangrentos da guerra de quase um ano da Rússia na Ucrânia.

O que sabemos, e o que não sabemos, sobre o que aconteceu?

O que aconteceu?

A greve na Escola Técnica Profissional nº 19 em Makiivka, uma cidade gêmea da capital regional de Donetsk que é controlada por forças russas por procuração desde 2014, ocorreu durante o primeiro minuto após a meia-noite do dia de Ano Novo, Daniil Bezsonov, um funcionário instalado pelos russos Donetsk oficial, disse.

O Ministério da Defesa da Rússia disse que a Ucrânia atacou com seis foguetes HIMARS fabricados nos Estados Unidos.

O governador da região de Samara, na Rússia, disse que muitos dos soldados mortos eram locais.

Imagens não confirmadas que circularam nas redes sociais supostamente mostram residentes assistindo ao discurso da meia-noite do presidente russo, Vladimir Putin, antes de correrem para se esconder enquanto mísseis atingem o solo próximo.

Fotografias da Reuters do local mostram as ruínas da escola.

Dano Maviivka
Trabalhadores removem os escombros de um prédio destruído que se supõe ser a Escola Técnica Profissional nº 19 em Makiivka [Alexander Ermochenko/Reuters]

número de mortos

Os relatos de vítimas variam. A Reuters não conseguiu verificar de forma independente quantas pessoas foram mortas.

O Ministério da Defesa da Rússia disse na segunda-feira que 63 soldados foram mortos no ataque, uma avaliação repetida por uma fonte próxima à liderança separatista instalada pela Rússia em Donetsk, que disse à Reuters que dezenas morreram.

O ministério reconheceu o ataque apenas no parágrafo final de um resumo diário de 528 palavras, mais de 36 horas após o ataque.

A Rússia sempre subestimou seus números de baixas, inclusive alegando que apenas um homem morreu durante o naufrágio do encouraçado Moskva em abril de 2022.

A Ucrânia reivindicou um número muito maior de vítimas, dizendo que cerca de 400 morreram.

Vários blogueiros militares russos, que ganharam muitos seguidores misturando a defesa pró-Kremlin com informações não envernizadas sobre o estado do front, também forneceram números de baixas mais próximos dos números ucranianos.

Em um post no aplicativo de mensagens Telegram, Igor Girkin, um ex-oficial do Serviço Federal de Segurança (FSB) fundamental para iniciar a guerra inicial de 2014 no Donbass, disse que havia “muitas centenas” de mortos e feridos.

Girkin disse que munição e equipamento militar foram armazenados nos prédios, contribuindo para a força da explosão. Ele culpou os generais “incapazes” da Rússia pelas perdas.

O Gray Zone, um canal do Telegram ligado ao grupo de mercenários Wagner, disse que cerca de 500 homens estavam alojados no complexo.

Em imagens divulgadas nas redes sociais e geolocalizadas pela Reuters, a escola vocacional, um grande complexo de prédios da era soviética, parece praticamente arrasada enquanto trabalhadores do serviço de emergência vasculham os escombros.

Memorial para soldados russos mortos
Pessoas participam de uma cerimônia em memória dos soldados russos mortos durante o conflito Rússia-Ucrânia em Samara, na Rússia, um dia após a morte de 63 militares russos em Makiivka [Albert Dzen/Reuters]

Reação na Rússia

Chegando no clímax das comemorações do Ano Novo, o feriado mais importante do ano na Rússia, o ataque repercutiu na Rússia.

Os enlutados expressaram pesar e raiva em uma rara comemoração pública na Rússia pelos soldados mortos no ataque ucraniano.

Um relatório da agência de notícias estatal TASS, citando autoridades de Donetsk e dizendo que as forças ucranianas foram capazes de identificar o alvo de soldados usando seus telefones celulares russos, provocou raiva entre a comunidade de blogueiros militares da Rússia.

“Como esperado, a culpa pelo ocorrido em Makiivka passou a ser atribuída aos próprios soldados mobilizados. Veja, eles ligaram seus telefones e foram vistos”, afirmou o canal Telegram Zona Cinza.

A Zona Cinza passou a culpar os comandantes por alojar um grande número de soldados em um prédio vulnerável ao fogo de artilharia.

Em um post no Telegram, Sergei Mironov, líder de um partido leal ao Kremlin no parlamento da Rússia, disse que uma investigação era necessária para determinar se “traição ou negligência criminosa” estava por trás do ataque. Ele disse que os funcionários responsáveis ​​devem ser processados.

“Que conclusões serão tiradas? Quem será punido?” Mikhail Matveyev, membro do parlamento que representa Samara, escreveu nas redes sociais.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *