Guantánamo 20 anos depois: um legado de ‘injustiça’ e ‘abuso’


0

Defensores refletem sobre o ‘legado perturbador’ do centro de detenção e exortam o presidente dos EUA, Joe Biden, a agir e fechá-lo.

“É um símbolo global da injustiça americana, tortura e desrespeito ao estado de direito”, diz Hina Shamsi, da ACLU, sobre a prisão de Guantánamo [File: Mike Brown/EPA]

Washington, DC, Estados Unidos – No 20º aniversário da Baía de Guantánamo, os defensores dizem que o centro de detenção militar dos EUA representa duas décadas de injustiça – e deve ser fechado.

Estabelecida em uma base militar americana em Cuba em 2002 pelo governo do presidente George W. Bush, a prisão foi concebida para privar os detidos da “guerra ao terror” pós-11 de setembro dos direitos constitucionais de que gozariam em solo norte-americano.

Sua localização – em um enclave de propriedade americana da ilha caribenha – turvou as águas sobre a aplicabilidade do direito internacional e das regras de guerra no tratamento de prisioneiros. E ao longo dos anos, a prisão ganhou a reputação de um local de abuso e injustiça fora do estado de direito.

O presidente dos EUA, Joe Biden, prometeu fechar a instalação, mas relatos sobre a construção de um novo tribunal secreto em Guantánamo exacerbaram as preocupações de que o governo pode não estar levando a sério o fechamento. Houve apenas uma transferência para fora da prisão no ano passado.

A instalação que já abrigou cerca de 800 detentos agora abriga 39 presos, com 13 já liberados para transferência. A maioria foi detida sem acusações formais.

Aqui, a Al Jazeera fala com defensores dos direitos humanos e civis sobre o legado de Guantánamo:

Ativistas em macacões laranja da prisão protestam com cartazes ao lado de uma bandeira americanaAtivistas protestam contra o campo de detenção da Baía de Guantánamo, perto da Casa Branca, em Washington, DC, em 11 de janeiro de 2020 [File: Mike Theiler/Reuters]

Mansoor Adayfi, ex-detento: ’20 anos de injustiça, tortura, abuso’

Mansoor Adayfi fala por experiência própria quando diz que Guantánamo representa “20 anos de injustiça, tortura, abuso, ilegalidade e opressão”.

Adayfi passou mais de 14 anos na prisão, onde diz ter sofrido tortura, humilhação e abuso. Nascido no Iêmen, Adayfi estava realizando pesquisas no Afeganistão quando – aos 18 anos – foi sequestrado por combatentes afegãos e entregue à CIA sob alegações de que ele era um recrutador muito mais velho da Al-Qaeda.

Adayfi manteve sua inocência durante todo o calvário, que ele descreve como desumanizante, e foi libertado em 2016 para a Sérvia, onde continua a defender o fechamento de Guantánamo e a garantia de justiça para os detidos.

“Guantánamo é uma das maiores violações de direitos humanos do século 21”, disse Adayfi, que no ano passado lançou um livro de memórias intitulado Não nos esqueça aqui: achados e perdidos em Guantánamo, à Al Jazeera em entrevista por telefone. “E também é [abusive] ao sistema de justiça americano, ao povo americano. Guantánamo não conseguiu justiça para ninguém – nem para as vítimas do 11 de setembro, nem para os americanos, nem para os detidos.”

Por sua própria experiência com tortura e detenção injusta, Adayfi disse que o caminho para a justiça começaria com o fechamento de Guantánamo e o fim do sigilo em torno de abusos e processos legais que ocorreram lá.

“Justiça significa reparação, significa reconhecimento, significa pedir desculpas”, disse ele.


Hina Shamsi, ACLU: Guantánamo é um ‘símbolo da injustiça americana’

Hina Shamsi, diretora do Projeto de Segurança Nacional da União Americana das Liberdades Civis (ACLU) e uma crítica proeminente das violações dos direitos civis que acompanharam a “guerra ao terror”, chamou a prisão de Guantánamo de “falha legal, moral e ética”. .

“É um símbolo global da injustiça americana, tortura e desrespeito ao estado de direito”, disse Shamsi à Al Jazeera por e-mail, acrescentando que Biden deve ser responsabilizado por sua promessa de campanha de fechar Guantánamo.

“Os presos que estão detidos indefinidamente sem acusação devem ser transferidos, começando com aqueles que foram liberados para transferência por anos. O governo Biden precisa resolver as comissões militares quebradas e inconstitucionais buscando acordos de confissão que explicariam a tortura dos réus por nosso governo, proporcionando uma medida de transparência e justiça, como os membros da família do 11 de setembro pediram”, disse ela.

“Se o presidente Biden leva a sério a defesa dos direitos humanos, equidade racial e justiça, ele precisa agir e finalmente fechar Guantánamo.”


Daphne Eviatar, Anistia Internacional EUA: O legado de Guantánamo é ‘islamofobia e impunidade para tortura’

Daphne Eviatar, diretora do Programa de Segurança com Direitos Humanos da Anistia Internacional EUA, disse que o fato de Guantánamo estar aberta há 20 anos é “em si um legado muito perturbador”.

“Até que os Estados Unidos estejam dispostos a fechar a prisão, transferir os detidos para lugares onde seus direitos humanos serão respeitados e reconhecer e reparar os abusos que aconteceram em Guantánamo, o legado da prisão norte-americana na Baía de Guantánamo continuará sendo ser um dos flagrantes abusos dos direitos humanos, racismo e islamofobia e impunidade por tortura”, disse Eviatar à Al Jazeera por e-mail.

Eviatar disse que o caminho a seguir para fechar a prisão é “claro” e “não particularmente difícil” – libertar detentos liberados para liberação, julgar os acusados ​​de “crimes internacionalmente reconhecíveis” em tribunais federais dos EUA regularmente constituídos e transferir presos que não foram cobrados a outros países onde não enfrentariam abusos de direitos.

“O presidente Biden não tem desculpa para não seguir esse caminho”, disse ela.


Yumna Rizvi, Centro para Vítimas de Tortura: ‘Hipocrisia e arrogância’

Yumna Rizvi, analista de políticas do Centro para Vítimas de Tortura, um grupo de defesa de sobreviventes de tortura, incluindo detentos de Guantánamo, disse que o legado da prisão é “sombrio e assustador”.

“Muitos dos homens muçulmanos detidos atrás das grades foram submetidos a indescritíveis violações de direitos humanos pelos Estados Unidos e sofreram danos irreparáveis”, disse Rizvi à Al Jazeera por e-mail.

“Guantánamo destaca a hipocrisia e a arrogância dos EUA, que deliberadamente viraram as costas ao Estado de Direito, criando um falso sistema legal onde reinam a impunidade, a injustiça e o desrespeito aos direitos humanos.”


Robert McCaw, CAIR: Uma prisão projetada para negar seus direitos a suspeitos muçulmanos

Robert McCaw, diretor de assuntos governamentais do Conselho de Relações Americano-Islâmicas (CAIR), um grupo de direitos civis, disse que a prisão destaca o viés antimuçulmano das políticas do governo dos EUA na era pós-11 de setembro.

“A prisão de maior segurança que o governo dos Estados Unidos mantém fica em Guantánamo. E foi projetado para abrigar apenas homens muçulmanos que estão detidos sem acusação sob suspeita de apoiar o terrorismo”, disse McCaw à Al Jazeera.

“O impacto psicológico de ter uma prisão projetada para deter homens muçulmanos indefinidamente e negar-lhes seus direitos mostra o status dos muçulmanos no sistema legal dos EUA e até que ponto o governo está disposto a ir para tratar os muçulmanos sob custódia dos EUA”, disse McCaw. . “E assim, enquanto esta prisão permanecer, não é apenas uma mancha no histórico de direitos humanos de nossa nação, mas um testemunho do tratamento diferente que os suspeitos muçulmanos têm no sistema judicial dos EUA.”


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *