Análise: O que os convites do BRICS significam para o Oriente Médio?


0

A Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos procuram equilibrar as relações entre o Oriente e o Ocidente, enquanto o Irão e o Egipto procuram beneficiar financeiramente.

O presidente da China, Xi Jinping, e o presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, participam da mesa redonda de líderes China-África no último dia da Cúpula do BRICS
BRICS é formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul [Alet Pretorius/Pool/Reuters]

Numa era de multipolaridade emergente, o movimento do grupo BRICS para expandir o seu número de membros não deveria surpreender – com a região do Médio Oriente e Norte de África (MENA) não isenta de uma possível ordem mundial em mudança.

O BRICS é formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, e é visto como contrapeso ao G7 (Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos).

Quatro dos seis convites do BRICS, recebidos na quinta-feira durante a final da cimeira do grupo na África do Sul, foram entregues a países do MENA: Arábia Saudita, Irão, Egipto e Emirados Árabes Unidos.

O alargamento assenta no desejo do grupo de nivelar um campo de jogo global que considera manipulado contra si.

O bloco convidará em breve mais membros escolhidos pela sua importância geopolítica e não ideológica, disse o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, no mesmo dia, sugerindo que as suas seleções MENA também se basearam no aumento da influência do grupo.

Equilíbrio através do BRICS

Os Emirados Árabes Unidos já aceitaram a oferta do bloco. Espera-se que o Irão e o Egipto também aceitem os seus convites, provavelmente impulsionados por interesses financeiros, disseram analistas.

A Arábia Saudita, no entanto, ainda está a ponderar a proposta, mas é provável que esteja a bordo, uma vez que procura equilibrar a sua relação com os Estados Unidos ao lado de potências emergentes como a China, previram analistas.

Segundo analistas, a aliança férrea do reino com os EUA já se afrouxou em diversas frentes; a sua entrada nos BRICS seria outro desmoronamento – mas ainda longe de acabar com os laços.

“Riade avaliará primeiro a reação de Washington e considerará quaisquer ofertas das delegações que [US President Joe] Biden enviará para Riad, antes de prosseguir com a aceitação do convite”, disse Sami Hamdi, diretor-gerente da International Interest, uma empresa de risco político com foco no Oriente Médio, à Al Jazeera.

Ainda assim, a Arábia Saudita, já líder regional, também tem um impulso ambicioso para se tornar um peso pesado a nível mundial, uma ambição para a qual laços mais profundos com a China são igualmente importantes, de acordo com Michelle Grise, investigadora política sénior da RAND Corporation.

Os EAU, outro aliado dos EUA, partilham igualmente este interesse no equilíbrio, disse ela.

“A adesão ao BRICS oferece um caminho para a Arábia Saudita e os EAU equilibrarem as suas respectivas relações com os Estados Unidos com os seus interesses no aprofundamento dos laços económicos com a China”, disse Grise à Al Jazeera.

A entrada da dupla dificilmente seria um reflexo de um posicionamento antiocidental, argumentou Hamdi.

“Não creio que isso signifique que eles se tornaram antiocidentais”, disse ele. “Em vez disso, reflecte até que ponto estes aliados ocidentais ficaram desiludidos com o Ocidente e a sensação crescente de que o Ocidente já não está comprometido com os seus interesses e segurança.”

Os EUA têm defendido abertamente a redução da sua presença na região, um novo impulso para os pesos pesados ​​do Golfo diversificarem as relações, disse Hamdi.

“Há uma sensação de que dada [that] o Ocidente já não dá prioridade a estes aliados, a diversificação das relações e a procura de pólos, blocos e órbitas adicionais tornou-se um imperativo político e económico existencial”, explicou Hamdi.

Novos parceiros económicos, novas políticas petrolíferas?

Entretanto, o Irão, com as suas já fracas relações com muitos países ocidentais, aproveitou a oportunidade do seu convite aos BRICS para argumentar que a ordem internacional liderada pelos EUA está a entrar em colapso.

“A expansão dos BRICS mostra que a abordagem unilateral está em vias de decair”, disse a rede de televisão iraniana de língua árabe Al Alam, citando o presidente do Irão, Ebrahim Raisi.

O Irão apoiou os esforços dos BRICS para abandonar a dependência do dólar americano. O domínio americano do sistema financeiro global tem sido particularmente preocupante para o Irão, uma vez que a sua economia tem lutado sob o peso das sanções dos EUA.

A sua entrada no bloco foi, portanto, “uma tendência mais ampla do Irão que procura reforçar os seus laços económicos e militares com potências não ocidentais”, disse Grise.

“Penso que isto também é uma prova de que o Irão está à procura de parceiros económicos onde os possa encontrar – provavelmente por necessidade, dadas as sanções contínuas”, acrescentou.

Hamdi disse que a entrada do Irão ao lado dos Emirados Árabes Unidos e da Arábia Saudita “terá grandes consequências no comércio e na política petrolífera”, uma vez que são todos grandes produtores de petróleo.

“Com estas adições, os BRICS tornaram-se um bloco com influência potencialmente significativa no petróleo global e nos mecanismos financeiros com os quais o petróleo é comercializado”, disse ele.

Diferenças regionais, não importa

Embora a região MENA esteja a sofrer um acerto de contas com o estabelecimento de melhores laços bilaterais entre vários países com relações anteriormente fracas, as diferenças permaneceram. No entanto, analistas disseram que a entrada dos quatro países MENA atrapalha a cooperação dentro do bloco.

“No último ano, vimos os EAU restaurarem as suas relações diplomáticas com o Irão, e depois uma reaproximação entre a Arábia Saudita e o Irão – e essas mudanças tornaram possível imaginar um cenário em que todos os três países fazem parte dos BRICS, — disse Grise.

De acordo com Hamdi, a Arábia Saudita, os EAU e o Irão há muito que deixaram de lado as diferenças colectivas como membros da OPEP e, portanto, poderão fazer o mesmo também no bloco BRICS.

“Embora as suas diferenças possam complicar os processos de tomada de decisão, é pouco provável que prejudiquem as operações do bloco”, disse Hamdi.

Ayham Kamel, chefe da equipa de investigação do Grupo Eurásia para o Médio Oriente e Norte de África, concordou que é pouco provável que as questões regionais sejam o foco e seriam desvantajosas no que de outra forma seria um acordo benéfico para a região.

“De uma só vez, a região do Médio Oriente e Norte de África poderia ter quatro membros numa organização BRICS alargada”, disse Kamel à Al Jazeera. “Isso aumentará estruturalmente sua alavancagem.”

Uma região fortalecida abriria ainda mais o caminho para um mundo multipolar, de acordo com Trita Parsi, vice-presidente do Quincy Institute for Responsible Statecraft.

“À medida que o mundo se afasta da unipolaridade, os EUA também perdem a sua capacidade de agir como guardiões”, disse ele à Al Jazeera. “Nenhum Estado pode mais decidir quem está na Comunidade das Nações e quem é pária.”


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *