Ex-primeiro-ministro do Paquistão Imran Khan ferido por tiros em marcha de protesto


0

Ex-primeiro-ministro fora de perigo após ataque a tiros que matou um de seus apoiadores e feriu outros.

Imran Khan
Imran Khan acena para apoiadores após o incidente do tiroteio [Screengrab/Al Jazeera]

Islamabad, Paquistão – Imran Khan, o ex-primeiro-ministro do Paquistão, sofreu um ferimento de bala na perna depois que um atirador abriu fogo em um comício em Wazirabad, no leste do país.

O jogador de críquete que virou político, que liderava uma marcha de protesto exigindo eleições antecipadas, estava fora de perigo e foi levado para um hospital em Lahore para tratamento, confirmou Azhar Mashwani, funcionário do partido de Khan no Paquistão Tehreek-e-Insaf (PTI). para a Al Jazeera.

Um total de 14 pessoas ficaram feridas no incidente, de acordo com médicos, enquanto um dos apoiadores de Khan, identificado como Muazzam Nawaz, morreu após sofrer ferimentos de bala.

A identidade do suspeito, que foi preso pela polícia no local, não foi imediatamente esclarecida. Nenhum grupo reivindicou a autoria do ataque.

Khan estável: Doutor

Imagens de canais de TV locais mostraram Khan com uma perna enfaixada se movendo de seu caminhão para outro veículo com a ajuda de sua equipe de segurança.

Faisal Sultan, executivo-chefe do Hospital Memorial Shaukat Khanum, construído por Khan em memória de sua mãe, disse que o líder do PTI estava em condição estável e consciente.

Falando a repórteres, Sultan disse que havia fragmentos de bala em sua perna e seu osso da tíbia estava lascado.

“Esta é apenas a avaliação inicial, e estamos levando-o ao centro cirúrgico para uma avaliação detalhada”, disse ele, acrescentando que um conselho médico de quatro membros foi formado para monitorar e avaliar a saúde de Khan.

Enquanto isso, o primeiro-ministro Shehbaz Sharif emitiu uma declaração condenando o incidente e pediu às autoridades que iniciassem imediatamente uma investigação.

O exército paquistanês também emitiu um comunicado, dizendo que o “incidente de disparo” na marcha de protesto “foi altamente condenável”.

“Orações sinceras pela preciosa vida perdida e rápida recuperação e bem-estar do presidente do PTI, Sr. Imran Khan, e todos os feridos neste infeliz incidente”.

Mais tarde na quinta-feira, o líder do PTI, Asad Umar, divulgou um vídeo no qual ele disse que Khan lhe pediu para revelar os nomes de três pessoas que supostamente estavam por trás da “tentativa de assassinato”.

“Ele nos pediu para divulgar uma declaração em seu nome, nos dizendo que já havia recebido informações sobre esse plano. Ele nomeou o primeiro-ministro Shehbaz Sharif, o ministro do Interior Rana Sanaullah e o major-general Faisal [an official of Pakistan’s intelligence agency]”, disse Umar, sem oferecer nenhuma evidência.

Umar disse ainda que Khan, que repetidamente disse que sua vida está em perigo, exigiu que os três indivíduos fossem removidos de seus cargos ou então ele convocaria protestos em todo o país.

“Começaremos este protesto no momento em que Khan pedir, se a demanda feita por ele não for cumprida”, disse Umar.

A “Longa Marcha” de Khan

Khan começou sua chamada “Longa Marcha” em 28 de outubro de Lahore. Esperava-se que o comboio chegasse à capital, Islamabad, em 11 de novembro.

O jornalista Nazar Ul Islam, que cobria a marcha de protesto, estava cerca de 100 metros atrás do contêiner de Khan quando ouviu tiros.

Ele observou que vários acidentes aconteceram na semana passada nos comícios, incluindo a morte de um jornalista que escorregou e foi esmagado sob o contêiner de Khan em 30 de outubro.

“Ouvi alguns tiros e depois ouvi algumas ambulâncias chegando. Na época, pensei que fosse outro acidente, mas quando cheguei perto do contêiner, vi pânico entre as pessoas e manchas de sangue na estrada”, disse ele à Al Jazeera.

Islam diz que estava ao lado do contêiner quando um veículo preto estacionou e viu Khan saindo dele.

“Eu o vi saindo do contêiner, acenando com a mão para as pessoas do lado de fora do contêiner enquanto ele era ajudado a entrar no veículo.”

Depois que o pânico inicial diminuiu, os apoiadores de Khan mostraram compostura e permaneceram calmos.

“A manifestação continuou, e um líder do PTI, Fawad Chaudhry, no contêiner pediu vingança”, disse ele.

Mais tarde, em um tweet, Chaudhry alegou que o ataque a Khan foi uma “tentativa de assassinato bem planejada”.

Enquanto isso, apoiadores do PTI bloquearam rodovias em várias cidades enquanto funcionários do partido pediram que eles se reunissem em vários locais para protestos.

O ministro da Informação Federal, Murriyam Aurangzeb, disse em entrevista coletiva que o interrogatório do suspeito estava em andamento.

Aurangzeb também pediu às figuras políticas que se abstenham de emitir “comentários políticos” e mostrem “responsabilidade”.

INTERACTIVE_IMRANKHAN_SHOT-01
[Al Jazeera]

O governo de Khan foi removido em abril deste ano por meio de um voto parlamentar de desconfiança. O líder do PTI alegou, sem fornecer provas, que uma conspiração estrangeira liderada pelos Estados Unidos, em conluio com o establishment militar do Paquistão e seus políticos rivais, estava por trás de sua remoção.

Nos últimos meses, o homem de 70 anos vem realizando comícios em todo o país, exigindo eleições antecipadas que, de outra forma, estão marcadas para o próximo ano. Enquanto isso, o PTI, por trás da crescente popularidade de Khan, varreu várias eleições secundárias realizadas em julho e outubro.

No mês passado, a comissão eleitoral do Paquistão considerou Khan culpado de “práticas corruptas” e o desqualificou para ser membro do parlamento. O PTI contestou o veredicto, enquanto Khan atacou o chefe da comissão, chamando-o de “pessoa desonesta”.

Embora as declarações públicas de Khan geralmente tenham como alvo seus rivais políticos, suas críticas ao estabelecimento militar do Paquistão – antes considerado seu patrono político e arquiteto de seu sucesso – recentemente aumentaram. Ele acusou altos oficiais militares de conspirar contra seu partido e exigiu que eles fossem removidos de seus cargos.

Os militares são frequentemente vistos como um rei no Paquistão e governaram o país de 220 milhões de pessoas diretamente por mais da metade de seus 75 anos de história.

O Paquistão tem uma longa história de violência política.

Liaqat Ali Khan, o primeiro primeiro-ministro do país, foi morto a tiros logo durante um comício em Rawalpindi em 1952.

O ex-primeiro-ministro e fundador do Partido Popular do Paquistão, Zulfikar Ali Bhutto, foi enforcado em 1979 depois que seu governo foi derrubado por um golpe militar.

Sua filha, Benazir Bhutto, que também se tornou duas vezes primeira-ministra, foi assassinada em Rawalpindi em dezembro de 2007 enquanto fazia campanha para uma eleição.

O tiroteio de quinta-feira ocorreu em um momento precário para o Paquistão, que enfrenta as consequências de inundações catastróficas que mataram mais de 1.730 pessoas e afetaram 33 milhões.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *