NATO nega planos de enviar tropas para a Ucrânia


0

A refutação de Stoltenberg às observações de Macron ocorre num momento em que o Kremlin alerta para o conflito se o Ocidente colocar forças no terreno na Ucrânia.

Presidente francês Emmanuel Macron
O presidente francês Emmanuel Macron fala no final de uma conferência de apoio à Ucrânia com líderes europeus e representantes governamentais, realizada no Palácio do Eliseu, em Paris, em 26 de fevereiro de 2024 [Gonzalo Fuentes/Reuters]

O secretário-geral da OTAN disse que não há planos para enviar tropas para a Ucrânia, já que a Rússia afirmou estar pronta para entrar num conflito direto com a aliança militar ocidental caso coloque forças no terreno.

Respondendo às observações feitas pelo presidente francês Emmanuel Macron no dia anterior, Jens Stoltenberg negou na terça-feira que os países da NATO estivessem a considerar a possibilidade de enviar tropas para a Ucrânia no meio da invasão russa.

“Não há planos para tropas de combate da OTAN no terreno na Ucrânia”, disse o chefe da OTAN.

Macron disse numa reunião de líderes europeus na segunda-feira que, embora “hoje não haja consenso para enviar tropas oficiais e aprovadas para o terreno… nada pode ser descartado”.

A Rússia aproveitou rapidamente os comentários do líder francês. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, classificou a sugestão de Macron de que os estados ocidentais poderiam enviar tropas terrestres para a Ucrânia “um novo elemento muito importante”.

“Não é absolutamente do interesse” dos membros europeus da OTAN, disse ele aos repórteres. “Nesse caso, precisaríamos falar não sobre a probabilidade, mas sobre a inevitabilidade [of direct conflict].”

Embora tenha excluído a acção militar da NATO, Stoltenberg insistiu novamente que a aliança continuaria a apoiar fortemente Kiev.

“Esta é uma guerra de agressão da Rússia contra a Ucrânia, violando flagrantemente o direito internacional”, disse ele. “De acordo com o direito internacional, a Ucrânia tem, obviamente, o direito à autodefesa e nós temos o direito de apoiá-los na defesa desse direito.”

‘Nada descartado’

Macron estava a receber líderes europeus em Paris quando fez os seus comentários, aparentemente procurando posicionar-se como um defensor europeu da causa da Ucrânia numa altura em que o apoio dos EUA está a diminuir.

A NATO fornece à Ucrânia apenas ajuda e apoio não letal, mas a maioria dos membros da aliança tem enviado armas e munições bilateralmente ou em grupos.

No entanto, qualquer decisão de enviar tropas exigiria o apoio unânime de todos os países membros.

O líder francês recusou-se a dar detalhes sobre quais nações estavam a considerar enviar tropas, falando de “ambiguidade estratégica”.

“Não há consenso hoje para enviar tropas oficiais e endossadas para o terreno. Mas em termos de dinâmica, nada pode ser descartado”, afirmou.

Na terça-feira, o primeiro-ministro francês, Gabriel Attal, repetiu os comentários, dizendo: “Não se pode descartar nada numa guerra”.

A Ucrânia acolheu favoravelmente a perspectiva. O conselheiro presidencial Mykhailo Podolyak disse na terça-feira: “Isto mostra, em primeiro lugar, uma consciência absoluta dos riscos que uma Rússia militarista e agressiva representa para a Europa”.

Mas outras nações agiram rapidamente para tentar acalmar a escalada.

Numa reunião bilateral, o primeiro-ministro polaco, Donald Tusk, e o primeiro-ministro checo, Petr Fiala – dois dos mais fortes apoiantes de Kiev – afirmaram que não estavam a considerar enviar tropas.

A Suécia, que deverá aderir à NATO, disse que não prevê enviar tropas terrestres para o país devastado pela guerra.

“Não está nada previsto neste momento”, disse o primeiro-ministro Ulf Kristersson à emissora pública sueca SVT, um dia depois de o seu país ter ultrapassado o último obstáculo à adesão à aliança militar transatlântica.

O primeiro-ministro da Eslováquia, Robert Fico, também disse que o seu governo não planeia propor o envio de soldados eslovacos. No entanto, o populista, que recorre regularmente à retórica pró-Rússia, confirmou que alguns países estão a ponderar se devem fechar acordos bilaterais para ajudar a Ucrânia a defender-se da invasão russa.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *