Lançamentos de mísseis da Coreia do Norte demonstram capacidade crescente


0

A Coreia do Norte lançou mais de 60 mísseis este ano. Aqui estão alguns dos principais recursos que está desenvolvendo.

ICBM Hwasong-17 da Coreia do Norte em um desfile militar em Pyongyang, Coreia do Norte, em abril de 2022 [KCNA via Reuters]

A Coreia do Norte realizou um número recorde de lançamentos de mísseis esta semana, incluindo um aparente míssil balístico intercontinental (ICBM), elevando o número total de mísseis disparados para mais de 60 até agora este ano.

O estado com armas nucleares lançou 23 mísseis de vários tipos somente na quarta-feira, o maior número em um único dia.

Na quinta-feira, disparou vários mísseis balísticos, incluindo o que se acredita ser um ICBM, que são as armas de maior alcance da Coreia do Norte e são projetadas para transportar uma ogiva nuclear para o outro lado do planeta.

Autoridades sul-coreanas acreditam que o ICBM falhou em voo, informou a agência de notícias Yonhap, e autoridades japonesas disseram que perderam o rastro do míssil em sua trajetória de voo – outra indicação de possível falha.

A Coreia do Norte começou a demonstrar sua capacidade militar cada vez mais avançada em janeiro com o lançamento de um novo “míssil hipersônico”.

Aqui estão algumas das principais capacidades de mísseis que a Coreia do Norte está desenvolvendo:

Lançamentos de longo alcance

A Coreia do Norte afirmou em março ter testado com sucesso seu maior ICBM de todos os tempos.

Apelidado de “Míssil Monstro” por alguns, o Hwasong-17 navegou em alta altitude por mais de 67 minutos antes de cair a 1.090 km (677 milhas) de distância no Mar do Japão.

Autoridades sul-coreanas e norte-americanas responderam que a Coreia do Norte realmente disparou um ICBM Hwasong-15 mais antigo e que alguns testes do Hwasong-17 já terminaram em fracasso.

A Coreia do Norte defendeu seu programa de armas como um meio legítimo de defesa contra o que vê como uma ameaça de décadas dos Estados Unidos e seus aliados na Coreia do Sul.

Em 4 de outubro, disparou um míssil de alcance intermediário sobre o Japão e no Oceano Pacífico a cerca de 4.600 km (2.858 milhas) de seu local de lançamento.

O retorno ao disparo de mísseis de longo alcance aumentou as apostas para os EUA e outros países distantes que temem o crescente alcance global das forças armadas norte-coreanas.

Mísseis manobráveis

Muitos dos mais recentes mísseis balísticos de curto alcance (SRBMs) da Coreia do Norte, como o KN-23 e o KN-24, são projetados para voar em uma trajetória mais baixa e “deprimida” e podem potencialmente manobrar, o que complica os esforços para detectar e interceptar eles.

A Coreia do Norte também afirma ter testado um novo tipo de míssil hipersônico, que geralmente voa em altitudes mais baixas e mais rápido que um míssil balístico – cerca de 6.200 km/h (3.850 mph).

A principal característica das armas hipersônicas, no entanto, não é sua velocidade, mas sua manobrabilidade, que pode ajudá-las a evitar a interceptação.

Analistas também dizem que o grande tamanho do ICBM Hwasong-17 sugere que Pyongyang pode estar procurando embalar o míssil com ogivas nucleares múltiplas, menores e manobráveis ​​e chamarizes que podem ajudá-los a escapar das defesas.

Lançamentos de mísseis e testes nucleares da Coreia do Norte em outubro de 2022

Diversos locais

A Coreia do Norte testou seus mísseis de diferentes locais e plataformas de lançamento. Analistas dizem que esta é uma tática de simulação de conflito que torna difícil para os inimigos detectar e destruir os locais de lançamento de mísseis.

Em janeiro, a Coreia do Norte lançou um par de mísseis balísticos de curto alcance de um trem perto de sua fronteira norte com a China.

Apesar da rede ferroviária limitada e às vezes não confiável do país, os mísseis ferroviários móveis são uma opção relativamente barata e eficiente para melhorar a capacidade de sobrevivência de suas forças nucleares em caso de conflito.

A Coreia do Norte também realizou lançamentos de mísseis do aeroporto internacional fora da capital, Pyongyang, e lançou um míssil de curto alcance de seu submarino de mísseis experimental. Ele prometeu que um submarino de mísseis operacional seria implantado em breve.

Armas nucleares táticas

Se a Coreia do Norte retomar os testes nucleares, isso pode incluir o desenvolvimento de ogivas “táticas” menores destinadas ao uso no campo de batalha e projetadas para caber em mísseis de curto alcance, segundo autoridades sul-coreanas.

Em abril, a Coreia do Norte testou um novo míssil de curto alcance que a mídia estatal disse ser para “aumentar a eficiência na operação de armas nucleares táticas”. O anúncio marcou a primeira vez que o país vinculou um sistema específico ao uso de armas nucleares táticas.

Analistas dizem que colocar pequenas ogivas em mísseis de curto alcance pode representar uma mudança perigosa na maneira como a Coreia do Norte se posiciona e planeja usar armas nucleares.

Ogivas menores permitiriam que os militares norte-coreanos colocassem em campo mais delas e permitiriam seu uso contra uma gama maior de alvos militares na Coreia do Sul.

Ankit Panda, especialista no programa de armas da Coreia do Norte e atual membro sênior da Stanton no Carnegie Endowment for International Peace em Washington, DC, estimou que a Coreia do Norte poderia ter “entre 40 e 70 ogivas nucleares fabricadas”.

“E acho que eles continuarão a produzir mais material físsil utilizável em armas para produzir ogivas nucleares adicionais para esses sistemas”, disse ele em entrevista recente à Al Jazeera.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *