Catar critica Netanyahu de Israel por comentários do Hamas


0

Funcionários do Ministério das Relações Exteriores do Catar acusam o primeiro-ministro de tentar prolongar a guerra de Israel em Gaza.

Majed Al-Ansari, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Catar, realiza um briefing semanal no ministério em Doha, Catar, em 28 de novembro de 2023. REUTERS/Imad Creidi
Majed Al-Ansari, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Catar, diz que o país está comprometido desde o primeiro dia da guerra com os esforços de mediação [File: Imad Creid/Reuters]

O Catar criticou os comentários do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, nos quais ele disse que o Estado do Golfo deveria fazer mais para garantir a libertação dos reféns detidos pelo Hamas em Gaza e afirmou que o grupo palestino depende financeiramente de Doha.

Num discurso perante líderes judeus americanos no domingo, Netanyahu disse que deveria ser aplicada pressão sobre o Qatar, que desempenhou um papel fundamental na mediação da trégua de Novembro e na troca de reféns e prisioneiros entre Israel e o Hamas.

“O Catar pode pressionar o Hamas como ninguém mais pode. Eles hospedam líderes do Hamas. O Hamas depende deles financeiramente”, disse Netanyahu. “Peço que pressionem o Qatar para pressionar o Hamas porque queremos que os nossos reféns sejam libertados.”

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Catar, Majed Al-Ansari, disse que Doha “rejeita categoricamente as acusações vazias”.

“As recentes declarações do primeiro-ministro israelita, nas quais apela ao Qatar para que pressione o Hamas a libertar o [Israeli] os reféns nada mais são do que uma nova tentativa dele de atrasar e prolongar a guerra por razões que se tornaram claras para todos”, escreveu ele no X na segunda-feira.

“Rejeitamos categoricamente as acusações vazias feitas pelo primeiro-ministro israelita relativamente aos esforços do Qatar na reconstrução e na ajuda humanitária ao povo palestiniano em Gaza, retratando-os como financiadores do Hamas, que ele pessoalmente sabe que foram realizados em plena coordenação com Israel, os EUA, Egito, as Nações Unidas e todas as partes envolvidas”, disse Al-Ansari.

O primeiro-ministro do Catar, Sheikh Mohammed bin Abdulrahman bin Jassim Al Thani, disse no fim de semana que as negociações sobre um potencial cessar-fogo “não eram muito promissoras”.

O Xeque Mohammed, que também é ministro das Relações Exteriores, disse no sábado que não poderia dar detalhes sobre as negociações, mas, como aconteceu com acordos anteriores, havia dois elementos: as condições humanitárias em Gaza e o número de prisioneiros palestinos a serem libertados em troca da libertação. dos cativos israelenses.

Os Estados Unidos, o Qatar e o Egipto passaram semanas a tentar mediar a suspensão dos combates em Gaza e a libertação dos cativos, mas existe uma grande lacuna entre as exigências de Israel e do Hamas. O Catar disse no sábado que as negociações “não progrediram conforme o esperado”.

O Hamas disse que não libertará os reféns restantes sem que Israel ponha fim à guerra e retire as suas forças de Gaza. Exige também a libertação de centenas de palestinianos presos por Israel, incluindo combatentes de topo.

Netanyahu rejeitou publicamente as exigências e qualquer cenário em que o Hamas reconstruísse as suas capacidades militares e governativas. Ele disse que enviou uma delegação para negociações de cessar-fogo no Cairo na semana passada, a pedido do presidente dos EUA, Joe Biden, mas não vê sentido em enviar uma equipe novamente.

Numa entrevista à emissora pública Kan de Israel, o conselheiro de segurança nacional de Netanyahu, Tzachi Hanegbi, disse que a pressão militar e a adesão a uma linha estrita nas negociações poderiam levar o Hamas a abandonar as suas “exigências absurdas”.

Netanyahu também se opõe à criação de um Estado palestiniano, que os EUA consideram um elemento-chave para a normalização das relações entre Israel e a Arábia Saudita, peso-pesado regional.

Anteriormente, em Dezembro, Israel retirou os negociadores da Mossad do Qatar, após um impasse nas negociações. Israel acusou o Hamas de não cumprir a sua parte no acordo para prolongar a trégua de Novembro em Gaza.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *