Quem é Diomaye Faye, cotado para ser o próximo presidente do Senegal?


0

Faye, uma antiga inspectora fiscal, prometeu eliminar a corrupção, restaurar a estabilidade e dar prioridade à soberania económica.

O principal candidato da oposição do Senegal, Bassirou Diomaye Faye, parece ter vencido as eleições presidenciais de domingo.

O órgão eleitoral ainda não divulgou detalhes sobre os resultados enquanto a contagem dos votos está em andamento. Os resultados oficiais deverão ser anunciados nos próximos dias. Mas os resultados divulgados até agora já mostram Faye com mais de 50 por cento dos votos – o que elimina a necessidade de um segundo turno.

Os seus apoiantes têm celebrado nas ruas da capital, Dakar, na esperança de que a nova administração possa resolver o problema da pobreza e da corrupção persistentes.

O candidato da coligação governamental cessante, o antigo primeiro-ministro Amadou Ba, admitiu na segunda-feira a derrota a Faye horas depois de dizer que estava pronto para uma segunda volta. O atual presidente Macky Sall também parabenizou Faye por sua vitória.

Aqui está mais sobre Faye e o que os resultados podem significar para o futuro da democracia do Senegal.

Quem é Bassirou Diomaye Faye?

Faye foi colocado no centro da política senegalesa mais de uma semana depois de ter sido libertado da prisão juntamente com o seu mentor Ousmane Sonko, que foi desqualificado para concorrer às eleições devido a uma condenação por difamação.

O líder de 44 anos disputou as eleições como independente devido à dissolução do seu partido Patriotas do Senegal (PASTEF) em Julho passado por causar agitação. O partido PASTEF, fundado por Sonko em 2014, apoiou Faye.

O populista de esquerda tem organizado protestos contra o Presidente Macky Sall, acusando o seu governo de corrupção e de não abordar a pobreza crónica. A decisão de Sall de prolongar as eleições originalmente marcadas para Fevereiro desencadeou a última ronda de crise política.

As eleições realizaram-se após a intervenção do Tribunal Constitucional.

Faye nasceu em 1980 em Ndiaganiao, no centro-oeste do Senegal. Ele conheceu Sonko enquanto trabalhava como inspetor fiscal no departamento de impostos e propriedades do governo, onde foram fundamentais na formação de um sindicato.

Por que Faye estava na prisão?

Em abril de 2023, Faye foi presa sob acusações que incluíam divulgação de notícias falsas, desrespeito ao tribunal e difamação de um órgão constituído, por uma postagem nas redes sociais.

Sonko foi preso sob múltiplas acusações em julho de 2023, incluindo provocar insurreição, conspirar com grupos “terroristas”, pôr em perigo a segurança do Estado e comportamento imoral para com indivíduos com menos de 21 anos.

Faye, ao lado de Sonko, foi libertada no final de 14 de março, dias antes da votação, depois de uma lei de anistia ter sido aprovada este mês.

Quais são as suas políticas?

Faye, uma antiga inspectora fiscal, prometeu eliminar a corrupção, restaurar a estabilidade e dar prioridade à soberania económica, apelando à juventude urbana frustrada pelo desemprego no país da África Ocidental, onde 60 por cento da população tem menos de 25 anos.

Quer livrar o Senegal do franco CFA herdado da era colonial, que está indexado ao euro. Ele propõe a introdução de uma nova moeda. O franco CFA, apoiado pelo tesouro francês, é aceite em 14 países membros.

Além disso, pretende renegociar contratos de mineração e hidrocarbonetos. O país deverá iniciar a produção de hidrocarbonetos este ano.

O maior desafio para o novo líder seria abordar a taxa de desemprego superior a 20 por cento.

“É uma injustiça eu não conseguir encontrar trabalho. Recebi um diploma estadual e o estado não consegue encontrar trabalho para mim”, disse Yacoub Diouf, do Senegal, a Nicolas Haque, da Al Jazeera.

Quem eram os outros candidatos na disputa?

Dezenove candidatos estavam na disputa para substituir o Presidente cessante Sall, que está no poder desde 2012. O segundo mandato de Sall foi marcado pela agitação política devido à acusação de Sonko.

O segundo colocado Amadou Ba foi apoiado por Sall. A vitória de Ba, de 62 anos, significaria a continuação da política do governo anterior.

Outros candidatos incluíam o ex-primeiro-ministro Mahammed Boun Abdallah Dionne, que se autodenominava o “presidente da reconciliação”, e o duas vezes presidente da Câmara de Dakar, Khalifa Sall, que concorreu pela quarta vez e já felicitou Faye.

Haque, da Al Jazeera, informou que as mulheres que contribuem largamente para o sector de serviços do país constituem um grupo demográfico significativo. No entanto, a única candidata feminina foi a empresária e recém-chegada política Anta Babacar Ngom, que dirige a maior empresa avícola do Senegal. Ngom já desejou sucesso a Faye como líder do Senegal em um posto X.

Em julho de 2023, Sall anunciou que não disputaria as eleições para um terceiro mandato após profunda agitação política, reiterando que a constituição do Senegal o teria permitido. Sonko pediu que Sall se retirasse desta eleição, acusando-o de reprimir a oposição para marginalizar a competição. Sall provocou mais polêmica depois de adiar a eleição originalmente marcada para 25 de fevereiro.

Os limites de mandato têm sido um tema muito debatido no Senegal nas últimas duas décadas. Quando o ex-presidente Abdoulaye Wade chegou ao poder em 2000, a constituição não previa limites de mandato. Wade alterou-o em 2001 para impor um limite de dois mandatos. No entanto, para prolongar o seu mandato, Wade fez campanha com sucesso para um terceiro mandato, obtendo a aprovação do mais alto tribunal do Senegal.

Pelo menos sete dos 19 candidatos na disputa emitiram declarações parabenizando Faye pela vitória.

Cerca de 71 por cento dos 7,3 milhões de eleitores registados compareceram às urnas, segundo a televisão estatal RTS.

Na terça-feira, são esperados resultados finais provisórios. Os resultados oficiais podem ser anunciados até sexta-feira.

O que poderão os resultados significar para o futuro da democracia do Senegal?

Uma vitória de Faye é um bom sinal para a democracia no Senegal, disse Alioune Tine, fundador do think tank Afrikajom Center e antigo diretor regional da Amnistia Internacional para a África Ocidental e Central.

“A democracia estava doente de violência política, de violência estatal, de morte”, disse Tine à Al Jazeera, referindo-se à violência política dos últimos anos. Ele acrescentou que a incapacidade de Sonko de concorrer às eleições mostrava ainda mais que a democracia estava doente.

“Mas ele [Sonko] teve a brilhante ideia de indicar seu número dois para ser candidato”, disse ele.

Tine acrescentou que um aspecto positivo da democracia do Senegal é que, desde a independência, nunca permitiu um golpe militar, ao contrário de outros países da África Ocidental onde as crises políticas equivaleram a golpes de estado.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *