Sob o novo general, Wagner da Rússia faz incursões mais profundas na Líbia


0

Utilizando um novo avatar do grupo paramilitar, Putin está a reforçar a presença da Rússia no país do Norte de África.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov (R), dá as boas-vindas ao General Khalifa Haftar (E), comandante do Exército Nacional da Líbia (LNA), durante uma reunião em Moscou, Rússia, em 14 de agosto de 2017. REUTERS/Sergei Karpukhin
O Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov (R), dá as boas-vindas ao General Khalifa Haftar (L), comandante do Exército Nacional da Líbia (LNA), durante uma reunião em Moscou, Rússia, 14 de agosto de 2017 [FILE: Sergei Karpukhin/Reuters]

Com o olhar de grande parte do mundo fixo na carnificina que se desenrola em Gaza, o Presidente da Rússia, Vladimir Putin, continua a expandir o alcance do seu país em África.

A Rússia, na forma do empreiteiro militar privado (PMC) Wagner, tem tido uma presença crescente na Líbia desde pelo menos 2018, quando foi relatado pela primeira vez que o grupo estava treinando tropas sob o comando do comandante militar renegado Khalifa Haftar, líder do Exército Nacional Líbio. , forças pertencentes ao leste dos dois parlamentos do país.

Mas, após a morte do fundador de Wagner e antigo aliado de Putin, Yevgeny Prigozhin, após o seu golpe fracassado na Rússia no ano passado, o destino da força paramilitar na Líbia e em África parecia incerto.

A Rússia opera vários PMCs. No entanto, nenhum deles está tão próximo do Kremlin ou foi tão extensivamente destacado como o fundado por Prigozhin. Com pouco custo para o Kremlin, Wagner conquistou a influência financeira, militar e política da Rússia em áreas da Líbia e de África.

Tendo em conta o que está em jogo, o Kremlin provavelmente nunca dissolveria o Wagner, apesar da sua rebelião activa no ano passado. Em vez disso, após a tão prevista morte de Prigozhin, os seus interesses comerciais e militares foram divididos entre os vários serviços de inteligência da Rússia, afirma um relatório do Royal United Services Institute (RUSI) divulgado esta semana.

Tal como outras PMC, como a Constellis dos Estados Unidos (anteriormente Blackwater), Wagner permitiu que o seu governo operasse em conflitos ultramarinos à distância: projectando poder enquanto mantinha um certo grau de negação. Essa distância também permite que as PMC operem fora dos limites típicos da guerra estatal, envolvendo-se em campanhas de terror e desinformação de uma forma que as forças convencionais não conseguem.

O comando da presença ultramarina de Wagner foi atribuído à inteligência militar da Rússia (GRU), especificamente ao General Andrei Averyanov. Através de uma série de PMCs intermediários como o Convoy, estabelecido na Crimeia ocupada pela Rússia em 2022, e o Redut, ativo na Ucrânia, mas estabelecido em 2008 para proteger os interesses comerciais russos, mantendo a negação legal, a operação ucraniana de Wagner está sendo renomeada como Corpo de Voluntários, com outras operações tornando-se o Corpo Expedicionário.

O facto de a sua ambição ter permanecido intacta foi evidenciado pela sua instrução inicial para construir uma força de combate em toda a África de cerca de 40.000 contratantes – desde então reduzida para 20.000, mas muito maior do que a sua presença actual.

Talvez se possa obter alguma medida das intenções do General Averyanov olhando para o comando anterior da Unidade 29155, o braço da inteligência militar russa supostamente responsável pela supervisão de assassinatos estrangeiros e pela desestabilização dos países europeus.

Sonhos africanos

África, um dos continentes mais ricos em termos de minerais e energia, está a passar por um “boom juvenil” que irá mudar a demografia do mundo.

Em África, a Líbia possui as maiores reservas de petróleo e depósitos de ouro, estimadas entre os 50 maiores do mundo. Além disso, a sua localização geográfica, que liga o Níger, o Chade e o Sudão ao Norte de África e à Europa, torna-a de importância estratégica vital.

Averyanov já tem estado ocupado, viajando para se encontrar com o Marechal de Campo Haftar em Setembro do ano passado, seguido de viagens ao Mali, Burkina Faso, República Centro-Africana (RCA) e Níger.

Em todos os casos, a oferta era basicamente a mesma: recursos para segurança.

Somente na Líbia essa rubrica foi quebrada. As lucrativas fábricas de extração de petróleo da Rússia operam sob os auspícios do outro governo da Líbia, internacionalmente reconhecido, em Trípoli, o que significa que Haftar e seus aliados, reivindicados pelo Departamento de Defesa dos EUA como incluindo os Emirados Árabes Unidos, teriam que pagar eles próprios pelo envio do Corpo Expedicionário .

“Haftar precisa de Wagner”, disse Tarek Megerisi, membro sênior do Conselho Europeu de Relações Exteriores, usando o nome mais conhecido do grupo. “Além disso, enquanto ele os hospeda na Líbia, [Wagner] pode usar a sua posição para apoiar operações na Síria, no Sudão e noutros locais.

“É uma rede”, continuou ele, citando relatos. “Também não se trata apenas de apoio militar. Estão a usar a sua posição no leste da Líbia para transportar [illegal narcotic] Captágono da Síria, transferir ouro para escapar às sanções, bem como ajudar a traficar migrantes da África Austral e de lugares tão distantes como o Bangladesh.

“A Líbia é uma área extremamente lucrativa para Wagner”, disse ele.

Presença

Pelas estimativas actuais, pensa-se que o Corpo Expedicionário tenha cerca de 800 prestadores de serviços destacados na Líbia, com mais 4.600 dispersos pela África Subsariana. Além dos seus combatentes, o Corpo Expedicionário mantém três bases aéreas – uma na bacia petrolífera de Sirte, uma em al-Jufra, no interior, e uma em Brak al-Shati – que, segundo os analistas, permite a ambos os grupos (a Força Nacional Líbia de Haftar). Exército e a PMC) para transportar mercadorias entre aliados no Sudão e outras localidades subsaarianas.

Além da sua presença no terreno, estão em curso conversações para conceder aos navios de guerra russos direitos de atracação no porto de Tobruk em troca de sistemas de defesa aérea e formação para pilotos do LNA.

“O Mediterrâneo Central e Oriental é uma área extremamente importante para a Europa e, por extensão, para a OTAN”, disse Ivan Klyszcz, autoridade em política externa russa no Centro Internacional de Defesa e Segurança em Tallinn. “A Rússia já tem um porto mediterrânico em Tartous, na Síria, um porto em Tobruk aprofundaria essa presença e potencialmente colocá-los-ia em concorrência com a Europa, nomeadamente com os britânicos, que mantêm uma grande presença naval em Chipre.”

Que o Corpo Expedicionário possa aumentar a sua presença para 20.000, referenciado no relatório RUSI e amplamente discutido por bloggers militares, já parece estar à vista.

“Isso não parece inatingível, se considerarmos onde eles estão agora”, disse Jalel Harchaoui, da RUSI. “Afinal, não estamos a falar de recrutamento puramente russo, mas sim de recrutamento contínuo em toda a África”, disse ele, recordando o transplante de combatentes da Síria para a Líbia por Wagner em 2020.

“Eventualmente, o que poderemos estar a ver é uma PMC onde tropas locais de um estado africano podem ser enviadas para outro, onde serão livres de operar de acordo com as regras que acharem adequadas. Por exemplo, num estado, poderia tratar-se simplesmente de fornecer segurança a um chefe de governo ou a uma instalação. Noutro, podem ser chamados a recorrer à violação, à tortura e às minas antipessoal.

“O modelo de negócio permite-lhes realizar tudo isto, construir alianças… com baixo custo para o que é, no final das contas, a economia relativamente pequena da Rússia”, disse ele.

Fim do jogo

No entanto, embora seja um interveniente importante, Wagner está longe de estar sozinho num campo de batalha líbio em constante mudança e por vezes lotado. Além das milícias aliadas de Trípoli, estão as forças turcas que se aliaram aos comandantes locais para combater e repelir Haftar, apoiado por Wagner, quando este tentou tomar e manter a capital em 2020 e acabar com o impasse político a seu favor.

Além disso, com o extenso investimento da Rússia na energia líbia protegido e governado pelos aliados dos turcos em Trípoli, não há garantias de que a aliança de Moscovo com Haftar não possa também ser vítima do frio pragmatismo que tem sido constante no meio do caos na Líbia desde a sua revolução. .

“Não há nada que sugira que a Rússia esteja comprometida com Haftar”, continuou Klyszcz, “Haftar é importante por causa de onde ele está, não por quem ele é. É tanto um casamento de conveniência quanto qualquer outra coisa”, disse ele.

“O mesmo acontece com a Turquia. Não há nada que sugira que a PMC não possa cooperar com a Turquia, como fez noutras partes do mundo.

“É preciso lembrar que a Rússia está empenhada numa estratégia global com implicações regionais”, disse Klszcz. “A intenção de Putin é criar um mundo multipolar, com a Índia e a China exercendo o poder, em vez de apenas o Ocidente como temos actualmente”, disse ele.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *