Como o ‘bisht’ de Lionel Messi expôs o racismo da mídia ocidental novamente


0

O manto árabe foi um sinal de respeito a Messi após a vitória na Copa do Mundo. Mas redações ignorantes não vão entender isso.

Envolto em um ‘bisht’, o capitão da Argentina, Lionel Messi, levanta o troféu da Copa do Mundo depois de levar sua seleção à vitória sobre a França na final no Estádio Lusail, no Catar [Adrian Dennis/AFP]

No domingo, bilhões de pessoas coletivamente voltaram seus olhares para o Estádio Lusail, no Catar, quando a Argentina foi coroada campeã da Copa do Mundo após uma brilhante final contra a França.

No entanto, em vez de focar na majestade do futebol que o mundo acabara de testemunhar, a mídia ocidental optou por se concentrar em como o emir do Catar vestiu Lionel Messi, o capitão argentino, com o tradicional manto árabe conhecido como “bisht”.

As reações de vários especialistas e jornalistas refletiram o mesmo racismo e islamofobia que prevaleceram durante o torneio e nos anos que o antecederam. Mas eles também ressaltam a falta de diversidade que marca a maioria das redações ocidentais – o que limita sua capacidade de compreender grande parte do mundo além dos estereótipos empolados.

“O ato bizarro que arruinou o maior momento da história da Copa do Mundo”, dizia uma, agora redigida, a manchete do jornal britânico The Telegraph. “Absolutamente sombrio” declarou a manchete da Fox Sports, e “vergonhoso” leu o Yahoo Sports.

Outros optaram por declarações claramente racistas, com Mark Ogden, um jornalista sênior da ESPN escrevendo: “Todas as fotos foram arruinadas por alguém fazendo-o usar uma capa que parece que ele está prestes a cortar o cabelo”. Da mesma forma, Dan Walker, um apresentador de televisão de futebol, escreveu, em um tweet agora excluído: “Aposto que Mbappé está encantado por ele ter conseguido desviar da estranha capa de malha com detalhes dourados”, sugerindo que perder uma final da Copa do Mundo teria sido melhor.

Um bisht, também conhecido como aba ou abaya em outros países árabes, é uma vestimenta que simboliza prestígio, honra e estatura. É usado em ocasiões especiais e apenas por altas figuras religiosas, líderes políticos ou tribais, representando imenso sucesso.

A honra de usar um bisht, especialmente se for colocado sobre você por uma pessoa de prestígio – quanto mais pelo líder do Catar – é um privilégio raro, um título de cavaleiro ou coroação de várias maneiras. No domingo, aumentou a grandiosidade da ocasião e foi um reconhecimento ao que Messi realizou.

Pois esta Copa do Mundo não representou apenas a vitória da Argentina. Também selou o status de Messi aos olhos de muitos como o “GOAT” (o maior de todos os tempos) do futebol – acima não apenas de seu colega Cristiano Ronaldo, mas talvez até dos maiores ex-ícones do jogo, como Pelé e Diego Maradona. Ele já ganhou todos os troféus eminentes que o esporte tem a oferecer, incluindo sete títulos Ballon D’Or – concedidos ao melhor jogador anualmente.

Agora, eu entendo que desde a infância o sonho de Messi era jogar pela Argentina. Parte desse sonho provavelmente incluía a esperança de um dia erguer o troféu de ouro maciço da Copa do Mundo com uma camisa da Argentina como Maradona antes dele. É razoável questionar se os desejos de Messi foram superados pelos acontecimentos no palco. Mas a indignação da mídia ocidental não é sobre o sonho de Messi. Trata-se de uma falta de vontade, impregnada de racismo e orientalismo, de aceitar que o futebol e as festas possam ser diferentes em diferentes partes do mundo.

Em nenhum momento Messi demonstrou desdém pelo bisht. Tampouco sua camisa 10 da Argentina – uma camisa tão icônica que esgotou globalmente antes da final – ficou irreconhecível.

Não é incomum que os atletas vitoriosos recebam presentes ou roupas que reflitam as culturas locais. O exemplo mais adequado é a vitória de Pelé na Copa do Mundo de 1970 no México, onde um sombrero foi colocado em sua cabeça. O momento de Pelé foi “sequestrado”, como o australiano 7 News afirmou ter acontecido no caso de Messi?

De fato, desde o dia em que o Catar conquistou o direito de sediar a Copa do Mundo, os meios de comunicação ocidentais mostraram seu “choque”. As objeções eurocêntricas e hipócritas persistiram na preparação para o torneio histórico e continuaram através dele. A indignação com o bisht de Messi foi uma última demonstração de ignorância.

O sucesso da seleção marroquina na Copa do Mundo representou orgulho para muitos árabes e africanos ao redor do mundo. Para mim, como árabe iraquiano, foi realmente inspirador ver o triunfo de outra nação árabe e testemunhar suas celebrações culturalmente semelhantes. Mas, como aconteceu com o bisht, a mídia ocidental mais uma vez mostrou ignorância anti-árabe após a série de vitórias chocantes do Marrocos.

Depois de serem eliminados para a França nas semifinais, a ESPN postou uma fotografia dos jogadores marroquinos em prostração, um símbolo de humildade a Deus para bilhões de muçulmanos em todo o mundo. Mas a legenda dizia: “Jogadores e funcionários marroquinos se curvam em agradecimento aos torcedores que compareceram com força”.

Uma agência de notícias alemã, Welt, comparou os jogadores marroquinos comemorando apontando um dedo para o céu aos combatentes do ISIL (ISIS). Nenhuma saída ocidental traça tais paralelos para Messi quando ele comemora apontando os dedos para o céu depois de marcar gols. As imagens afetuosas dos jogadores marroquinos comemorando com suas mães, reflexo da importância da família nas culturas africana e árabe, foram ridicularizadas por um canal de televisão dinamarquês: Os marroquinos foram comparados a uma família de macacos.

No entanto, tal racismo, ignorância e total incompetência no jornalismo não são totalmente surpreendentes, dada a falta de representação na maioria das redações ocidentais. Nos Estados Unidos, 40% da população não é branca. Mas um estudo do Reuters Institute de 2020 descobriu que quase 90% dos principais editores são brancos. Melhorar a diversidade nos altos escalões das redações ajudará os meios de comunicação ocidentais a criar salvaguardas contra demonstrações de ignorância – embora isso exija que essas organizações aceitem seu fracasso em desmantelar as barreiras ao crescimento de jornalistas não-brancos.

No mundo árabe, alguns estão chamando com entusiasmo o capitão argentino vestindo bisht “Sheikh Messi”. Isso também é um reflexo do afeto que ele desfruta. Não manchemos a sua – e a da Argentina – gloriosa vitória com um furor racista sobre um gesto de admiração e respeito.

As opiniões expressas neste artigo são do próprio autor e não refletem necessariamente a posição editorial da Al Jazeera.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *