Harris enfatiza apoio dos EUA a Israel e trégua em Gaza em negociações com Gantz


0

A vice-presidente Kamala Harris encontra-se com o membro do gabinete de guerra israelense, Benny Gantz, em meio à crescente pressão sobre a posição de guerra dos EUA em Gaza.

Vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, fala em um pódio
A vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, “expressou a sua profunda preocupação com as condições humanitárias em Gaza” em conversações com Benny Gantz, de Israel, afirma a Casa Branca [Amr Alfiky/Reuters]

A vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, reiterou o apoio do seu país a Israel e pressionou por mais ajuda humanitária para entrar na Faixa de Gaza em conversações com o membro do gabinete de guerra israelita, Benny Gantz.

Numa leitura da reunião de segunda-feira em Washington, DC, a Casa Branca disse que Harris “expressou a sua profunda preocupação com as condições humanitárias em Gaza”, um estreito enclave palestiniano que tem sido objecto de uma ofensiva militar israelita mortal desde 7 de Outubro.

A declaração explicava que Harris enfatizou a importância de se chegar a um acordo que contemplasse a libertação dos prisioneiros feitos pelo grupo palestino Hamas em troca de uma trégua imediata de seis semanas.

“Ela instou Israel a tomar medidas adicionais em cooperação com os Estados Unidos e parceiros internacionais para aumentar o fluxo de assistência humanitária para Gaza e garantir a sua distribuição segura aos necessitados”, disse também o comunicado.

A visita de Gantz a Washington, DC ocorre num momento em que a administração do presidente dos EUA, Joe Biden, enfrenta uma pressão generalizada para conter o apoio “inabalável” dos EUA a Israel, à luz da crise humanitária que se desenrola em Gaza.

Mais de 30 mil palestinos foram mortos no bombardeio de Israel, que começou em 7 de outubro, após um ataque do Hamas ao sul de Israel, que matou cerca de 1.100 pessoas.

Os críticos salientaram que a guerra de Israel contra Gaza levou o território – onde vivem quase 2,3 milhões de pessoas – à beira do colapso. A grande maioria da população foi deslocada durante os bombardeamentos e o cerco israelita deixou escassos bens de primeira necessidade, como alimentos, água e medicamentos.

Especialistas alertaram para a fome, com crianças palestinas já morrendo de desnutrição.

Nas últimas semanas, a administração Biden mudou de tom, pressionando por mais assistência a Gaza. Recentemente, lançou por via aérea um número limitado de refeições aos palestinos de lá. Mas os críticos dizem que esses esforços terão pouco efeito se Washington não exercer pressão sobre Israel para parar a guerra.

Alguns apelaram aos EUA para que suspendessem a assistência militar e diplomática ao governo israelita. O governo dos EUA fornece anualmente pelo menos 3,8 mil milhões de dólares em assistência militar a Israel.

Reportando de Washington, DC, na tarde de segunda-feira, Shihab Rattansi da Al Jazeera disse que houve vários “gestos performativos” da Casa Branca nos últimos dias, em meio a um aumento na pressão pública.

No domingo, por exemplo, Harris falou em Selma, Alabama – um importante local do movimento pelos direitos civis dos EUA – onde reafirmou o apoio dos EUA a uma pausa de seis semanas nos combates e falou em termos duros sobre as condições “desumanas” em Gaza. .

Mas, em última análise, as políticas de Washington permanecem “fundamentalmente as mesmas”, disse Rattansi.

Gantz, um antigo general do exército israelita, é amplamente visto como um político mais centrista do que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

Mas os críticos dizem que, como membro do gabinete de guerra de Netanyahu, ele também representa o governo israelita e as suas políticas em Gaza.

Biden, que busca a reeleição em novembro, já enfrentou uma reação negativa nas urnas por sua posição em relação à guerra de Israel em Gaza. Na semana passada, mais de 101.000 eleitores democratas nas primárias no estado do Michigan votaram “descomprometidos” em vez de apoiar Biden, em grande parte como resultado de uma campanha de protesto organizada decorrente da guerra de Gaza.

Em declarações à Al Jazeera na segunda-feira, Tamer Qarmout, professor assistente de políticas públicas no Instituto de Pós-Graduação de Doha, disse que o que importa é se a administração Biden tomará “medidas reais para impedir Israel” de continuar a sua guerra.

“Não vemos isso acontecendo”, disse Qarmout. “Os EUA não estão realmente a usar nenhuma das suas influências para mudar o comportamento de Israel.”


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *