Por que o novo templo Ram em Ayodhya é um ponto de viragem para a Índia


0

O templo, construído no terreno de uma mesquita demolida do século XVI, é o símbolo da transformação da Índia numa nação hindu.

Templo de carneiro na Índia
Uma visão geral do público durante a inauguração de um templo dedicado à divindade hindu Lord Ram, em Ayodhya, Índia, segunda-feira, 22 de janeiro de 2024. [AP Photo/Rajesh Kumar Singh]

22 de janeiro já passou. Para a Índia, foi um grande dia. O seu primeiro-ministro, Narendra Modi, disse que “não era apenas uma data no calendário”, mas “o início de uma nova era”. Marcou o início da “expansão da consciência – do divino para a nação, de Ram para toda a nação”, disse ele. Nesse dia, afirmou ele, foram lançadas as bases para os “próximos 1.000 anos” da Índia.

As palavras de Modi saudando o advento do “Ram Rajya” (governo divino) na Índia contradizem abertamente os princípios seculares consagrados na constituição do país. E, no entanto, foram endossados ​​e repetidos com entusiasmo pela maior parte da mídia nacional.

Seguindo o exemplo do primeiro-ministro, um respeitado diário nacional disse que o dia 22 de Janeiro anunciava “o despertar da consciência colectiva da nação”, enquanto outro anunciava que era um momento para a Índia “se definir de novo”. A divindade hindu é central para a própria Índia, dizia o argumento, por isso todos os muçulmanos, cristãos e outras minorias deveriam simplesmente aceitar a sua supremacia e viver as suas vidas em conformidade.

O que fez com que o dia 22 de janeiro fosse aclamado como o alvorecer de uma Índia “divina” foi a consagração de um ídolo de Ram, um dos deuses hindus mais venerados, num templo recém-construído em Ayodhya. Os hindus acreditam que Ram nasceu nesta pequena cidade no estado de Uttar Pradesh, no norte do país, e por isso a consideram sagrada.

Há muito tempo existem centenas de templos dedicados a Ram em Ayodhya. O templo Ram consagrado em 22 de janeiro, entretanto, é diferente de qualquer outro santuário. Foi construído no local onde uma mesquita da era mogol, chamada Babri Masjid, existiu durante séculos antes de ser demolida em 1992 por uma multidão mobilizada por organizações ligadas ao partido governante de Modi, Bharatiya Janata (BJP).

A demolição da mesquita do século XVI desencadeou alguns dos piores motins religiosos desde a independência – matando mais de 2.000 pessoas, a maioria delas muçulmanas – e abalou os alicerces da ordem política oficialmente secular da Índia.

Numa decisão de 2019, o Supremo Tribunal da Índia classificou a demolição da mesquita como uma “violação flagrante do Estado de direito”, mas ainda permitiu a construção de um templo Ram no local onde antes existia. Foi um julgamento estranho que parecia desafiar toda a lógica jurídica. A única justificativa apresentada para isso foi que a construção de um templo ali pacificaria a maioria hindu e traria paz e tranquilidade ao país. Ainda assim, foi amplamente criticado por juristas, na Índia e no estrangeiro, por virar a justiça do avesso. A sentença foi vista como uma recompensa pelo crime cometido em 1992.

Independentemente das questões que rodeiam a legalidade e moralidade da sua construção, o simbolismo do novo templo Ram em Ayodhya tem sido impossível de ignorar – tanto para os hindus como para os muçulmanos da Índia.

Para Modi e seus apoiadores da linha dura hindu, é um símbolo de orgulho nacional e perseverança. Representa, como disse o Ministro do Interior, Amit Shah, na cerimónia de consagração, “a costura de uma ferida profunda” que eles acreditam ter sido infligida a eles por “invasores” muçulmanos há cerca de 500 anos. Para eles, é um símbolo de vitória.

Para os muçulmanos, contudo, é um símbolo da transformação da Índia numa nação hindu – um símbolo que tem na sua base o ódio e a discriminação anti-muçulmanos. Eles se lembram, por exemplo, de como desde o início “Muslamanon ka ek sthan Pakistan ya kabristan” (Apenas dois lugares para os muçulmanos: o Paquistão ou o cemitério) e “Babar ki auladon ko joote maro” (atingir a descendência de Babur com sapatos) foram os principais slogans levantados pelo movimento para substituir a mesquita histórica em Ayodhya por um templo Ram.

Os muçulmanos também se lembram de todos aqueles que foram mortos, mutilados ou perderam os seus meios de subsistência na violência que se seguiu à destruição ilegal da mesquita de Babri. É por isso que ficam magoados e preocupados ao ver quase todos os partidos políticos apoiarem a abertura do templo e a elite do país – pessoas que realmente têm poder sobre as suas vidas – celebrá-la abertamente.

Na verdade, no dia 22 de janeiro houve celebrações em todo o país para marcar a consagração do controverso templo. Em muitas localidades por toda a Índia, foram levantados slogans anti-muçulmanos, mesquitas e igrejas foram alvo de ataques e foi relatada violência contra muçulmanos.

Na cerimónia de consagração, contudo, Modi negou que a medida levasse a um aumento das tensões comunitárias. “Havia alguns que costumavam espalhar o medo e diziam que se o templo Ram fosse construído em Ayodhya, haveria fogo”, disse ele, “exorto-os a visitar Ayodhya e sentir a energia aqui.

Lord Ram não é fogo, mas energia. Ram não é o problema, mas a solução.”

É claro que a afirmação de que a abertura do templo representa o fim de todas as disputas passadas não convenceu muitos, especialmente vindo de um político que fala rotineiramente sobre crimes cometidos por governantes muçulmanos ou mogóis contra os hindus e promete aos seus apoiantes que os vingará.

A consagração do templo Ram também encorajou aqueles que participaram na destruição da Mesquita Babri. Muitos deles admitiram publicamente o papel que desempenharam neste crime “flagrante” e orgulhosamente deram entrevistas à imprensa sobre o assunto. Muitos juízes reformados, oficiais do exército e funcionários públicos revelaram que sempre foram a favor da destruição da mesquita e celebraram abertamente a consagração do novo templo.

Assim, a cerimónia de 22 de Janeiro, durante a qual jatos militares indianos foram usados ​​para cobrir a multidão com pétalas de flores, foi um momento revelador para os muçulmanos da Índia e outras minorias. Durante a extravagante celebração, ficou claro para todos que o majoritarismo está agora no cerne da estrutura estatal indiana.

Embora o templo Ram em Ayodhya seja sem dúvida um símbolo do poder do Hindutva, a ideologia majoritária hindu do BJP e dos seus parceiros, é também um símbolo da própria coragem política de Modi. Ao consagrar o templo, o primeiro-ministro estabeleceu-se com sucesso, com o apoio de meios de comunicação social dispostos, como o principal concretizador do sonho da supremacia hindu no país. Mais do que a figura de Ram, Modi esteve no centro da cerimônia.

A cerimónia de 22 de Janeiro, que marcou a conclusão da transformação de Modi de representante eleito do povo num monarca que liga o seu poder ao divino, foi talvez um espectáculo sociológico interessante ou mesmo divertido para observadores externos. Mas para todos os indianos preocupados com a erosão dos valores e princípios fundamentais da república, e especialmente para os muçulmanos e outras minorias que começaram a questionar o seu lugar no país, foi o clímax de uma história de terror da vida real.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a posição editorial da Al Jazeera.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *