Nomes vinculados a Jeffrey Epstein serão tornados públicos: tudo o que você precisa saber


0

Espera-se que documentos judiciais anteriormente selados incluam nomes de mais de 150 pessoas ligadas ao financista em desgraça.

Jeffrey Epstein
Os documentos deverão revelar os nomes de mais de 150 associados de Jeffrey Epstein, que morreu numa prisão dos EUA em 2019 enquanto aguardava julgamento por acusações de tráfico sexual. [File: New York State Sex Offender Registry via AP Photo]

Uma lista de nomes ligados ao falecido financista e criminoso sexual condenado Jeffrey Epstein será divulgada ao público, trazendo atenção renovada para uma operação de tráfico sexual que vem ganhando as manchetes internacionais há anos.

Um juiz dos Estados Unidos autorizou a abertura de documentos judiciais no mês passado, como parte de um processo por difamação de 2015 movido por Virginia Giuffre, que acusou Epstein e a sua associada Ghislaine Maxwell de a traficar quando era menor.

Os documentos deverão revelar mais de 150 nomes de pessoas ligadas a Epstein, que morreu por suicídio numa prisão dos EUA em 2019 enquanto aguardava julgamento por tráfico sexual e outras acusações.

Incluem indivíduos acusados ​​de irregularidades, bem como aqueles que trabalharam ou tiveram apenas ligações tangenciais com Epstein. Entre os nomes também estão supostas vítimas de tráfico sexual e testemunhas de crimes, informaram meios de comunicação norte-americanos.

Aqui está tudo o que você precisa saber sobre a lista de nomes – e quais são suas implicações.

De onde vêm os nomes?

Os nomes aparecem em documentos judiciais do processo por difamação de 2015 que Giuffre moveu contra Maxwell, uma socialite britânica que mais tarde foi condenada a 20 anos de prisão por acusações relacionadas ao tráfico sexual.

Giuffre acusou Maxwell de facilitar seu abuso sexual nas mãos de Epstein e de outros homens poderosos. Quando Maxwell chamou essas acusações de “mentiras óbvias”, Giuffre respondeu com o processo por difamação.

O caso foi finalmente resolvido em 2017. Como parte das conclusões do tribunal, um juiz escreveu que Giuffre “foi vítima de abuso sexual sustentado de menores entre 1999 e 2002”.

Mas os documentos utilizados no caso continuaram a despertar interesse, bem depois do término do processo.

Em 2018, o Miami Herald iniciou procedimentos judiciais para obter acesso aos documentos. “Milhares de páginas foram divulgadas” numa “base contínua” desde então, de acordo com o Herald, como parte de um processo para determinar quais arquivos poderiam ser tornados públicos.

Muitos dos nomes nos documentos foram redigidos, no entanto. Mas em 18 de dezembro, a juíza do Tribunal Distrital dos EUA que supervisionava o caso, Loretta Preska, decidiu que alguns dos nomes também poderiam ser revelados.

Ela deu a qualquer pessoa afetada até meia-noite de 1º de janeiro para apresentar uma objeção, o que significa que os arquivos poderiam ser divulgados já na terça-feira.

Como o juiz decidiu quais nomes poderiam ser tornados públicos?

Preska argumentou na sua decisão que muitos dos nomes já tinham sido revelados através de depoimentos ou depoimentos judiciais, bem como em reportagens nos meios de comunicação social. Até o presente, certos indivíduos eram chamados de John ou Jane Doe em documentos judiciais.

Alguns nomes permanecerão selados, no entanto, porque os indivíduos eram menores quando ocorreu o alegado abuso sexual e não falaram publicamente. “O interesse público não supera os interesses de privacidade da suposta vítima menor”, ​​escreveu Preska.

Mas permanecem preocupações sobre como o público poderá reagir a quaisquer nomes recém-divulgados. Os próprios documentos “podem não deixar claro por que um determinado indivíduo foi associado ao processo de Giuffre”, informou a ABC News.

Dito isto, as novas revelações provavelmente ajudarão a ilustrar a escala da alegada rede de tráfico sexual de Epstein e a sua influência entre membros poderosos da sociedade.

Epstein morreu por suicídio antes de poder enfrentar acusações de tráfico sexual no tribunal.

Nomes proeminentes serão incluídos?

Espera-se que o príncipe Andrew, do Reino Unido, seja mencionado nos documentos. Giuffre acusou a realeza britânica de forçá-la a fazer sexo com ele há duas décadas, quando ela tinha 17 anos, uma alegação que o príncipe Andrew negou veementemente. O caso foi resolvido em 2022.

De acordo com a ABC News, espera-se que os documentos judiciais não lacrados contenham detalhes de uma testemunha – identificada como Jane Doe 162 – “que testemunhou que estava com o príncipe Andrew, Maxwell e Giuffre, então com 17 anos, na mansão de Epstein em Nova York”.

“Giuffre alegou que a reunião, em 2001, foi uma das ocasiões em que ela foi orientada a fazer sexo com Andrew”, informou o meio de comunicação.

O ex-presidente dos EUA, Bill Clinton, também deverá ser citado nos documentos divulgados, embora não tenha sido acusado de qualquer delito por Giuffre. Ela disse que conheceu Clinton na ilha particular de Epstein no Caribe, informaram meios de comunicação dos EUA.

Quando os promotores dos EUA apresentaram acusações de tráfico sexual e conspiração contra Epstein em 2019, o porta-voz do ex-presidente, Angel Urena, disse que Clinton “não sabe nada sobre os crimes terríveis” dos quais o desgraçado financista foi acusado.

“Em 2002 e 2003, o presidente Clinton fez um total de quatro viagens no avião de Jeffrey Epstein: uma para a Europa, uma para a Ásia e duas para África, que incluíram paragens relacionadas com o trabalho da Fundação Clinton”, disse Urena.

“Ele não fala com Epstein há mais de uma década e nunca esteve em Little St. James Island, no rancho de Epstein no Novo México ou em sua residência na Flórida.”

A ABC News informou que o nome de Clinton aparece mais de 50 vezes nos autos judiciais, mas as menções ao ex-presidente estão frequentemente relacionadas aos esforços para intima-lo “para depoimento sobre seu relacionamento com Epstein”.

Qual a importância do lançamento?

Rikki Klieman, analista jurídica da CBS News, disse esta semana que “é altamente significativo que os documentos sejam abertos para que a história completa de Jeffrey Epstein e Ghislaine Maxwell possa ser tornada pública”.

“Precisamos saber, como membros do público, quem tem interesse em manter as mulheres, meninas e crianças protegidas de predadores”, disse Klieman.

Giuffre também comentou a divulgação no mês passado nas redes sociais, descrevendo a juíza Preska como “honrosa” por sua decisão de tornar os nomes públicos e garantir a transparência.

Ela acrescentou que “vai ficar muito nervoso [people] no Natal e no Ano Novo”.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *