A mobilização russa mudará o curso da guerra na Ucrânia?


0

A convocação de guerra da Rússia ocorre em um momento em que as tropas sofrem perdas no campo de batalha e em meio a planos de anexar mais território ucraniano.

Uma menina ucraniana fica em um portão com buracos criados por estilhaços perto de sua casa, enquanto o ataque da Rússia à Ucrânia continua, na aldeia de Savyntsi, recentemente libertada pelas Forças Armadas Ucranianas, na região de Kharkiv, Ucrânia 21 de setembro de 2022. REUTERS/Gleb Garanich
Uma menina ucraniana fica em frente a um portão com buracos criados por estilhaços perto de sua casa, em Savyntsi, na região de Kharkiv – uma vila recentemente libertada pelas Forças Armadas da Ucrânia [Gleb Garanich/Reuters]

Kyiv, Ucrânia – Testados em batalha e determinados a vencer, os soldados ucranianos consideram a chegada iminente de dezenas de milhares de russos mobilizados uma ameaça menor.

“Seus ataques serão agressivos, mas não perigosos”, disse um militar, que passou vários meses na linha de frente da região sul de Mykolaiv, à Al Jazeera.

Os analistas estão um pouco mais cautelosos.

Na quarta-feira, em um discurso televisionado, o presidente russo, Vladimir Putin, anunciou a mobilização de 300.000 homens para “proteger nossa pátria, sua soberania e integridade territorial e garantir a segurança de nosso povo e do povo nos territórios libertados” da Ucrânia.

Mas o número real daqueles a serem mobilizados é de um milhão de homens, afirmou o Novaya Gazeta Europe, a versão exilada do mais antigo diário independente da Rússia, na quinta-feira, citando um decreto ultrassecreto e uma fonte do governo Putin. O Kremlin negou este relatório.

A mobilização parcial segue o inesperado sucesso da contra-ofensiva da Ucrânia na região leste de Kharkiv, que foi quase totalmente libertada das tropas russas no início deste mês.

E as forças ucranianas estão prontas para contra-atacar em mais três direções, dizem os observadores.

Um está na região de Luhansk, ao sul de Kharkiv, onde a contra-ofensiva se concentrará ao longo do estratégico rio Siverskyi Donets.

Batalhas ferozes com pesadas perdas ocorreram lá no verão, depois que Moscou retirou suas forças de quatro regiões do norte e da capital, Kyiv.

A segunda direção está na região sudeste de Zaporizhzhia, ao redor da cidade de Hulyaipole, de onde os ucranianos podem se infiltrar nas áreas ocupadas pela Rússia e dividi-las.

E a terceira é a região sul de Kherson, uma entrada para a península anexa da Crimeia que foi ocupada no início de março, possivelmente devido à traição de autoridades ucranianas.

Se a contra-ofensiva ucraniana ocorrer nos próximos dias, a Rússia não terá tempo para treinar e mobilizar as tropas recém-mobilizadas.

As forças russas “terão que usar [the mobilised troops] para formar uma segunda linha de defesa a cerca de 100 km (60 milhas) de distância da linha de frente atual”, disse Nikolay Mitrokhin, especialista em Rússia da Universidade de Bremen, na Alemanha, à Al Jazeera.

Os russos terão que reabastecer seus batalhões que têm um “enorme déficit” de mão de obra devido a perdas pesadas e desanimadoras nos últimos seis meses, disse ele.

“Se até meados de outubro as forças ucranianas puderem romper as linhas de frente em pelo menos duas direções e avançar por pelo menos 50 km, elas darão um duro golpe nas forças russas que aumentará a mobilização”, disse Mitrokhin.

Como resultado, a perda inevitável de veículos blindados e artilharia impedirá fortemente a revitalização do poderio militar da Rússia nas áreas ocupadas, disse ele.

Mas se não houver um avanço ucraniano bem-sucedido, os russos poderão restaurar a prontidão de combate de muitas unidades da linha de frente.

“Isso não significa que eles estarão prontos para atacar, mas eles podem manter a linha de frente”, disse Mitrokhin.

‘Vamos enfrentar ataques’: separatistas

Separatistas pró-Rússia no sudeste da Ucrânia estão longe de ser otimistas sobre a iminente contra-ofensiva ucraniana.

“Enfrentaremos ataques de todos os lados, e seu objetivo será desequilibrar e nos separar”, disse Aleksandr Khodakovsky, que comanda o Batalhão Leste de separatistas pró-Rússia na região sudeste de Donetsk, no Telegram na quinta-feira.

“Não somos dinâmicos, agimos com inércia, e muito do que dizemos muitas vezes contradiz o que fazemos”, disse ele, referindo-se às declarações arrogantes do Kremlin e dos líderes separatistas sobre a “libertação” da Ucrânia.

Embora o anúncio de “mobilização parcial” de Putin tenha se tornado notícia de primeira página em todo o mundo, a Rússia já estimulou o recrutamento, segundo grupos de direitos humanos, figuras da oposição e relatos da mídia.

Recém-alistas, a maioria adolescentes recrutas foram pressionados a se inscrever para o serviço de linha de frente.

Homens mais velhos com experiência militar anterior foram atraídos com promessas de altos salários e enormes compensações em caso de morte.

Milhares de presos foram recrutados de prisões em toda a Rússia para se juntar ao exército privado de Wagner liderado pelo oligarca Yevgeny Prigozhin, apelidado de “cozinheiro de Putin”.

“Eles já estão fazendo uma mobilização parcial e só a legitimaram agora, têm mais direitos para fazê-lo à força”, disse o tenente-general Ihor Romanenko, ex-vice-chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas da Ucrânia, à Al Jazeera.

Mas a mobilização resultará inquestionavelmente em um atoleiro logístico e financeiro.

“Os 300.000 terão que ser armados e abastecidos de alguma forma, e isso é questionável”, disse ele.

E a qualidade dos novos recrutas estará a anos-luz de distância dos 170.000 militares experientes que Moscou usou para invadir a Ucrânia em fevereiro, após um ano de intenso treinamento e formação de equipes.

O Kremlin, portanto, usará o modelo arcaico de ataques maciços que envolvem grandes quantidades de militares – e perdas gigantescas.

Esta é a tática que o líder soviético Josef Stalin usou contra a Alemanha nazista e seus aliados durante a Segunda Guerra Mundial. Isso levou à maior perda de pessoal militar e população civil da história – 27 milhões de pessoas.

“Eles vão recorrer à velha maneira russa de usar o princípio de gang-up, usando quantidade [of servicemen]porque a qualidade é problemática”, disse Romanenko.

A Ucrânia terá que compensar o aumento quantitativo acelerando suas contra-ofensivas, realizando ataques preventivos ao longo da linha de frente de 2.700 km de comprimento (1.677 milhas), especialmente o trecho de guerra ativa de 1.000 km (620 milhas), disse ele. .

Contra-ofensivas bem-sucedidas semelhantes à de Kharkiv podem até causar distúrbios na Rússia e derrubar o governo de Putin, disse Romanenko.

“Se houver um par de tais [counteroffensives]a quantidade se tornará qualidade e iniciará um efeito dominó que destruirá Putin e todo o seu círculo”, disse ele.

Aviões e estrangeiros

O anúncio de Putin criou uma sensação de pânico entre os homens russos, que correram para comprar passagens de avião, fazendo os preços dispararem.

A fuga apressada continua o êxodo de centenas de milhares de russos de classe média que se seguiram ao início da guerra em fevereiro.

Muitas famílias russas que podem pagar uma mudança no exterior já protegeram seus filhos.

“Não vamos voltar, não vou arriscar a vida deles”, disse a mãe de dois filhos de 17 e 21 anos, que se mudaram para Montenegro em julho, à Al Jazeera. “É melhor eles serem pobres e vivos aqui do que heróis mortos em casa.”

Além da mobilização de cidadãos russos, o Kremlin procura recrutar estrangeiros com promessas de cidadania russa, o santo graal de milhões de trabalhadores migrantes das ex-repúblicas soviéticas.

A medida visa principalmente cidadãos da Ásia Central ex-soviética, o maior grupo de trabalhadores migrantes que sofrem com a polícia corrupta e problemas burocráticos que podem ser resolvidos assim que obtiverem um passaporte russo cor de vinho.

Fortemente influenciados pelo Kremlin e pela nostalgia de seus pais pela era soviética, alguns já estão prontos para se voluntariar.

No início de agosto, Jahongir Jalolov, um líder comunitário uzbeque na região de Perm, nos Montes Urais, teve a ideia de criar um batalhão de uzbeques pró-Rússia.

“Nós vivemos e trabalhamos na Rússia. Não precisamos apenas, devemos justificar o pão que estamos comendo”, disse ele ao lado de uma bandeira russa e se dirigindo a várias dezenas de uzbeques que saudaram seu discurso com uma ovação.

Após o anúncio de mobilização de Putin, notáveis ​​uzbeques iniciaram uma campanha online pedindo a seus compatriotas que não fossem recrutados e lembrando-os sobre uma possível perseguição criminal em casa por se tornarem “mercenários”.

“Ouvindo o ‘czar branco’, percebi que os uzbeques têm todas as chances de participar legalmente dessa guerra suicida”, disse Timur Numanov, um blogueiro da capital uzbeque, Tashkent, à Al Jazeera.

“Hoje, deve haver um chamado … para instar as autoridades a denunciar os tratados de aliança uzbeque-russa porque o [Russian] lado é inadequado”, disse ele.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *