Acordo de cessar-fogo de Gaza com Israel ainda não foi fechado, diz alto funcionário do Hamas


0

O alto funcionário Basem Naim diz que há “espaço para flexibilidade”, mas o Hamas quer a garantia de um cessar-fogo total e a retirada das tropas israelitas.

Palestinos deslocados em Rafah
Palestinos em Rafah passam pelos escombros de uma casa destruída por um ataque israelense, em meio à guerra em curso em Gaza [File: Saleh Salem/Reuters]

Um alto funcionário do grupo palestino Hamas diminuiu as esperanças de um acordo de cessar-fogo imediato com Israel, dizendo que ainda havia um longo caminho a percorrer antes que um acordo pudesse ser garantido.

“A diferença ainda é grande. Temos que discutir muitos pontos com os mediadores”, disse Basem Naim, chefe de relações políticas e internacionais do Hamas, à Al Jazeera de Istambul na quarta-feira.

Isto acontece depois de o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, ter dito que espera ter um cessar-fogo na guerra de Israel contra Gaza até à próxima segunda-feira, com as negociações parecendo ter ganho ritmo.

No entanto, Naim disse que a postura optimista da administração Biden não está “relacionada com a realidade no terreno” e tem mais a ver com considerações políticas internas num ano eleitoral nos EUA.

“Se os americanos querem ser realmente optimistas, têm de acabar com o seu jogo de padrões duplos”, disse ele.

“Eles falam, por um lado, em parar a agressão ou em conseguir um cessar-fogo e evitar alargar o conflito à região. Mas, ao mesmo tempo, estão a usar o veto no Conselho de Segurança da ONU”, disse Naim. “Eles estão aprovando 14 mil milhões de dólares para Israel, estão a garantir Israel com mais munições.”

Naim já havia dito à Al Jazeera na noite de terça-feira que o Hamas ainda não havia recebido uma proposta oficial de trégua, mas que os meditadores estavam trabalhando com o lado israelense para consolidar uma.

Embora o Hamas estivesse disposto a ser flexível em alguns aspectos de um potencial acordo, não o faria à custa dos seus “principais objectivos estratégicos”, disse Naim.

Ele disse que as exigências inegociáveis ​​do grupo palestino incluem: Um cessar-fogo final e total, e não apenas uma pausa humanitária; a retirada total das forças israelitas de Gaza; e liberdade de movimento dos palestinos em Gaza.

Naim disse que o Hamas está disposto a ser flexível no momento e na sequência das suas exigências, desde que o cessar-fogo total comece no primeiro dia da implementação de qualquer acordo.

‘Espaço para flexibilidade’

No que diz respeito à troca de prisioneiros e cativos e aos planos para a reconstrução de Gaza, “há algum espaço para flexibilidade”, acrescentou Naim.

“O Hamas demonstrou grande flexibilidade desde o início para conseguir um cessar-fogo porque sabemos que cada dia adicionado a este massacre significa mais 100 a 150 civis palestinianos mortos”, disse o responsável.

“As pessoas na parte norte de Gaza estão a morrer de fome. Sabemos exatamente o que isso significa. Nossas famílias ainda estão lá.”

Naim disse que o Hamas também procura fiadores como o Egipto, o Qatar, a Turquia, as Nações Unidas, os EUA e a Rússia para garantir e verificar se qualquer acordo é mantido por Israel.

Entretanto, na quarta-feira, o chefe do Hamas, Ismail Haniyeh, disse que o grupo estava pronto para continuar a lutar se necessário, mesmo que demonstrasse flexibilidade nas negociações com Israel.

Falando de Beirute, apelou à coligação política e militar liderada pelo Irão, conhecida como o “eixo da resistência”, para intensificar o seu apoio a Gaza através de influência política, dinheiro e armas.

“É dever das nações árabes e islâmicas tomar a iniciativa de acabar com a conspiração da fome em Gaza”, disse Haniyeh, referindo-se ao que os palestinos dizem parecer ser uma política deliberada de Israel para negar-lhes alimentos, impedindo a ajuda humanitária de chegar. em Gaza.

Haniyeh acrescentou que Israel está a cometer as piores atrocidades conhecidas pela humanidade, incluindo o extermínio e a deslocação de civis, e que qualquer flexibilidade demonstrada nas negociações com Israel deve ser acompanhada pela vontade do seu grupo de defender o povo palestiniano.

O líder do Hamas apelou aos palestinos para marcharem sobre a mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém Oriental ocupada, no primeiro dia do Ramadã, que provavelmente será em 10 de março, em protesto contra as contínuas restrições impostas por Israel ao acesso dos palestinos ao local sagrado muçulmano. .

“O cerco de Al-Aqsa e o cerco de Gaza são a mesma coisa”, disse Haniyeh.

Desde 7 de Outubro, a guerra de Israel contra Gaza matou quase 30 mil pessoas – a maioria delas mulheres e crianças – e deslocou a maior parte da população da faixa sitiada. Cerca de 1,5 milhões estão abrigados na cidade de Rafah, na fronteira com o Egipto, enquanto Israel ameaça uma invasão terrestre no local.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *