Guerra na Ucrânia concentra mentes militares da China em mísseis Starlink e dos EUA


0

Pesquisadores chineses examinaram os efeitos das armas dos EUA na Ucrânia para aprender lições para um possível conflito futuro.

Membros das Forças Armadas da Ucrânia disparam um míssil antitanque Javelin fabricado nos EUA durante exercícios em fevereiro de 2022. Pesquisadores chineses recomendaram que tanques e carros blindados da China melhorem sua capacidade de defesa contra mísseis Javelin e Stinger [File: Ukrainian Joint Forces Operation Press Service via Reuters]

A China precisa da capacidade de derrubar satélites Starlink de órbita baixa da Terra e defender seus tanques e helicópteros contra mísseis Javelin disparados de ombro, concluíram pesquisadores militares chineses, depois de estudar as lutas da Rússia na guerra da Ucrânia como um meio de aprender lições para um possível futuro conflito com os Estados Unidos.

Uma revisão de quase 100 artigos em mais de 20 periódicos de defesa revelou um esforço em todo o complexo militar-industrial da China para examinar o impacto das armas e tecnologias dos EUA na Ucrânia que poderiam ser empregadas contra as forças chinesas em um possível conflito futuro, informou a Reuters na quarta-feira. .

Alguns dos artigos de jornais chineses enfatizam a relevância da Ucrânia, dado o risco de um conflito regional que coloca as forças chinesas contra os EUA e seus aliados, possivelmente por causa de Taiwan.

Os periódicos em língua chinesa, que refletem o trabalho de centenas de pesquisadores chineses em uma rede de universidades ligadas ao Exército Popular de Libertação (PLA), fabricantes estatais de armas e think tanks de inteligência militar, são muito mais sinceros em suas avaliações das deficiências russas. na guerra do que a posição oficial da China sobre a guerra de Moscou, que se absteve de criticar.

Retire o Starlink

Meia dúzia de artigos de pesquisadores do PLA destacam a preocupação chinesa com o papel da Starlink, uma rede de satélites desenvolvida pela empresa de exploração espacial de Elon Musk, SpaceX, na segurança das comunicações das forças armadas da Ucrânia em meio a ataques de mísseis russos à rede elétrica do país.

“O excelente desempenho dos satélites ‘Starlink’ neste conflito russo-ucraniano certamente levará os EUA e os países ocidentais a usarem ‘Starlink’ extensivamente” em possíveis hostilidades na Ásia, disse um artigo de setembro co-escrito por pesquisadores da Universidade de Engenharia do Exército. do PLA.

Os autores consideraram “urgente” que a China – que visa desenvolver sua própria rede de satélites semelhantes – encontre maneiras de derrubar ou desativar o Starlink.

Collin Koh, um bolsista de segurança da Escola de Estudos Internacionais S Rajaratnam de Cingapura, disse que o conflito ucraniano deu impulso aos esforços de longa data dos cientistas militares da China para desenvolver modelos de guerra cibernética e encontrar maneiras de proteger melhor as armaduras das armas ocidentais modernas.

“Starlink é realmente algo novo para eles se preocuparem; a aplicação militar de tecnologia civil avançada que eles não podem replicar facilmente”, disse Koh.

Além da tecnologia, Koh disse que não estava surpreso que as operações das forças especiais ucranianas dentro da Rússia estivessem sendo estudadas pela China, que, como a Rússia, transporta tropas e armas por ferrovia, tornando-as vulneráveis ​​à sabotagem.

Apesar de sua rápida modernização, o PLA não tem experiência de combate recente. A invasão do Vietnã pela China em 1979 foi sua última grande batalha – um conflito que durou até o final dos anos 1980.

O Ministério da Defesa da China não respondeu a um pedido de comentário sobre as descobertas e a Reuters também não conseguiu determinar até que ponto as conclusões refletem o pensamento entre os líderes militares da China.

“Psycho”, 22 da 80ª Brigada de Assalto Aéreo Separada desconecta seu Starlink na linha de frente no Natal Ortodoxo, durante um cessar-fogo anunciado pela Rússia durante o período do Natal Ortodoxo, da região da linha de frente de Kreminna, Ucrânia, 6 de janeiro de 2023. REUTERS /Clodagh Kilcoyne
Um membro da 80ª Brigada de Assalto Aéreo Separada da Ucrânia desconecta seu satélite Starlink na linha de frente na região de Kreminna, Ucrânia, em janeiro de 2023 [File: Clodagh Kilcoyne/Reuters]

Guerra de drones é um ‘arranque de portas’ em conflitos futuros

A Ucrânia também forjou um aparente consenso entre os pesquisadores chineses de que a guerra com drones merece maior investimento.

“Esses veículos aéreos não tripulados servirão como o ‘abridor de portas’ das guerras futuras”, observou um artigo em um jornal de guerra de tanques publicado pelo fabricante de armas estatal Norinco, fornecedor do PLA, que descrevia a capacidade dos drones de neutralizar as defesas inimigas. .

Um artigo no diário oficial do governo em outubro observou que a China deveria melhorar sua capacidade de defender equipamentos militares em vista dos “sérios danos aos tanques, veículos blindados e navios de guerra russos” infligidos pelos mísseis Stinger e Javelin operados por combatentes ucranianos.

Um artigo, publicado em outubro por dois pesquisadores da National Defense University do PLA, analisou o efeito das entregas dos EUA de sistemas de foguetes de artilharia de alta mobilidade (HIMARS) para a Ucrânia e se os militares da China deveriam se preocupar.

“Se o HIMARS ousar intervir em Taiwan no futuro, o que antes era conhecido como uma ‘ferramenta causadora de explosão’ sofrerá outro destino diante de diferentes oponentes”, concluiu.

O artigo destacou o sistema avançado de foguetes da própria China, apoiado por drones de reconhecimento, e observou que o sucesso da Ucrânia com o HIMARS dependeu do compartilhamento de informações e inteligência de alvos pelos EUA via Starlink.

Enquanto algumas das revistas envolvidas são operadas por institutos de pesquisa provinciais, outras são publicações oficiais de órgãos do governo central, como a Administração Estatal de Ciência, Tecnologia e Indústria para Defesa Nacional, que supervisiona a produção de armas e atualizações militares.

drones
A China lidera em dezenas de tecnologias críticas, incluindo drones, de acordo com um relatório de um think tank australiano [Aly Song/Reuters]

Cenário de Taiwan

Quatro diplomatas, incluindo dois adidos militares, disseram que os analistas do PLA há muito se preocupam com o poder militar superior dos EUA, mas a Ucrânia aprimorou seu foco ao fornecer uma janela para o fracasso de uma grande potência em dominar uma menor apoiada pelo Ocidente. Embora o cenário da Ucrânia tenha comparações óbvias com Taiwan, existem diferenças, principalmente devido à vulnerabilidade da ilha a um bloqueio marítimo chinês.

Os países ocidentais, por outro lado, podem abastecer a Ucrânia por via terrestre através de seus vizinhos europeus.

As referências a Taiwan são relativamente poucas nos periódicos analisados ​​pela Reuters, mas diplomatas e acadêmicos estrangeiros que acompanham a pesquisa dizem que os analistas de defesa chineses têm a tarefa de fornecer relatórios internos separados para líderes políticos e militares de alto escalão.

O diretor da Agência Central de Inteligência dos EUA, William Burns, disse que Xi ordenou que seus militares estivessem prontos para invadir Taiwan até 2027, observando que o líder chinês provavelmente estava inquieto com a experiência da Rússia na Ucrânia.

Vários artigos analisam os pontos fortes da resistência ucraniana, incluindo as operações de sabotagem das forças especiais dentro da Rússia, o uso do aplicativo Telegram para aproveitar a inteligência civil e a defesa da usina siderúrgica Azovstal em Mariupol.

Sucessos russos também são notados, como ataques táticos usando o míssil balístico Iskander. A revista Tactical Missile Technology, publicada pela fabricante estatal de armas China Aerospace Science and Industry Corporation, produziu uma análise detalhada do Iskander, mas divulgou apenas uma versão truncada ao público.

Muitos outros artigos também enfocam os erros do exército invasor da Rússia, com um no jornal de guerra de tanques identificando táticas desatualizadas e falta de comando unificado, enquanto outro em um jornal de guerra eletrônica disse que a interferência russa nas comunicações era insuficiente para conter o fornecimento de inteligência da OTAN para os ucranianos, levando a emboscadas caras.

A pesquisa chinesa também conclui que a guerra da informação foi vencida pela Ucrânia e seus aliados.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *