Porto de Gwadar, no Paquistão, atacado, oito combatentes armados mortos


0

As forças de segurança lutaram durante duas horas antes de os agressores serem mortos, numa instalação que é um projecto exemplar e faz parte do Corredor Económico China-Paquistão.

O Porto de Gwadar faz parte do projeto do Corredor Econômico China-Paquistão, de US$ 62 bilhões. [Nadeem Khawer/EPA]
O Porto de Gwadar faz parte do projeto do Corredor Econômico China-Paquistão de US$ 62 bilhões [Nadeem Khawer/EPA]

Islamabad, Paquistão – As forças de segurança do Paquistão frustraram um grande ataque em Gwadar, uma cidade portuária na província do Baluchistão, no sudoeste, quando oito combatentes armados foram mortos na quarta-feira quando tentavam entrar no complexo da Autoridade Portuária de Gwadar.

A instalação é uma peça central do multibilionário Corredor Económico China-Paquistão (CPEC), o projeto de infraestrutura e investimento mais ambicioso do Paquistão nos últimos anos.

Saeed Ahmed Umrani, um alto funcionário do governo, confirmou que o complexo portuário foi atacado e disse que as forças de segurança travaram quase duas horas de combates com os agressores antes de serem mortos.

“Pelo menos dois homens das forças de segurança ficaram feridos nos combates. A operação foi concluída, mas a limpeza da área ainda está em andamento”, disse ele à Al Jazeera.

O ministro-chefe do Baluchistão, Sarfraz Bugti, disse em uma mensagem no X: “Quem decidir usar a violência não verá piedade do Estado. Parabéns a todos os valentes da aplicação da lei que lutaram bravamente hoje pelo Paquistão.”

O ataque foi reivindicado pela Brigada Majeed, o braço armado do Exército de Libertação do Baluchistão (BLA), um grupo separatista que exige a secessão da província do Paquistão.

Num comunicado, o BLA afirmou que os escritórios das agências de inteligência do Paquistão dentro do complexo foram alvo. “O BLA aceita a responsabilidade pelo ataque e mais detalhes serão divulgados à mídia”, disse o comunicado.

Uma testemunha ocular na cidade de Gwadar disse à Al Jazeera que o ataque começou por volta das 16h, horário local.

“Primeiro, houve duas grandes explosões, seguidas por fortes e longos disparos que continuaram por mais de uma hora”, disse o residente de Gwadar à Al Jazeera por telefone, pedindo anonimato.

Ele disse ainda que o complexo onde o ataque se desenrolou era parcialmente uma área residencial onde vivia principalmente o pessoal que trabalhava no porto, mas também tinha alguns outros escritórios governamentais.

Esta não foi a primeira vez que Gwadar foi atacado. A cidade abriga muitos cidadãos chineses que trabalham na construção do porto.

Em Agosto do ano passado, dois homens armados atacaram um comboio de 23 engenheiros chineses em Gwadar, mas foram mortos pelas forças de segurança. Esse ataque também foi reivindicado pela Brigada Majeed do BLA.

Houve outro grande ataque em Gwadar há cinco anos, em 2019, quando três agressores lançaram um ataque audacioso contra o único hotel de luxo da cidade, situado no topo de uma colina na costa.

O ataque, também reivindicado pelo BLA, resultou na morte de cinco pessoas, incluindo um oficial da Marinha do Paquistão.

Gwadar é uma cidade na costa sudoeste do Paquistão e está a passar por projectos de desenvolvimento realizados com a ajuda de engenheiros chineses e financiados pelo governo chinês. É o lar do único porto de águas profundas do país.

Os projectos fazem parte do CPEC, um corredor comercial de 62 mil milhões de dólares que liga o sudoeste da China ao Mar Arábico através do Paquistão, incluindo estradas principais e o porto na província estrategicamente importante do Baluchistão.

Lar de cerca de 15 milhões dos estimados 240 milhões de habitantes do Paquistão, de acordo com o censo de 2023, o Baluchistão é também a província mais pobre do país, apesar de ser rica em recursos naturais, incluindo reservas de petróleo, carvão, ouro, cobre e gás.

Grupos separatistas balúchis, como o BLA, inicialmente queriam uma parte dos recursos provinciais, mas mais tarde iniciaram um movimento pela independência completa. O Baluchistão é a maior província do Paquistão, mas a menos populosa, e tem uma longa história de marginalização. A província foi anexada pelo Paquistão em 1948, logo após a separação da Índia, e desde então tem havido um movimento separatista.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *