Shehbaz Sharif elegeu primeiro-ministro do Paquistão para o segundo mandato após votação polêmica


0

Sharif retorna ao cargo que ocupou até agosto do ano passado, quando o parlamento foi dissolvido antes das eleições de 8 de fevereiro.

O ex-primeiro-ministro do Paquistão, Shehbaz Sharif, gesticula durante uma conferência de imprensa sobre as eleições parlamentares, em Lahore, Paquistão, terça-feira, 13 de fevereiro
Shehbaz Sharif gesticula durante uma conferência de imprensa sobre as eleições parlamentares, em Lahore, Paquistão [K.M. Chaudary/AP Photo]

Islamabad, Paquistão – Os legisladores paquistaneses elegeram Shehbaz Sharif como primeiro-ministro do país para um segundo mandato, após uma eleição controversa no mês passado.

O país do sul da Ásia votou em 8 de fevereiro, numa votação marcada por alegações de fraude em grande escala e atrasos nos resultados. No domingo, a Assembleia Nacional, como é chamada a câmara baixa do parlamento, reuniu-se para eleger o primeiro-ministro.

“Declara-se que Shehbaz Sharif foi eleito primeiro-ministro da República Islâmica do Paquistão”, disse o presidente da Assembleia Nacional, Ayaz Sadiq.

Shehbaz obteve 201 votos na Assembleia Nacional de 336 membros, prevalecendo confortavelmente sobre o rival Omar Ayub Khan, que obteve 92. O vencedor precisava de pelo menos 169 votos.

Khan foi apoiado pelo Conselho Sunita Ittehad (SIC), ao qual os legisladores do grupo político pertencente ao partido Paquistão Tehreek-e-Insaf (PTI) do ex-primeiro-ministro Imran Khan se juntaram depois que o PTI foi impedido de contestar por supostamente violar as leis eleitorais.

Sharif, de 72 anos, serviu como primeiro-ministro até agosto do ano passado, quando a Assembleia Nacional foi dissolvida para dar lugar a um governo provisório, encarregado de realizar as eleições nacionais.

Shehbaz é o irmão mais novo do três vezes primeiro-ministro Nawaz Sharif, que fundou o partido Liga Muçulmana do Paquistão-Nawaz (PMLN), que está em aliança com o Partido Popular do Paquistão (PPP) para formar o governo. Shehbaz também é o atual presidente do PMLN.

O PTI, que foi forçado a apresentar os seus candidatos como independentes depois de perder o seu símbolo eleitoral, emergiu como o maior grupo com 93 assentos. O partido alega que o seu mandato foi “roubado” e também deu início a protestos de rua contra a alegada fraude.

Protesto do PTI no Paquistão
Apoiadores do ex-primeiro-ministro Imran Khan protestam contra ‘fraude eleitoral flagrante’ em Karachi [Akhtar Soomro/Reuters]

O líder do PTI, Khan, que foi destituído por meio de um voto parlamentar de desconfiança em 2022, está preso desde agosto do ano passado, após múltiplas condenações, inclusive por revelar segredos de Estado, corrupção e um casamento “ilegal”.

Tumulto no parlamento

A sessão da Assembleia Nacional de domingo teve um início atrasado e caótico depois de os legisladores pertencentes ao SIC, apoiado pelo PTI, levantarem slogans alegando que Shehbaz chegou ao poder através de fraude eleitoral.

“Mudaremos o destino do Paquistão”, disse Sharif no seu discurso de vitória, no meio de protestos estridentes e slogans dos legisladores ligados ao PTI que gritavam “Ladrões!” – uma referência às alegações de corrupção contra os irmãos Sharif.

Nawaz Sharif foi condenado por corrupção em 2018, quando foi para o Reino Unido num exílio auto-imposto. Ele voltou em outubro do ano passado para as urnas.

No seu discurso, Shehbaz agradeceu ao seu irmão mais velho e aos aliados por o terem ajudado a tornar-se primeiro-ministro. “Nawaz Sharif, Asif Ali Zardari e Bilawal Bhutto Zardari nunca sequer pensaram em prejudicar o Paquistão”, disse ele, sendo os dois últimos seus aliados do PPP.

O recém-eleito primeiro-ministro disse que pretendia trazer estabilidade política ao país. “Trabalharemos em estreita colaboração com todas as quatro províncias e prometo que as manterei”, disse ele.

No seu discurso, o líder da oposição, Omar Ayub Khan, defendeu o seu líder preso, Imran Khan, e acusou Shehbaz de não seguir a lei.

“Eles colocaram os nossos líderes na prisão, tomaram o nosso símbolo eleitoral, fraudaram as eleições, mas continuámos de pé e manteremos a nossa posição”, disse Khan ao parlamento. “A nação rejeitou todas as acusações [in the election],” ele disse.

O Paquistão, um país de 241 milhões de habitantes, enfrenta instabilidade política enquanto luta contra uma economia em declínio e uma situação de segurança em rápida deterioração.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *