Finlândia: deputados vão debater se devem aderir à OTAN


0

A Rússia alertou para o acúmulo de energia nuclear no Báltico caso a Finlândia e a vizinha Suécia se juntem à aliança militar.

O presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy é visto nas telas enquanto se dirige aos membros do parlamento por meio de um link de vídeo no Parlamento finlandês em Helsinque em 8 de abril de 2022 [AFP]

Políticos na Finlândia devem começar a debater se o país deve buscar a adesão à aliança militar da Otan depois que a invasão da Ucrânia pela Rússia levou a um aumento no apoio político e público à adesão ao bloco transatlântico.

A sessão do Parlamento na quarta-feira ocorre apesar das advertências da Rússia de um aumento nuclear no Báltico caso a Finlândia e a vizinha Suécia se juntem à Otan.

“Acho que vai acontecer muito rápido. Dentro de semanas, não dentro de meses”, disse a primeira-ministra da Finlândia, Sanna Marin, na semana passada, referindo-se ao seu país decidir se deve se candidatar à adesão.

Os 200 membros do parlamento da Finlândia receberam um “livro branco” encomendado pelo governo que avaliou as implicações da adesão à OTAN juntamente com outras opções de segurança, como o aumento dos acordos bilaterais de defesa.

O relatório não faz recomendações, mas enfatiza que, sem a adesão à OTAN, a Finlândia – um estado membro da União Europeia que compartilha uma fronteira de 1.300 km (810 milhas) com a Rússia – não goza de garantias de segurança, apesar de atualmente ser um parceiro da aliança. Ele também diz que o “efeito dissuasor” na defesa da Finlândia seria “consideravelmente maior” dentro do bloco, enquanto observa que a adesão também traz obrigações para a Finlândia de ajudar outros estados da OTAN.

A Suécia também está discutindo se deve apresentar uma proposta de adesão após a invasão da Rússia em 24 de fevereiro. Uma pesquisa na quarta-feira mostrou que 57 por cento dos suecos agora são a favor da adesão à Otan, contra 51 por cento em março. Aqueles que se opõem à adesão caíram para 21% de 24%, enquanto aqueles que estavam indecisos caíram para 22% de 25%.

‘Altamente provável’

Na Finlândia, após duas décadas de apoio público à adesão à Otan permanecendo estável em 20-30 por cento, a guerra causou um aumento de mais de 60 por cento dos a favor, de acordo com pesquisas de opinião.

Declarações públicas coletadas pela mídia finlandesa sugerem que metade dos 200 parlamentares agora apóiam a adesão, com apenas 12 se opondo. Outros dizem que anunciarão uma posição após discussões detalhadas.

O governo finlandês disse que espera construir um consenso parlamentar nas próximas semanas, com os parlamentares ouvindo vários especialistas em segurança.

No sábado, a ministra de Assuntos Europeus da Finlândia, Tytti Tuppurinen, disse acreditar que um pedido finlandês era “altamente provável”.

“Mas a decisão ainda não foi tomada”, disse ela à Sky News da Grã-Bretanha.

No entanto, os finlandeses “parecem já ter decidido e há uma grande maioria para a adesão à OTAN”.

Muitos analistas preveem que a Finlândia poderia apresentar uma proposta a tempo para uma cúpula da OTAN em junho. Quaisquer pedidos de adesão devem ser aceitos por todos os 30 estados da OTAN, um processo que pode levar de quatro meses a um ano.

Até agora, a Finlândia recebeu garantias públicas do chefe da OTAN, Jens Stoltenberg, de que a porta da aliança permanece aberta e o apoio de vários membros.

Mas Dmitry Medvedev, vice-presidente do Conselho de Segurança da Rússia, disse na semana passada que, se a Suécia e a Finlândia se juntarem à Otan, a Rússia teria que fortalecer suas forças terrestres, navais e aéreas no Mar Báltico.

Medvedev também levantou explicitamente a ameaça nuclear ao dizer que não se pode mais falar de um Báltico “livre de armas nucleares” – onde a Rússia tem seu enclave de Kaliningrado entre a Polônia e a Lituânia.

O presidente da Finlândia, Sauli Niinisto, disse que a resposta da Rússia pode incluir violações do espaço aéreo e territoriais e ataques híbridos, que os defensores finlandeses da Otan acreditam que o país está bem preparado para resistir.

A Finlândia declarou independência em 1917, após 150 anos de domínio russo.

Durante a Segunda Guerra Mundial, seu exército em grande número lutou contra uma invasão soviética, antes que um acordo de paz o obrigasse a ceder várias áreas de fronteira a Moscou.

A nação nórdica permaneceu neutra durante a Guerra Fria em troca de garantias soviéticas de não invadir.

Após a queda da Cortina de Ferro, a Finlândia alinhou-se firmemente com o Ocidente, juntando-se à UE e tornando-se um parceiro próximo da OTAN.

Sucessivos líderes finlandeses evitaram a adesão plena acreditando que o não alinhamento militar era a melhor maneira de manter relações de trabalho com o Kremlin.

A vizinha Suécia também está considerando sua posição neutra. Uma maioria crescente de suecos agora é a favor da adesão à Otan, mostrou uma pesquisa nesta quarta-feira.

A Suécia não está em guerra desde a época de Napoleão e construiu sua política de segurança na “não participação em alianças militares”. Mas, como a Finlândia, a invasão da Ucrânia em 24 de fevereiro, que Moscou chama de “operação militar especial”, forçou um repensar radical.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *