Assembleia Geral da ONU vota esmagadoramente a favor do cessar-fogo em Gaza


0

Os EUA e Israel estiveram entre os poucos votos contra a resolução não vinculativa que apela ao fim dos combates.

Palestinos verificam a destruição após o bombardeio israelense em Rafah, no sul da Faixa de Gaza, em 12 de dezembro
Palestinos examinam a destruição após o bombardeio israelense em Rafah, parte do sul da Faixa de Gaza, em 12 de dezembro [Mohammed Abed/AFP]

A Assembleia Geral das Nações Unidas (AGNU), composta por 193 membros, votou esmagadoramente a favor de uma resolução que apela a um cessar-fogo humanitário na Gaza devastada pela guerra.

A resolução de terça-feira foi aprovada com 153 países votando a favor, 23 abstenções e 10 países votando contra, incluindo Israel e os Estados Unidos. Embora a resolução não seja vinculativa, serve como um indicador da opinião global.

INTERATIVO - Votação da AGNU exige cessar-fogo imediato-1702442981
(Al Jazeera)

“Agradecemos a todos aqueles que apoiaram o projecto de resolução que acaba de ser adoptado por uma grande maioria”, disse o embaixador da Arábia Saudita na ONU, Abdulaziz Alwasil, em comentários após a votação. “Isto reflecte a posição internacional de apelar à aplicação desta resolução.”

A votação ocorre num momento em que aumenta a pressão internacional sobre Israel para pôr fim ao seu ataque de meses a Gaza, onde mais de 18 mil palestinos foram mortos, a maioria deles mulheres e crianças. Mais de 80 por cento dos 2,3 milhões de residentes de Gaza também foram deslocados.

Os ataques aéreos implacáveis ​​e um cerco israelita criaram condições humanitárias no território palestiniano que os responsáveis ​​da ONU chamaram de “inferno na terra”. A ofensiva militar israelita restringiu severamente o acesso a alimentos, combustível, água e electricidade na Faixa de Gaza.

A votação de terça-feira surge na sequência de uma resolução falhada no Conselho de Segurança da ONU (CSNU) na sexta-feira, que também apelava a um cessar-fogo humanitário.

Os EUA vetaram a proposta, lançando o único voto dissidente e condenando assim a sua aprovação. O Reino Unido, entretanto, absteve-se. Ao contrário dos votos da AGNU, as resoluções do CSNU têm o poder de serem vinculativas.

Após a resolução frustrada do Conselho de Segurança da ONU de sexta-feira, o Secretário-Geral da ONU, Antonio Guterres, tomou a medida extraordinária de invocar o Artigo 99 da Carta da ONU, que lhe permite emitir alertas sobre ameaças graves à paz internacional. A última vez que foi usado foi em 1971.

Mas a aprovação da resolução não vinculativa da AGNU na terça-feira também enfrentou oposição dos EUA.

Tanto os EUA como a Áustria introduziram alterações à resolução para condenar o ataque mortal do Hamas em 7 de Outubro, que marcou o início do actual conflito.

A correspondente da Al Jazeera, Kristen Saloomey, disse que os países árabes viram estas alterações como um esforço para politizar a votação. Ambos não conseguiram passar.

“O que ouvimos de muitos países é que a credibilidade das Nações Unidas está em jogo aqui, que o respeito pelo direito internacional exige respeito pelos esforços humanitários”, disse Saloomey.

O Embaixador Egípcio na ONU, Osama Abdelkhalek, chamou o projecto de resolução de “equilibrado e neutro”, observando que apelava à protecção dos civis de ambos os lados e à libertação de todos os cativos.

O enviado de Israel, Gilad Erdan, criticou os apelos por um cessar-fogo, chamando a ONU de “mancha moral” na humanidade.

“Por que vocês não responsabilizam os estupradores e assassinos de crianças?” ele perguntou em um discurso antes da votação. “Chegou a hora de colocar a culpa onde ela pertence: sobre os ombros dos monstros do Hamas.”

A administração do presidente dos EUA, Joe Biden, apoiou firmemente a campanha militar de Israel, argumentando que deve ser permitido desmantelar o Hamas.

Mas à medida que as forças israelitas destroem bairros inteiros, incluindo escolas e hospitais, os EUA encontram-se cada vez mais em desacordo com a opinião internacional.

Em comentários de terça-feira, no entanto, Biden intensificou as suas críticas ao aliado dos EUA, dizendo que Israel estava a perder apoio internacional devido ao “bombardeio indiscriminado” em Gaza.

Os EUA, que criticaram fortemente a Rússia por ações semelhantes na Ucrânia, foram acusados ​​de empregar dois pesos e duas medidas em matéria de direitos humanos.

“A cada passo, os EUA parecem mais isolados da opinião dominante da ONU”, disse à Reuters Richard Gowan, diretor da ONU no International Crisis Group, uma ONG.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *