Burkina Faso e Mali advertem contra intervenção militar no Níger


0

Os vizinhos do Níger dizem que qualquer intervenção para restaurar o presidente deposto Mohamed Bazoum será considerada uma ‘declaração de guerra’ contra eles.

Manifestantes aplaudem as tropas nigerianas enquanto se reúnem em frente à Embaixada da França.
Manifestantes aplaudem as tropas nigerianas enquanto se reúnem em frente à Embaixada da França em Niamey durante uma manifestação que se seguiu a uma manifestação em apoio ao governo militar do Níger [AFP]

Os governos militares de Burkina Faso e Mali alertaram que qualquer intervenção militar contra os líderes do golpe da semana passada no Níger seria considerada uma “declaração de guerra” contra suas nações.

Os vizinhos do Níger emitiram o alerta em declarações conjuntas lidas em suas emissoras nacionais na segunda-feira, dias depois que os líderes da África Ocidental ameaçaram usar a força para reintegrar o presidente deposto do Níger, Mohamed Bazoum.

“Os governos de transição de Burkina Faso e Mali expressam sua solidariedade fraterna… disse.

“Qualquer intervenção militar contra o Níger equivaleria a uma declaração de guerra contra o Burkina Faso e o Mali”, alertaram, acrescentando que tal movimento poderia resultar em “consequências desastrosas” que “poderiam desestabilizar toda a região”.

As autoridades militares de Burkina Faso e do Mali também disseram que “se recusam a aplicar” as “sanções ilegais, ilegítimas e desumanas contra o povo e as autoridades do Níger”.

O golpe no Níger em 26 de julho causou ondas de choque em toda a África Ocidental, colocando os ex-aliados ocidentais do país e órgãos regionais contra outros países da região.

Os líderes do golpe no Níger, que nomearam o general Abdourahamane Tchiani, ex-chefe da guarda presidencial, como chefe de Estado, disseram que derrubaram Bazoum devido à má governança e descontentamento com a maneira como ele lidou com ameaças à segurança de grupos ligados à Al-Qaeda e ISIS (ISIL). .

A tomada do poder – que marca o sétimo golpe militar em menos de três anos na África Ocidental e Central – atraiu a condenação imediata da União Africana, dos Estados Unidos, das Nações Unidas, da União Europeia e de outras potências.

O bloco regional CEDEAO impôs sanções, incluindo a suspensão de todas as transações financeiras e o congelamento de ativos nacionais. Também disse que poderia autorizar a força para reintegrar Bazoum, que observadores acreditam estar detido em sua casa na capital, Niamey.

Além de Burkina Faso e Mali, o presidente da Guiné, Mamady Doumbouya – cujo governo também foi resultado de um golpe – também expressou “desacordo com as sanções recomendadas pela CEDEAO, incluindo a intervenção militar”.

Em um post de mídia social segunda-feira, o gabinete de Doumbouya disse que as sanções “são opções que não seriam uma solução para o problema atual, mas levariam a um desastre humanitário cujas consequências poderiam se estender além das fronteiras do Níger”.

O gabinete de Doumbouya disse ainda ter “decidido não aplicar estas sanções, que considera ilegítimas e desumanas”, e exortou a CEDEAO a “reconsiderar a sua posição”.

As expressões de apoio de Burkina Faso, Mali e Guiné surgiram quando os militares do Níger tentaram consolidar seu golpe prendendo altos funcionários do governo deposto. O ministro das Minas, o ministro do Petróleo e o chefe do partido governante estavam entre os detidos na segunda-feira, de acordo com o partido PNDS de Bazoum.

Os líderes do golpe já haviam prendido o ministro do Interior, o ministro dos Transportes e um ex-ministro da Defesa, disse o partido.

Enquanto isso, uma autoridade dos EUA disse na segunda-feira que o golpe não foi totalmente bem-sucedido e que ainda havia uma oportunidade de restabelecer Bazoum, que foi o primeiro presidente do Níger a ser eleito democraticamente por meio de uma transição pacífica de poder.

A França, ex-governante colonial do Níger, e a Alemanha ecoaram esses comentários.

As primeiras fotos de Bazoum desde o golpe apareceram na noite de domingo, sentado em um sofá sorrindo ao lado do presidente do Chade, Mahamat Deby, que voou para mediar entre o governo e os militares.

Deby ainda não comentou publicamente sobre suas discussões em Niamey.

Mais cedo na segunda-feira, os líderes do golpe no Níger alegaram que o governo de Bazoum havia autorizado um ataque francês ao palácio presidencial, uma alegação que Paris negou.

Os sentimentos anti-franceses ajudaram a alimentar os protestos pró-golpe em andamento do lado de fora da embaixada de Paris em Niamey, onde os manifestantes podiam ser ouvidos gritando “Viva a Rússia” e “Abaixo a França”.

Observadores internacionais temem que a instabilidade no Níger possa criar uma oportunidade para organizações como o Wagner Group, uma empresa mercenária privada com sede na Rússia.

O líder de Wagner, Yevgeny Prigozhin, falou com aprovação sobre o golpe no fim de semana, dizendo que a situação estava fermentando há algum tempo.

“Os ex-colonizadores estão tentando manter o povo dos países africanos sob controle”, acrescentou em sua mensagem de áudio no aplicativo Telegram.

Suas declarações, no entanto, contrastam fortemente com as do Kremlin na Rússia, que chamou a situação no Níger de “motivo de séria preocupação”.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *