Kim Jong Un diz ao exército para ‘aniquilar’ a Coreia do Sul e os EUA se for provocado


0

O líder norte-coreano ecoa a retórica belicosa anterior depois de prometer lançar novos satélites e expandir ainda mais o arsenal.

O líder norte-coreano Kim Jong Un em um palco em frente a um mar de pessoas em uma celebração de Ano Novo
Analistas dizem que o líder norte-coreano Kim Jong Un pode estar esperando construir vantagem na diplomacia com os EUA [KCNA via Reuters]

O líder norte-coreano, Kim Jong Un, ordenou aos seus militares que “aniquilassem completamente” a Coreia do Sul e os Estados Unidos se iniciassem um confronto militar, noutra ronda de retórica belicosa contra Seul e Washington.

Os dois aliados intensificaram a cooperação militar e política em 2023, quando a Coreia do Norte conduziu um número recorde de testes de armas, incluindo um novo míssil balístico intercontinental de combustível sólido (ICBM), e colocou em órbita o seu primeiro satélite espião.

Numa reunião com os principais comandantes da Coreia do Norte em Pyongyang, na véspera de Ano Novo, Kim disse que os seus militares deveriam “aniquilar” o inimigo se fossem provocados, informou na segunda-feira a Agência Central de Notícias da Coreia (KCNA).

Kim já indicou que planeia colocar mais três satélites no espaço e desenvolver ainda mais o arsenal de armas do seu país este ano.

“Se o inimigo optar pelo confronto militar e pela provocação contra a RPDC, o nosso exército deverá desferir um golpe mortal para aniquilá-lo completamente, mobilizando todos os meios e potencialidades mais duros, sem [a] momento de hesitação”, disse Kim, usando a abreviatura do nome oficial da Coreia do Norte.

Os comentários de Kim ecoam a retórica das reuniões do partido na semana passada.

Kim Jong Un, da Coreia do Norte, cumprimentando a multidão em um evento de ano novo.  Ele está ao lado da filha e da esposa, que batem palmas.  Há uma bandeira norte-coreana atrás deles.  Eles estão em uma mesa coberta com um pano vermelho com um arranjo de flores no meio.
O líder norte-coreano Kim Jong Un cumprimenta a multidão na Grande Apresentação de Ano Novo de 2024 no Estádio 1º de Maio em Pyongyang [KCNA via Reuters]

Durante o evento de cinco dias para definir a agenda política para 2024, o líder norte-coreano acusou os EUA de representarem “várias formas de ameaça militar”.

Kim disse na reunião que não buscaria mais a reconciliação e a reunificação com a Coreia do Sul, destacando a “crise incontrolável” que, segundo ele, foi desencadeada por Seul e Washington.

No seu discurso de Ano Novo, na segunda-feira, o presidente sul-coreano, Yoon Suk-yeol, disse que reforçaria o ataque preventivo, a defesa antimísseis e as capacidades de retaliação dos seus militares em resposta à ameaça nuclear norte-coreana.

“A República da Coreia está a construir uma paz genuína e duradoura através da força, e não uma paz submissa que depende da boa vontade do adversário”, disse Yoon, usando o nome oficial da Coreia do Sul.

Pyongyang declarou-se uma potência nuclear “irreversível” em 2022 e disse repetidamente que nunca desistirá do seu programa de armas nucleares, que considera essencial para a sua sobrevivência.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU) adoptou muitas resoluções apelando à Coreia do Norte para suspender os seus programas nucleares e de mísseis balísticos desde que Pyongyang realizou pela primeira vez um teste nuclear em 2006.

Com os EUA a realizarem eleições presidenciais em Novembro, e Donald Trump mais uma vez na disputa, os analistas sugeriram que Kim pode estar à espera que o seu arsenal nuclear alargado lhe dê vantagem contra os EUA caso Trump seja reeleito.

Em 2018-19, Kim encontrou-se com Trump em três ocasiões, mas a agitação da diplomacia ruiu depois de os EUA rejeitarem a oferta de Kim de desmantelar o seu principal complexo nuclear, um passo limitado, em troca de reduções extensas nas sanções lideradas pelos EUA.

Desde 2022, a Coreia do Norte realizou mais de 100 testes de mísseis, o que levou os EUA e a Coreia do Sul a expandir os seus exercícios militares conjuntos. A Coreia do Norte também tentou fortalecer as suas relações com os aliados de longa data, a China e a Rússia, que bloquearam os esforços dos EUA e dos seus parceiros no Conselho de Segurança da ONU para endurecer as sanções da ONU à Coreia do Norte devido aos seus testes de armas.

A KCNA disse que Kim e o presidente chinês, Xi Jinping, trocaram mensagens de Ano Novo na segunda-feira sobre o reforço dos laços bilaterais.

A Coreia do Norte enfrenta suspeitas de ter fornecido armas convencionais para a guerra da Rússia na Ucrânia em troca de sofisticadas tecnologias russas para melhorar os programas de armas do Norte.

O lançamento bem sucedido do satélite espião ocorreu dois meses depois de Kim ter viajado para a Rússia, onde realizou uma cimeira com o presidente Vladimir Putin e visitou fábricas de armas russas.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *