Imran Khan, do Paquistão, recebe fiança em caso de segredos de estado antes de eleições importantes


0

O ex-PM recebe fiança no caso cifrado, mas não há clareza sobre sua libertação enquanto o país se prepara para as eleições de 8 de fevereiro.

Imran Khan
Khan continua preso e ainda não está claro se será libertado em breve [File: Aamir Qureshi/AFP]

O ex-primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, recebeu fiança em um caso que alegava ter vazado segredos de Estado, mas continua preso por outras acusações antes das eleições gerais marcadas para fevereiro.

A Suprema Corte concedeu na sexta-feira fiança a Khan no caso, mas não ficou claro como ele poderia ser libertado enquanto cumpria pena de três anos por corrupção e enfrentava outras acusações.

Khan – detido desde Agosto – alega que os poderosos militares estão em conluio com partidos dinásticos que há muito dominam o Paquistão para esmagar o seu partido político e impedi-lo de se candidatar a um cargo público.

O homem de 71 anos foi atingido por uma enxurrada de processos judiciais desde que foi destituído do cargo em abril de 2022, após desentendimentos com altos escalões, e foi preso duas vezes.

“O caso ruiu completamente e Imran Khan e Shah Mahmood Qureshi finalmente receberam fiança”, disse o advogado Salman Safdar a repórteres fora do tribunal, referindo-se ao ex-ministro das Relações Exteriores de Khan, que está detido no mesmo caso.

Os promotores alegam que os dois líderes lidaram mal com um telegrama diplomático, conhecido como cypher, enviado pelo embaixador do Paquistão nos Estados Unidos.

Ambos negaram repetidamente a acusação, dizendo que o telegrama era prova de uma conspiração dos militares paquistaneses e do governo dos EUA para derrubar o seu governo em 2022, depois de ele ter visitado Moscovo pouco antes da invasão russa da Ucrânia.

Os militares de Washington e do Paquistão negaram as acusações.

Um julgamento privado no caso cifrado ocorreu dentro da prisão até que uma contestação legal forçou o tribunal a reiniciar o processo aberto, com a presença de observadores e da mídia.

Na sexta-feira, o Supremo Tribunal, no seu breve despacho, disse que “não há motivos razoáveis ​​para acreditar” que um crime ao abrigo da Lei dos Segredos Oficiais da era colonial, que acarreta uma possível pena de prisão de 14 anos ou pena de morte, tenha sido cometido por Khan.

“Há motivos suficientes para uma investigação mais aprofundada sobre a culpa do referido crime, que será finalmente decidida pelo tribunal de primeira instância”, disse o tribunal superior.

O partido Paquistão Tehreek-e-Insaf (PTI), de Khan, disse que ele continua encarcerado por vários casos de corrupção separados, com poucas chances de que ele deixe a prisão para disputar as eleições marcadas para 8 de fevereiro.

“A perspectiva de ele obter alívio num futuro próximo parece ser muito pequena”, disse o advogado do partido, Khalid Yousaf Chaudry, à agência de notícias AFP.

O destino dos políticos no Paquistão depende historicamente da sua relação com o establishment militar, que governou directamente o país em diversas ocasiões.

O Paquistão está programado para realizar suas eleições gerais em 8 de fevereiro de 2024.

Khan foi desqualificado pela Comissão Eleitoral do Paquistão (ECP) em agosto por cinco anos, após a sua condenação num caso relacionado com a compra e venda ilegal de presentes estrangeiros que recebeu como primeiro-ministro.

Khan abordou o Supremo Tribunal de Islamabad para anular sua desqualificação. No entanto, na quinta-feira, o tribunal superior rejeitou o seu apelo, bloqueando a sua participação nas próximas eleições.

A equipe jurídica do ex-astro do críquete que virou político deve agora entrar com um recurso na Suprema Corte para permitir que Khan conteste a eleição.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *