Este Israel não tem futuro no Médio Oriente


0

A guerra de Gaza pode vir a ser o princípio do fim, mas não para a Palestina.

Soldados israelenses manobram veículos militares blindados ao longo da fronteira de Israel com a Faixa de Gaza, no sul de Israel, na segunda-feira, 20 de novembro de 2023 [AP Photo/Ohad Zwigenberg]

A guerra sádica de Israel contra Gaza, o culminar de uma longa série de políticas criminosas, pode muito bem revelar-se suicida a longo prazo e levar ao desaparecimento do poderoso “Estado Judeu”.

Na verdade, o assassinato deliberado e à escala industrial do povo palestiniano por Israel, sob o pretexto de “autodefesa”, não aumentará a sua segurança nem garantirá o seu futuro. Pelo contrário, produzirá maior insegurança e instabilidade, isolará ainda mais Israel e minará as suas hipóteses de sobrevivência a longo prazo numa região predominantemente hostil.

Na verdade, nunca pensei que Israel pudesse ter um grande futuro no Médio Oriente sem abandonar o seu regime colonial e abraçar a condição de Estado normal. Durante um breve período, no início da década de 1990, parecia que Israel estava a mudar de direcção em direcção a alguma forma de normalidade, embora dependente dos Estados Unidos. Envolveu os Estados palestinianos e árabes da região num “processo de paz” que prometia a existência mútua sob os auspícios americanos favoráveis.

Mas a natureza colonial de Israel dominou o seu comportamento em todos os momentos. Desperdiçou inúmeras oportunidades para acabar com a sua ocupação e viver em paz com os seus vizinhos. Parafraseando a infame piada do diplomata israelita Abba Eban, Israel “nunca perdeu uma oportunidade de perder uma oportunidade”.

Em vez de pôr fim à sua ocupação, redobrou o seu projecto de colonização nos territórios palestinianos ocupados. Multiplicou o número de colonatos judeus ilegais e de colonos em terras palestinianas roubadas e colocou-os em rede através de estradas secundárias especiais e outros projectos de planeamento, criando um sistema duplo, um superior e dominante para os judeus e um inferior para os palestinianos.

Enquanto um apartheid era desmantelado na África do Sul, outro era erguido na Palestina.

Na ausência de paz e à sombra da colonização, o país deslizou ainda mais em direcção ao fascismo, consagrando a supremacia judaica nas suas leis e estendendo-a a toda a Palestina histórica, desde o Rio Jordão até ao Mar Mediterrâneo. Num instante, os partidos fanáticos e de extrema-direita ganharam impulso e assumiram as rédeas do poder sob a liderança oportunista do Primeiro-Ministro Benjamin Netanyahu, minando as próprias instituições de Israel e todas as possibilidades de paz baseadas na coexistência entre dois povos.

Rejeitaram qualquer compromisso e começaram a devorar toda a Palestina histórica, expandindo o assentamento judaico ilegal em terras palestinianas roubadas em toda a Cisjordânia ocupada, numa tentativa de expulsar os palestinianos. Também reforçaram o cerco à Faixa de Gaza, a maior prisão ao ar livre do mundo, e abandonaram qualquer pretensão de alguma vez permitir que esta se unisse ao seu interior palestiniano num Estado palestiniano soberano.

Depois veio o ataque de 7 de Outubro – um rude grito de alerta, lembrando a Israel que o seu empreendimento colonial não é sustentável nem sustentável, que não poderia prender dois milhões de pessoas e deitar fora a chave, que devia abordar as causas profundas do conflito. com os palestinianos, nomeadamente a sua expropriação, ocupação e cerco.

Mas o regime de Netanyahu, fiel à sua natureza, transformou a tragédia num grito de guerra e redobrou a sua desumanização racista dos palestinianos, abrindo caminho para uma guerra genocida. Declarou guerra ao “mal”, ou seja, não apenas ao Hamas, mas também ao povo de Gaza. Um líder israelita após outro, começando pelo próprio presidente, implicou todos os palestinianos no horrível ataque, alegando que não há inocentes em Gaza.

Desde então, Israel tornou-se vingativo, tribal e inflexível na destruição e expansão, com total desrespeito pela decência humana básica e pelo direito internacional. A guerra colonial de Israel tornou-se uma guerra contra hospitais, escolas, mesquitas e edifícios residenciais, financiada, armada e protegida pelos Estados Unidos e outros lacaios ocidentais e matando milhares de civis palestinos – crianças, médicos, professores, jornalistas, homens e mulheres, idosos e jovens, como se fossem combatentes inimigos.

Mas esta tribo estrangeira não tem qualquer hipótese de sobreviver entre todos os povos indígenas da região, que se uniram mais do que nunca contra o sangrento intruso. Israel já não pode usar as suas afirmações teológicas fantasiosas para justificar as suas práticas racistas violentas. Deus não sanciona o massacre de crianças inocentes. E nem deveriam fazê-lo os patronos norte-americanos e ocidentais de Israel.

À medida que a opinião pública ocidental se voltar contra Israel, os seus líderes cínicos também mudarão de rumo, se não para preservar a sua posição moral, pelo menos para salvaguardar os seus interesses no Grande Médio Oriente. A mudança na posição francesa, exigindo que Israel pare com a matança de crianças em Gaza, é um indicador do que está por vir.

Israel não tem boas opções depois do fim da sua má guerra. Esta pode ser a sua última oportunidade de sair do abismo, parar a guerra, abraçar a visão do presidente dos EUA, Joe Biden, de uma solução de dois Estados, impraticável como é hoje, e aceitar as linhas vermelhas da América para Gaza: não à reocupação, não à limpeza étnica e não à redução dos seus territórios. Mas Netanyahu, juntamente com a sua coligação fanática, que há muito considera a América um dado adquirido, mais uma vez ignorou – leia-se rejeitado – o conselho da América em detrimento de ambos os lados.

Muito antes da guerra em Gaza, um importante jornalista israelita, Ari Shavit, previu o desaparecimento de Israel “tal como o conhecemos”, se este continuasse no mesmo caminho destrutivo. E na semana passada, Ami Ayalon, antigo chefe do serviço secreto israelense Shin Bet, alertou que a guerra e a expansão territorial do governo levarão ao “fim de Israel” tal como o conhecemos. Ambos escreveram livros alertando Israel sobre o futuro sombrio que se avizinha se continuar a sua ocupação.

Tal como todos os outros intrusos violentos, desde os antigos cruzados até às potências coloniais modernas, esta última entidade colonial, Israel, tal como a conhecemos, está destinado a desaparecer, independentemente de quanto sangue palestiniano, árabe e israelita derramar.

A guerra de Gaza pode vir a ser o princípio do fim, mas não para a Palestina. Tal como o regime supremacista sangrento da África do Sul do apartheid implodiu, o mesmo acontecerá com Israel, mais cedo ou mais tarde.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *