Comissão eleitoral do Paquistão desqualifica ex-primeiro-ministro Imran Khan


0

Partido do ex-primeiro-ministro rejeita decisão e pede aos apoiadores que saiam às ruas.

O ex-primeiro-ministro do Paquistão Imran Khan [File: Aamir Qureshi/AFP]

Islamabad, Paquistão – A comissão eleitoral do Paquistão (ECP), em decisão unânime, considerou o ex-primeiro-ministro Imran Khan culpado de “práticas corruptas” e o desqualificou para ser membro do parlamento.

O partido Paquistão Tehreek-e-Insaf (PTI) de Khan rejeitou imediatamente a decisão de sexta-feira e pediu aos apoiadores que saíssem às ruas.

Faisal Fareed Chaudhry, parte da equipe jurídica do PTI, disse à Al Jazeera que estava aguardando o veredicto detalhado antes de apresentar um recurso ao Tribunal Superior de Islamabad. Ele também disse que planejava questionar o escopo da comissão para entregar tal veredicto. “Vamos desafiar sua jurisdição, seu mandato para emitir esta decisão”, disse ele.

O caso contra Khan foi aberto em agosto por um membro da Liga Muçulmana do Paquistão Nawaz (PMLN), alegando que o ex-primeiro-ministro havia comprado presentes dados por dignitários estrangeiros do depositário estatal de presentes (também chamado de Toshakhana), mas não divulgou os ativos. nas declarações apresentadas à comissão.

Chaudhry chamou a decisão do ECP de “embaraçosa” e um “tapa na cara” para o povo do Paquistão.

“Este veredicto não é um ataque apenas a Imran Khan. É um ataque à constituição do Paquistão e seu povo”, disse ele a repórteres.

Khan, que foi destituído de seu cargo em abril por meio de um voto parlamentar de desconfiança, acusou a comissão de parcialidade e destacou seu chefe, Sikandar Sultan Raja, de preconceito contra ele e seu partido.

Após a remoção de seu governo, Khan vem realizando comícios em todo o país, exigindo eleições antecipadas. Sua narrativa lhe rendeu grande apoio, já que o PTI ganhou muito nas eleições parciais que ocorreram em julho e outubro.

A duração da desqualificação não ficou imediatamente clara. Kanwar Dilshad, ex-secretário federal da comissão, disse à Al Jazeera que, em sua opinião, o veredicto significava que Khan foi “desqualificado por enquanto”.

“Minha opinião é que o veredicto é válido para esta sessão parlamentar, que durará até agosto de 2023. O que significa é que ele não poderá sentar na assembleia, apesar de ter vencido as recentes pesquisas”, disse ele.

Dilshad acrescentou ainda que a comissão tem um mandato amplo, o que permite à instituição ouvir um caso sobre práticas corruptas e enviá-lo ao tribunal de primeira instância em caso de condenação.

Controvérsia de Toshakhana

A controvérsia de Toshakhana irrompeu no ano passado quando foi divulgado que Khan e sua esposa Bushra Bibi compraram presentes dos Toshakhana e depois os venderam no mercado com descontos.

O PTI, que era o partido do governo na época, inicialmente expressou relutância em revelar os detalhes dos presentes dados a Khan, alegando que poderia comprometer as relações externas do Paquistão.

O depósito de presentes é um departamento do governo criado na década de 1970, que armazena presentes dados a governantes, políticos, funcionários do governo e funcionários por chefes de estado e outros dignitários estrangeiros.

As regras da Toshakhana determinam que todos os presentes devem ser enviados ao departamento. No entanto, eles podem ser comprados mais tarde. Embora vender os presentes não seja estritamente ilegal, muitos consideram antiético e moralmente errado.

O processo aberto contra Khan disse que o ex-primeiro-ministro recebeu um total de 58 caixas contendo vários itens durante seu mandato.

O peticionário da PMLN, Mohsin Nawaz Ranjha, disse que o ex-primeiro-ministro era legalmente obrigado a declarar todos os bens pertencentes a ele, sua esposa e dependentes à comissão no final de cada exercício financeiro.

A referência argumentava que não fazer isso tornava Khan “desonesto” e, portanto, o desqualificava de participar da política parlamentar por toda a vida sob a constituição paquistanesa.

Khan também foi acusado de esconder “deliberadamente” os presentes que comprou de Toshakhana, mas depois confessou ter vendido esses presentes, sem revelar os detalhes à comissão.

Em uma decisão histórica há cinco anos, a Suprema Corte declarou o então primeiro-ministro e chefe do PLMN Nawaz Sharif “desonesto”, resultando em sua remoção do cargo e impedido de participar da política parlamentar por toda a vida.

O analista político de Lahore, Mehmal Sarfraz, disse que a decisão da comissão prejudicou Khan “politicamente”.

“Sua imagem sempre foi a de um homem honesto, mas agora a etiqueta de ‘práticas corruptas’ vai ficar com ele. Claro, isso não significa que seus apoiadores vão comprá-lo, já que o PTI está perseguindo o ECP e o comissário-chefe das eleições há algum tempo, então eles verão isso como uma decisão ‘tendenciosa’”, acrescentou.

No entanto, Sarfaraz observou que “quando Nawaz Sharif foi desclassificado, o PTI celebrou porque os beneficiou.

“Agora, podem ser feitas perguntas se Khan pode continuar sendo o chefe do partido ou não, porque Sharif não foi autorizado a continuar liderando seu partido após sua desqualificação.”

O especialista jurídico Hasnaat Malik também pintou um quadro potencialmente preocupante para o chefe do PTI nos próximos dias.

“O ECP no veredicto enviou o caso a um tribunal de primeira instância. No entanto, se Khan for considerado culpado de práticas corruptas no tribunal, ele poderá ser preso por no máximo três anos”, disse ele.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *