O ex-presidente da Coreia do Sul, Park, é libertado após quase 5 anos de prisão


0

Park deixa um hospital de Seul, onde ficou desde o mês passado para tratamento médico, depois que oficiais de correção entregaram uma carta de perdão.

A prisão do desgraçado presidente dividiu a Coreia do Sul, com grupos de direita pró-Park organizando manifestações semanais para denunciar Moon e suas políticas e pedir a libertação de Park, até que as regras de distanciamento do COVID-19 sufocaram os comícios no ano passado [Kim Hong-Ji/Reuters]

O ex-presidente sul-coreano Park Geun-hye foi libertado da prisão na sexta-feira, quase cinco anos depois de ser condenado por corrupção, alimentando o debate sobre se ela desempenharia algum papel antes das eleições presidenciais de março.

Park, 69, foi o primeiro líder democraticamente eleito do país a ser destituído do cargo quando o Tribunal Constitucional manteve uma votação parlamentar em 2017 para impugná-la por um escândalo que também levou à prisão dos chefes de dois conglomerados, Samsung e Lotte.

O tribunal superior da Coreia do Sul manteve em janeiro uma sentença de prisão de 20 anos imposta depois que Park foi considerado culpado de conluio com uma amiga, que também está na prisão, para receber dezenas de bilhões de won das empresas, principalmente para financiar a família de sua amiga e não – fundações lucrativas.

O presidente Moon Jae-in concedeu um perdão especial a Park na semana passada, citando sua saúde deteriorada e expressando esperança de “superar a infeliz história passada e promover a unidade nacional”.

As emissoras mostraram Park deixando um hospital de Seul, onde ela havia ficado desde o mês passado para tratamento médico, depois que oficiais de correção entregaram uma carta de perdão à meia-noite.

Ela não fez comentários, mas seu advogado disse que Park, filha de um ex-governante militar, pediu desculpas por causar preocupação pública e agradeceu a Moon por tomar uma “decisão difícil”.

A libertação de Park ocorre em um momento em que seu antigo partido, o principal partido conservador da oposição, o Partido do Poder do Povo, e o Partido Democrático de Moon, estão em uma disputa presidencial acirrada.

Sua prisão dividiu o país, com grupos de direita pró-Park organizando manifestações semanais para denunciar Moon e suas políticas e pedir a libertação de Park, até que as regras de distanciamento do COVID-19 sufocaram os comícios no ano passado.

Centenas de apoiadores de Park enfrentaram temperaturas congelantes para irem ao hospital, onde ela ficou até tarde na quinta-feira para comemorar sua libertação, com mais de 1.000 buquês de flores chegando.

Cerca de 200 pessoas protestaram contra sua libertação no centro de Seul, informou a agência de notícias Yonhap.

Não ficou claro se Park retomaria qualquer atividade política, mas ela disse em um livro de memórias divulgado na quinta-feira que sua convicção foi politicamente motivada e ela expressou esperança de “encontrar o povo novamente um dia”.

O candidato presidencial do People Power, Yoon Suk-yeol, que investigou o escândalo de Park como procurador-geral, disse na sexta-feira que havia feito seu trabalho como servidor público, acrescentando que gostaria de visitar Park quando sua saúde melhorasse.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *