Biden diz que o ‘cessar-fogo’ Israel-Hamas é iminente: como seria um acordo?


0

Embora o Hamas queira um cessar-fogo permanente, Netanyahu não quer interromper a guerra até que o Hamas seja derrotado.

Na segunda-feira, o presidente dos EUA, Joe Biden, disse aos repórteres que espera um cessar-fogo na guerra de Israel contra Gaza até segunda-feira, 4 de março.

“Meu conselheiro de segurança nacional me disse que estamos perto. Estamos perto. Ainda não terminamos. Minha esperança é que na próxima segunda-feira tenhamos um cessar-fogo”, disse Biden em meio a negociações mediadas pelo Egito, Catar e Estados Unidos desde janeiro.

Como estão progredindo as negociações de trégua em Gaza?

Autoridades israelenses se reuniram com mediadores do Catar, Egito e EUA em Paris na sexta-feira. O Hamas, o grupo armado palestiniano, não esteve representado nessas conversações.

As negociações resultaram em uma estrutura para uma trégua potencial, juntamente com trocas de prisioneiros cativos com as quais Israel concordou, disseram fontes à Al Jazeera.

O conselheiro de segurança nacional dos EUA, Jake Sullivan, disse que Israel e os mediadores “chegaram a um entendimento” sobre os termos básicos de um acordo.

Espera-se que uma delegação militar israelita voe para o Qatar para conversações mais intensas nos próximos dias. O Qatar tem estado na vanguarda dos esforços de mediação, incluindo Israel, Hamas e outras nações – incluindo os EUA – para ajudar a garantir mais ajuda para Gaza no meio da guerra e para conseguir um cessar-fogo.

O que está em jogo?

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, declarou planos para lançar um ataque militar a Rafah, a área urbana mais a sul da faixa, onde 1,4 milhões de palestinianos estão abrigados e à beira da fome. A maioria deles são deslocados internos, tendo fugido das suas casas para escapar aos bombardeamentos de Israel e às invasões terrestres no resto de Gaza.

Enquanto se aproxima uma incursão terrestre em Rafah, os ataques aéreos começaram em 8 de Fevereiro e atingiram áreas residenciais, matando civis na cidade que faz fronteira com o Egipto. Em 21 de Fevereiro, a mesquita al-Faruq em Rafah foi arrasada por ataques aéreos israelitas.

Os ataques israelenses mataram cerca de 3.523 palestinos em Gaza no mês passado, de acordo com o Ministério da Saúde palestino. Quase 30 mil palestinos foram mortos desde o início da guerra, em 7 de outubro do ano passado, e outros milhares foram enterrados sob os escombros e presumivelmente mortos.

As agências humanitárias e os aliados ocidentais de Israel estão a pressionar Israel a conter uma invasão total de Rafah por medo de uma catástrofe humanitária.

Israel enfrenta ainda mais pressão de dois processos judiciais apresentados no Tribunal Internacional de Justiça (CIJ). Um deles, apresentado pela África do Sul, acusa directamente Israel de cometer genocídio em Gaza, enquanto o outro procura esclarecimentos jurídicos sobre o estado da ocupação dos territórios palestinianos por Israel.

O caso de genocídio da África do Sul contra Israel resultou na emissão pelo TIJ de um conjunto de medidas provisórias no mês passado, incluindo ordens para Israel cessar todos os actos genocidas e tomar todas as acções possíveis para garantir que não sejam cometidos actos genocidas. A Human Rights Watch divulgou um comunicado na segunda-feira dizendo que Israel não está cumprindo as medidas.

O Ramadã, o mês sagrado durante o qual os muçulmanos observam o jejum durante o dia, provavelmente começará em 10 de março. Os países árabes expressaram temores de que a continuação dos combates durante o Ramadã leve a mais conflitos na região. “O Ramadão está a aproximar-se e houve um acordo por parte dos israelitas de que não se envolveriam em atividades também durante o Ramadão, a fim de nos dar tempo para retirar todos os reféns”, disse Biden.

O que cada lado está exigindo?

O Hamas quer que todos os palestinianos deslocados possam regressar às suas casas em Gaza. Além disso, o Hamas quer que mais ajuda humanitária seja autorizada a entrar em Gaza, juntamente com um plano de reconstrução para construir ou reparar infra-estruturas destruídas ou danificadas pelo bombardeamento israelita.

Uma fonte disse à Al Jazeera que Israel disse que permitirá o regresso gradual das pessoas deslocadas ao norte da Faixa de Gaza, com exceção “daqueles em idade de serviço militar”. Israel também aceitou o pedido do Hamas para que mais ajuda fosse permitida na faixa.

Israel exige a desmilitarização total da Faixa de Gaza. Isto significa que o Hamas teria de se desarmar, uma condição que seria altamente improvável que o grupo aceitasse.

Um acordo implicaria um cessar-fogo total?

Israel e o Hamas discordam fundamentalmente sobre as condições exigidas para um cessar-fogo.

O Hamas quer um cessar-fogo permanente sob o qual Israel retirará as suas forças de Gaza. No entanto, Netanyahu afirmou que não quer pôr fim à campanha militar de Israel até que uma “vitória total” seja assegurada sobre o Hamas, para o qual uma invasão de Rafah é considerada fundamental.

O primeiro-ministro israelita exige que Israel mantenha um controlo aberto sobre a segurança e os assuntos civis de Gaza após a guerra. Ele também quer escolher autoridades palestinas para governar a Faixa. As autoridades palestinas rejeitaram a visão pós-guerra de Netanyahu para Gaza.

Ao contrário do Hamas, que pretende um cessar-fogo permanente, Israel está pronto a aceitar uma “paragem temporária” dos combates durante uma troca de prisioneiros. A mídia israelense citou autoridades falando sobre uma trégua de seis semanas durante o Ramadã.

E quanto a outra troca de prisioneiros cativos?

Israel ofereceu-se para libertar 400 prisioneiros palestinianos, incluindo alguns daqueles com penas longas, em troca da libertação de 40 prisioneiros israelitas. O Hamas inicialmente exigiu uma libertação em grande escala dos prisioneiros palestinos.

Cerca de 130 prisioneiros, capturados pelo Hamas em 7 de Outubro durante o seu ataque ao sul de Israel, permanecem em Gaza.

O que aconteceu durante a trégua em novembro?

Um acordo de trégua em Novembro levou a uma pausa de uma semana nos combates, durante a qual o Hamas libertou 105 prisioneiros e Israel libertou 240 prisioneiros palestinianos. Embora o acordo fosse originalmente para uma pausa de quatro dias, foi prorrogado duas vezes.

O gabinete humanitário da ONU, OCHA, informou que, apesar da pausa nos combates naquela altura, as forças israelitas dispararam contra palestinianos no norte de Gaza em 29 de Novembro, matando duas pessoas. Também bombardearam pessoas na Cidade de Gaza e na costa de Gaza, no sul, em 30 de Novembro.

Assim que a trégua terminou, em 1 de dezembro, Israel retomou os ataques aéreos a Gaza e ordenou aos residentes de Khan Younis, no centro de Gaza, que evacuassem mais para sul.

INTERATIVO - A Faixa de Gaza sitiada não tem para onde ir-1696766807


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *