BRICS condena guerra de Israel a Gaza em sinal para o Ocidente


0

O grupo, que anteriormente se concentrou em questões económicas, apelou ao fim dos “crimes de guerra” no conflito de Gaza.

O presidente da China, Xi Jinping, e o presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, participam da mesa redonda de líderes China-África no último dia da Cúpula do BRICS
O presidente da China, Xi Jinping, e o presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, na Cúpula do BRICS em Joanesburgo, África do Sul, em 24 de agosto de 2023 [Alet Pretorius/Reuters]

Líderes das principais economias emergentes chamado pelo fim da guerra de Israel em Gaza na terça-feira, e pela cessação das hostilidades em ambos os lados para aliviar a crise humanitária que se deteriora rapidamente na Faixa de Gaza.

Numa cimeira virtual presidida pelo Presidente sul-africano Cyril Ramaphosa, o grupo BRICS denunciou os ataques a civis na Palestina e em Israel, com muitos líderes a chamarem a deslocação forçada de palestinianos, dentro de Gaza ou fora do território, de “crimes de guerra”.

“Condenamos qualquer tipo de transferência forçada e deportação individual ou em massa de palestinos de suas próprias terras”, dizia o resumo de um presidente. O grupo, que não emitiu uma declaração conjunta, também “reiterou que a transferência forçada e a deportação de palestinos, seja dentro de Gaza ou para países vizinhos, constituem graves violações das convenções de Genebra e crimes de guerra e violações do Direito Internacional Humanitário”.

Os BRICS são compostos pelo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, todas grandes economias emergentes que procuram ter mais voz numa ordem global há muito dominada pelos Estados Unidos e pelos seus aliados ocidentais. Estes países são frequentemente vistos como líderes daquilo que é referido na política internacional como o “Sul Global”.

Mas não foram apenas estes cinco países que falaram sobre a guerra na terça-feira. No início deste ano, os BRICS concordaram em expandir e adicionar o Egipto, a Etiópia, a Argentina, a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos e o Irão como membros a partir de 2024. Os líderes destes seis países também participaram na reunião convocada pela África do Sul. O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, também participou na cimeira.

O resumo da cadeira – em essência, uma essência do clima na sala – destaca os apelos crescentes do Sul Global para acabar com a guerra na Faixa de Gaza. O conflito começou após um ataque às comunidades israelitas, em 7 de Outubro, pelo grupo armado Hamas, que resultou na morte de 1.200 pessoas e na tomada de reféns por outras 240. Em resposta, Israel tem bombardeado incessantemente Gaza, tendo como alvo hospitais, escolas e campos de refugiados e matando mais de 13 mil pessoas, muitas delas crianças, em violação das leis internacionais.

Desde então, milhões de pessoas em África, na Ásia e no Médio Oriente marcharam por uma “Palestina Livre” e apelaram a um cessar-fogo. Especialistas em África e noutros lugares acusaram os Estados Unidos, o Reino Unido e a União Europeia de hipocrisia por alegarem ser bastiões da democracia e dos direitos humanos, ao mesmo tempo que apoiam a guerra de Israel em Gaza.

Uma ‘assertividade crescente’

Embora o resumo do presidente parecesse “suave e algo equilibrado”, de acordo com Steven Gruzd, analista do Instituto Sul-Africano de Assuntos Internacionais (SAIIA), alguns países foram mais combativos nas suas apresentações.

Na sua declaração de abertura da reunião, o actual presidente do BRICS, o Presidente Ramaphosa da África do Sul, disse que as acções de Israel “são uma clara violação do direito internacional” e que a “punição colectiva de civis palestinianos por parte de Israel” é um crime de guerra… equivalente ao genocídio”. Ramaphosa também disse que o Hamas “violou o direito internacional e deve ser responsabilizado”.

A posição da Índia foi comparativamente mais branda, com o Ministro dos Negócios Estrangeiros, Subrahmanyam Jaishankar, a dizer que havia “uma necessidade de contenção e apoio humanitário imediato”, bem como de “resolução pacífica através do diálogo e da diplomacia”.

Muitos dos Estados-membros, incluindo a Rússia e o Brasil, já criticaram anteriormente o bombardeamento ininterrupto de Israel e, agora, a invasão terrestre da Faixa de Gaza. A China, por sua vez, acolheu esta semana uma delegação de países, autoridades e organizações muçulmanas que procuram um cessar-fogo, incluindo a Autoridade Palestiniana (AP).

A Índia, porém, não tem sido tão veemente e, de facto, reprimiu as marchas pró-Palestina no seu país, aparentemente apoiando Israel e o seu maior benfeitor, os EUA, no que é visto como uma divisão dentro dos próprios BRICS.

Mas essa divisão não pareceu evidente na cimeira de terça-feira, que os especialistas dizem ser uma reunião inédita para um grupo que anteriormente se concentrava em questões económicas.

“Não tenho certeza se me lembro de uma cúpula extraordinária semelhante ter sido convocada”, disse Gruzd à Al Jazeera. “Reflecte na crescente assertividade e confiança do grupo BRICS, não esperando pelo Ocidente. Os BRICS têm geralmente evitado questões políticas e de segurança; esta reunião vai contra essa tendência.”

Juntos, os países BRICS representam 40% da população mundial e um quarto da economia global.

O presidente Ebrahim Raisi do Irão – arquiinimigo de Israel – disse que os palestinianos deveriam realizar um referendo para determinar seu destino.

Ainda assim, muitas nações do BRICS – e não apenas a Índia – estabeleceram laços com Israel que terão receio de romper.

A China tem enormes investimentos em Israel, observa Gruzd, enquanto a Índia tem laços históricos ainda mais profundos com o país e desfruta de parcerias militares e tecnológicas com ele. Mas com um Irão impetuoso prestes a juntar-se ao grupo, a Índia poderá não ser capaz de influenciar a forma como um novo BRICS+ reagirá a Israel, disse Gruzd.

A África do Sul, actualmente o menor país dos BRICS, e que viveu o regime opressivo do apartheid durante mais de quatro décadas, vê a sua própria luta reflectida na dos palestinianos e tem sido consistentemente um dos mais ruidosos apelos a um cessar-fogo, disseram analistas.

Ao mesmo tempo, é há muito tempo o maior parceiro comercial de Israel em África. Na terça-feira, essa relação parecia ter atingido um ponto de viragem.

Os membros do Parlamento votaram pelo encerramento da embaixada de Israel em Pretória, significando um ponto de viragem na crise. Diplomatas do país já tinham sido retirados de Israel no dia 6 de Novembro. Israel chamou de volta o seu embaixador na África do Sul, Eliav Belotserkovsky, para “consultas” na segunda-feira, em resposta à crescente hostilidade de Pretória.

Juntamente com o Bangladesh, a Bolívia, as Comores e o Djibuti, na semana passada, a África do Sul também apresentou um pedido ao Tribunal Penal Internacional (TPI) para investigar se foram cometidos crimes de guerra em Gaza.

Um ponto de viragem?

Na segunda-feira, o ministro sul-africano na Presidência, Khumbudzo Ntshavheni, aplicou mais pressão, pedindo um mandado do TPI contra o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, acrescentando que seria um “fracasso total” se o tribunal não investigasse o líder.

No início deste ano, a África do Sul conseguiu convencer a Rússia a não enviar o Presidente Vladimir Putin à Cimeira anual dos BRICS, em Agosto, devido a um mandado de prisão do TPI emitido contra ele por crimes de guerra cometidos na Ucrânia. Se Putin tivesse participado na cimeira na África do Sul, o país, signatário do TPI, teria sido obrigado a prendê-lo.

A posição dos BRICS de terça-feira, instigada pela África do Sul, poderá levar mais países a denunciarem a guerra, disse Muhammed Desai do Africa4Palestine, um grupo de defesa.

“A África do Sul é uma potência económica e política significativa no continente africano, bem como um país com um das maiores embaixadas e altos comissariados do mundo”, disse Desai. “Assim, a sua postura e posição têm influência na arena diplomática.”

Mas o peso político da coligação não é suficientemente significativo para ter qualquer impacto real na direcção da guerra de Israel, dizem outros. “Francamente, não creio que eles tenham muita influência direta sobre Israel”, disse Gruzd, da SAIIA. “Também não creio que isso terá muito efeito no Ocidente, além de aumentar as vozes que pedem um cessar-fogo.”

A sua influência está, no entanto, a crescer. Dezenas de nações candidataram-se ou demonstraram interesse em aderir aos BRICS, uma das principais razões para a expansão no início deste ano, à medida que os países procuram reduzir a sua dependência do sistema financeiro ocidental liderado pelos EUA.

Espera-se que a Rússia, que assumirá a presidência do grupo em 2024, pressione a utilização de moedas locais para pagamentos comerciais internacionais, em oposição ao dólar americano dominante.

Essa plataforma, dizem alguns, é necessária para que a voz do Sul Global seja ouvida. “Dentro da ordem mundial global, os BRICS oferecem outra voz”, disse Desai da Africa4Palestine, e “isso é necessário para contrariar a actual visão hegemónica ocidental”.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *