Colômbia e Bolívia apoiam Lula do Brasil na disputa de Israel sobre comentários sobre a guerra em Gaza


0

Aliados sul-americanos expressam ‘solidariedade’ ao Brasil depois que Israel critica Lula por comparar a guerra em Gaza com o Holocausto.

Lula do Brasil
O presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva Lula, comparou a campanha militar de Israel em Gaza com o Holocausto [File: Adriano Machado/Reuters]

A Colômbia e a Bolívia estão a apoiar o Brasil à medida que a sua disputa diplomática com Israel se intensificou depois de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ter acusado Israel de cometer genocídio em Gaza, comparando as suas ações com o Holocausto.

Gustavo Petro e Luis Arce, presidentes da Colômbia e da Bolívia respectivamente, expressaram “solidariedade” a Lula na terça-feira, depois que ele foi criticado por Israel por chamar a guerra contra Gaza de “genocídio” contra os palestinos e comparou-a com a campanha de Adolf Hitler para exterminar o povo judeu durante o Holocausto.

“Em Gaza há um genocídio e milhares de crianças, mulheres e idosos civis são covardemente assassinados”, disse Petro no X. “Lula apenas falou a verdade e a verdade é defendida ou a barbárie nos aniquilará. Toda a região deve unir-se para acabar imediatamente com a violência na Palestina.”

Arce também recorreu às redes sociais para dar o braço a Lula. “A história não perdoará aqueles que são indiferentes a esta barbárie”, escreveu ele. O presidente brasileiro, disse ele, disse a verdade sobre o genocídio que está sendo cometido contra o “bravo povo palestino”.

A disputa explodiu no domingo, e as tensões se aprofundaram quando o ministro das Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, classificou os comentários de Lula de “promíscuos, delirantes”, declarando-o “persona non grata” em Israel. “Ainda não é tarde para aprender a história e pedir desculpas”, escreveu ele no X.

Em resposta, o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Mauro Vieira, descreveu os comentários de Katz como “ultrajantes” e “inaceitáveis ​​em sua natureza e mentirosos em seu conteúdo”.

“É incomum e revoltante que um Ministério das Relações Exteriores se dirija desta forma a um chefe de Estado de um país amigo”, disse ele aos repórteres na cúpula do G20 no Rio de Janeiro.

O episódio, disse ele na terça-feira, foi “uma página vergonhosa na história da diplomacia de Israel”.

Retaliação diplomática

Após os comentários de Lula, Katz convocou o embaixador do Brasil, Frederico Meyer, para uma reunião na segunda-feira no centro memorial do Holocausto Yad Vashem, em Jerusalém.

Numa atitude de retaliação, o Ministério das Relações Exteriores do Brasil convocou então o embaixador de Israel no Brasil, Daniel Zonshinem, e chamou Meyer de volta de Tel Aviv para consultas.

O veterano esquerdista Lula, 78 anos, é uma voz proeminente do Sul Global e o seu país detém a presidência rotativa do G20.

Embora inicialmente tenha descrito o ataque liderado pelo Hamas em 7 de Outubro como um acto “terrorista”, desde então tornou-se cada vez mais crítico da resposta de Israel.

Seus comentários foram feitos no momento em que o Brasil se prepara para sediar uma reunião de ministros das Relações Exteriores do G20 na quarta e quinta-feira, com diplomatas de alto escalão, incluindo o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, e o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, reunidos no Rio de Janeiro.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *