Número de mortos em Gaza ultrapassa 20 mil enquanto Conselho de Segurança da ONU atrasa votação sobre ajuda


0

O marco sombrio ocorre no momento em que o principal órgão de decisão da ONU adia uma votação importante sobre a ajuda a Gaza pela terceira vez.

Palestinos lamentam a morte de entes queridos mortos no bombardeio israelense, em 14 de dezembro de 2023, no hospital Najar, em Rafah [Mahmud HAMS / AFP]
Palestinos lamentam a morte de entes queridos mortos em um bombardeio israelense em 14 de dezembro de 2023, no Hospital al-Najjar em Rafah, Faixa de Gaza [Mahmud Hams/AFP]

Pelo menos 20 mil pessoas foram mortas na Faixa de Gaza desde que Israel começou a bombardear o enclave, há mais de 10 semanas, segundo autoridades palestinas.

Pelo menos 8.000 crianças e 6.200 mulheres estão entre os mortos, informou o Gabinete de Comunicação Social do Governo de Gaza na quarta-feira.

O marco sombrio foi ultrapassado quando o Conselho de Segurança das Nações Unidas adiou uma votação importante sobre uma tentativa de aumentar a ajuda humanitária a Gaza pela terceira vez, para evitar um veto dos Estados Unidos, que tradicionalmente protege o seu aliado Israel da acção da ONU.

Desde o colapso de uma trégua de sete dias, em 1 de Dezembro, a guerra entrou numa fase mais intensa, com o combate terrestre anteriormente confinado à metade norte do território, agora espalhado por toda a sua extensão.

Quando questionado sobre o número cada vez maior de vítimas, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse que é “claro que o conflito avançará e precisa de passar para uma fase de menor intensidade”.

“Esperamos ver e queremos ver uma mudança para ações mais direcionadas [Israeli] operações com um número menor de forças que estão realmente focadas em lidar com a liderança do Hamas, a rede de túneis e algumas outras coisas críticas”, disse ele. “E quando isso acontecer, acho que você verá que os danos causados ​​aos civis também diminuirão significativamente.”

Os ataques aéreos continuaram em Gaza na quarta-feira, com pelo menos 46 pessoas mortas e dezenas de feridas em ataques israelenses ao campo de refugiados de Jabalia, no norte de Gaza, de acordo com o Ministério da Saúde do enclave.

Em Rafah, no sul da Faixa de Gaza, onde centenas de milhares de pessoas foram empurradas desde o início de Dezembro pelo ataque contínuo de Israel, ataques aéreos atingiram um edifício perto de um hospital perto de uma equipa da Al Jazeera que transmitia ao vivo, matando pelo menos 10 pessoas.

“Mais ataques aéreos são conduzidos, mais vítimas caem devido à expansão das operações militares israelenses nas áreas que deveriam ser zonas seguras, para onde a maioria dos habitantes de Gaza foi instada a fugir”, disse Tareq Abu Azzoum da Al Jazeera em reportagem de Rafa.

“O ataque aéreo ocorreu numa área considerada muito densamente povoada e é um milagre que não tenham morrido mais do que este número de pessoas”, acrescentou.

Votação chave do Conselho de Segurança adiada

A votação do Conselho de Segurança da ONU sobre uma tentativa de aumentar a ajuda à Faixa de Gaza e pedir à ONU que monitorize as entregas de ajuda humanitária foi adiada a pedido dos EUA, disseram diplomatas.

Segundo a enviada dos Emirados Árabes Unidos à ONU, Lana Nusseibeh, a votação acontecerá na quinta-feira.

“Todos querem ver uma resolução que tenha impacto e seja implementável no terreno, e há algumas discussões em curso sobre como tornar isso possível”, disse Nusseibeh, cujo país redigiu a resolução, aos jornalistas em Nova Iorque.

O texto visa diluir o controlo de Israel sobre todas as entregas de ajuda humanitária aos 2,3 milhões de habitantes de Gaza. O texto inicial teria sido modificado para suavizar os apelos ao fim dos combates em Gaza e evitar mais um veto dos EUA.

“Queremos ter a certeza de que a resolução… não faz nada que possa realmente prejudicar a prestação de assistência humanitária, tornando-a mais complicada. É nisso que estamos focados”, disse Blinken aos repórteres na quarta-feira. “Espero que possamos chegar a um bom lugar.”

Actualmente, Israel monitoriza a ajuda humanitária limitada e as entregas de combustível a Gaza através da passagem de Rafah, vinda do Egipto, e da passagem de Karem Abu Salem, controlada por Israel, conhecida como Kerem Shalom em hebraico.

Na quarta-feira, o primeiro comboio de ajuda entrou em Gaza directamente da Jordânia com 750 toneladas métricas de alimentos. O Programa Alimentar Mundial afirmou que metade da população de Gaza está a passar fome e que apenas 10 por cento dos alimentos necessários entraram em Gaza desde o início da guerra, em 7 de Outubro.

Os EUA e Israel opõem-se a um cessar-fogo, acreditando que beneficiaria apenas o Hamas. Em vez disso, Washington apoia pausas nos combates para proteger os civis e permitir a libertação dos prisioneiros feitos pelo Hamas.

Líder do Hamas em rara visita ao Egito

Separadamente, na quarta-feira, o líder do Hamas, Ismail Haniyeh, fez sua primeira visita ao Egito em mais de um mês, em uma rara intervenção pessoal na diplomacia, em meio à esperança de que o grupo palestino e Israel pudessem chegar a um acordo sobre os termos de outra trégua.

Haniyeh chegou à capital egípcia para se reunir com o chefe da espionagem do Cairo e outras autoridades egípcias que atuam como mediadores importantes. Entretanto, as autoridades israelitas indicaram, em conversações com representantes dos EUA e do Qatar, que poderiam estar abertas a uma trégua.

O líder do Hamas viajou pela última vez ao Egito no início de novembro, antes do anúncio da única pausa nos combates até agora, uma trégua de uma semana que resultou na libertação de cerca de 110 dos 240 prisioneiros levados pelo Hamas para Gaza em 7 de outubro.

A Jihad Islâmica Palestina, um grupo armado menor que também mantém prisioneiros em Gaza, disse que seu líder também visitaria o Egito nos próximos dias para discutir um possível fim da guerra.

Uma fonte informada sobre as negociações disse que os enviados estavam discutindo quais dos cativos ainda detidos por grupos palestinos poderiam ser libertados em uma nova trégua e quais prisioneiros Israel poderia libertar em troca, informou a agência de notícias Reuters.

Mas continua a existir um enorme abismo entre as posições publicamente declaradas dos dois lados sobre qualquer interrupção dos combates. O Hamas rejeita qualquer nova pausa temporária e afirma que discutirá apenas um cessar-fogo permanente. Israel descartou esta possibilidade e diz que concordará apenas com pausas humanitárias limitadas até que o Hamas seja derrotado.

O presidente dos EUA, Joe Biden, disse que não espera que um acordo Israel-Hamas para a libertação de prisioneiros detidos em Gaza seja alcançado em breve.

“Estamos pressionando”, disse Biden aos repórteres durante uma viagem a Milwaukee, Wisconsin.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *