‘Imagine se apenas uma barragem fosse atingida’: a guerra energética entre a Rússia e a Ucrânia esquenta


0

Moscovo tem como alvo intenso os centros energéticos da Ucrânia, depois de uma série de ataques ucranianos bem-sucedidos dentro da Rússia.

Fumaça e fogo são vistos perto de uma linha de alta tensão no local de um ataque de míssil russo, em meio ao ataque da Rússia à Ucrânia, nos arredores de Kharkiv, Ucrânia, 22 de março de 2024. REUTERS/Sofiia Gatilova TPX IMAGENS DO DIA
Fumaça e fogo são vistos perto de uma linha de alta tensão no local de um ataque com míssil russo nos arredores de Kharkiv, em 22 de março de 2024 [Sofiia Gatilova/Reuters]

Olena Rozumovska está no limite.

Seu apartamento de dois quartos em um prédio de concreto da era soviética não tem eletricidade nem abastecimento de água, e o aquecimento central está desligado depois que drones e mísseis russos atingiram Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia, na sexta-feira.

“É insuportável, impossível. Quero uivar de desespero”, disse a jovem de 33 anos, cujo marido, Mykhailo, luta contra as forças russas no sudeste da Ucrânia, à Al Jazeera por telefone.

As temperaturas externas em Kharkiv mal subiram acima de zero na sexta-feira, caía uma garoa fria e seu prédio “está perdendo calor”, disse ela.

De manhã cedo, ela pulou da cama ao ouvir o baque de uma poderosa explosão. Mais de uma dúzia de explosões fortes e de gelar o sangue se seguiram enquanto ela se escondia no porão gelado com seus dois filhos, Bohdan, de sete anos, e Roxana, de quatro.

As crianças ficaram “histéricas” porque tiveram que deixar o gato siamês para trás. O animal de estimação deles, chamado Monya, não saía de debaixo do sofá.

O que perturbou a ela e a milhões de ucranianos foi a dimensão do bombardeamento, que se tornou o maior ataque à infra-estrutura energética do seu país desde o início da guerra em 2022.

“O objectivo não é apenas destruir, mas tentar mais uma vez, como no ano passado, causar uma perturbação maciça da infra-estrutura energética”, escreveu o ministro da Energia, Herman Halushchenko, no Facebook.

No Inverno de 2022-2023, Moscovo mudou para bombardeamentos massivos que visaram infra-estruturas energéticas e locais civis depois de perceber que a sua blitzkrieg para dominar toda a Ucrânia tinha falhado.

Os ataques de sexta-feira com cerca de 60 drones e 90 mísseis mataram pelo menos duas pessoas, feriram dezenas, atingiram a maior barragem da Ucrânia e cortaram o fornecimento de energia à central nuclear de Zaporizhzhia, ocupada pela Rússia, disseram autoridades.

INTERATIVO-QUEM CONTROLA O QUE NA UCRÂNIA-1710927971
(Al Jazeera)

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, repreendeu o Ocidente pelos atrasos de meses na ajuda militar.

“Os mísseis russos não têm atrasos, ao contrário dos pacotes de ajuda para a Ucrânia. [Iranian-made] Os drones ‘Shahed’ não têm indecisão, ao contrário de alguns políticos. É fundamental compreender o custo dos atrasos e das decisões adiadas”, postou no X, anteriormente conhecido como Twitter.

A Energoatom, a principal agência nuclear da Ucrânia, disse que a central de Zaporizhzhia estava “à beira do apagão” porque o ataque desligou a principal linha de energia.

A Rússia confiscou a central em Março de 2022, mas não conseguiu redireccionar o seu fluxo de electricidade para a Crimeia, carente de energia.

Os reatores da usina foram desligados, mas precisam de um fornecimento constante de energia para mantê-los resfriados e evitar o derretimento das barras de combustível de urânio.

Em poucas horas, a linha cortada foi reconectada, disse uma fonte da Energoatom à Al Jazeera.

“Esta é a principal linha de energia. Há também um de reserva e se sobrar apenas este há risco de apagão”, disse a fonte.

O ataque de sexta-feira foi o segundo em dois dias – uma mudança de tática, já que Moscou “está procurando maneiras mais eficazes de atingir seus objetivos”, disse a porta-voz da defesa Natalya Humenyuk.

“Estamos procurando meios eficazes para combatê-los – e eles estão procurando maneiras de pressionar [and] aterrorizar”, disse ela em comentários na televisão.

“Mal se consegue lembrar de dois ataques durante dois dias seguidos. Mas tal ataque era esperado após o [presidential] eleições na Rússia”, que foram realizadas de 15 a 17 de março, disse ela.

Alguns analistas discordaram de sua avaliação.

Não há mudança de tática e os ataques russos continuam como sempre, disse Nikolay Mitrokhin, da Universidade de Bremen, na Alemanha, à Al Jazeera.

Eles são uma vingança por uma série de ataques ucranianos bem-sucedidos dentro da Rússia, disse ele.

Nas últimas semanas, batalhões pró-ucranianos de nacionalistas russos atacaram repetidamente as regiões ocidentais russas de Belgorod e Kursk, na fronteira com a Ucrânia.

Eles foram apoiados por ataques devastadores de drones e mísseis ucranianos em Belgorod.

Na quarta-feira, novos e avançados drones ucranianos alcançaram um campo de aviação importante na região russa do Volga, que tem sido usado por bombardeiros estratégicos para lançar mísseis contra a Ucrânia.

Moscou disse que suas forças derrubaram os drones, mas Mitrokhin disse que o ataque foi “aparentemente bem-sucedido”.

Mais ataques de drones e mísseis destruíram ou danificaram a infra-estrutura energética da Rússia nos últimos meses.

Desde Janeiro, a Ucrânia atingiu pelo menos nove refinarias de petróleo no oeste da Rússia – juntamente com depósitos, terminais e instalações de armazenamento – reduzindo a capacidade de processamento de petróleo de Moscovo em 7 por cento, segundo um cálculo da agência de notícias Reuters.

Em 13 de Março, um dos ataques incendiou uma refinaria na cidade ocidental de Ryazan, provocando o encerramento de duas unidades de refinação. A gigantesca refinaria produz quase 6% do petróleo refinado da Rússia.

Um dia antes, outro ataque ucraniano reduziu para metade a capacidade de outra refinaria perto da cidade de Nizhny Novgorod, que fica a mais de 1.000 quilómetros (621 milhas) a leste da fronteira com a Ucrânia.

Os ataques desferiram um golpe na principal fonte de receitas de exportação de Moscovo, que financia a guerra na Ucrânia, apesar das sanções paralisantes impostas pelo Ocidente.

Washington instou Kiev a parar os ataques às refinarias porque podem agravar o conflito, informou o Financial Times na sexta-feira.

Os duplos ataques desta semana por parte das tropas de Moscovo também poderão abrir caminho à ofensiva terrestre de Verão da Rússia.

“Isto pode ser visto como uma nova operação que se tornará um prelúdio para a ofensiva de verão da Rússia”, disse Aleksey Kushch, analista baseado em Kiev, à Al Jazeera.

Outro observador alertou que o ataque mais grave e preocupante de sexta-feira foi aquele que teve como alvo a barragem das centrais hidroeléctricas gémeas de Dniprovska, a maior da Ucrânia.

“Mais cedo ou mais tarde, greves como estas teriam de ocorrer”, disse o analista Ihar Tyshkevich, baseado em Kiev, à Al Jazeera.

Ele disse que o derretimento da neve e do gelo na parte superior do rio Dnipro já provocou uma enchente de primavera que atingirá seu nível máximo dentro de um mês.

“Agora, imagine se apenas uma barragem fosse atingida”, disse ele.

Mísseis russos atingiram a usina em dezembro de 2022 e fevereiro de 2023. O ataque de sexta-feira danificou ambas as usinas e iniciou um grande incêndio.

“No entanto, não há perigo de a barragem ser destruída”, disse Ihor Sirota, chefe da agência Ukrhydroenergo, que administra as estações, à Rádio Liberty.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *