Zelenskyy diz que ações contra-ofensivas estão em andamento contra a Rússia


0

O presidente da Ucrânia diz que seus generais estão “positivos” sobre as “ações defensivas e contra-ofensivas” que estão ocorrendo contra as tropas russas invasoras.

Membros do serviço ucraniano montam um veículo de combate de infantaria BMP-1
Membros do serviço ucraniano perto da cidade da linha de frente de Bakhmut [Viacheslav Ratynskyi/Reuters]

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, disse que ações de contra-ofensiva estavam em andamento contra as forças russas invasoras em seu país, mas se recusou a divulgar detalhes adicionais.

O líder ucraniano fez o comentário no sábado em uma coletiva de imprensa em Kiev, ao lado do primeiro-ministro canadense Justin Trudeau.

Ele estava respondendo a uma pergunta sobre a declaração do presidente russo, Vladimir Putin, um dia antes, de que a contra-ofensiva da Ucrânia havia começado e que as forças ucranianas estavam sofrendo “perdas significativas”.

Zelenskyy disse que “ações defensivas e contra-ofensivas estão ocorrendo na Ucrânia. Não vou falar sobre em que estágio ou fase eles estão.”

“Estou em contato com nossos comandantes de diferentes direções todos os dias”, acrescentou, citando os nomes de cinco dos principais líderes militares da Ucrânia.

“Todo mundo é positivo. Passe isso para Putin.”

As principais autoridades ucranianas não chegaram a anunciar que uma contra-ofensiva completa estava em andamento, embora alguns analistas ocidentais tenham dito que combates mais violentos e o uso relatado de tropas de reserva sugerem que sim.

Em seu discurso noturno em vídeo, Zelenskyy forneceu poucos detalhes enquanto instava as tropas a continuar lutando.

“Obrigado a todos aqueles que mantêm suas posições e aos que avançam”, disse ele, citando as frentes leste e sul, onde os combates são mais intensos.

O estado-maior da Ucrânia disse que suas forças repeliram ataques inimigos em torno de Bakhmut e Marinka, locais de intensos confrontos no leste. As forças russas, disse, “continuam sofrendo pesadas perdas que estão tentando esconder”.

A vice-ministra da Defesa, Hanna Maliar, deixou claro no Telegram que os militares não emitiriam declarações até que as posições no campo de batalha se tornassem claras.

“Pergunte a si mesmo… estou preparado para receber informações sobre a libertação desta ou daquela cidade não quando nossas tropas entrarem nela, mas assim que estabelecerem uma fortaleza?” ela escreveu.

A Ucrânia disse há meses que planeja conduzir uma contra-ofensiva significativa para recapturar as terras ocupadas pela Rússia no sul e no leste. Mas está impondo silêncio operacional estrito por enquanto e negou ter iniciado a operação principal.

Com poucos relatórios independentes das linhas de frente, tem sido difícil avaliar o estado dos combates.

Operações ‘significativas’

O Ministério da Defesa do Reino Unido, por sua vez, disse que a Ucrânia realizou operações “significativas” em várias partes do leste e do sul nas últimas 48 horas, com as defesas russas violadas em alguns lugares.

“Em algumas áreas, as forças ucranianas provavelmente fizeram um bom progresso e penetraram na primeira linha de defesa russa. Em outros, o progresso ucraniano tem sido mais lento”, afirmou, também caracterizando o desempenho dos militares russos como misto.

“Alguns [Russian] as unidades provavelmente estão conduzindo operações de defesa de manobra credíveis, enquanto outras recuaram em alguma desordem, em meio a relatos crescentes de baixas russas à medida que se retiram através de seus próprios campos minados”, afirmou.

Espera-se que a contra-ofensiva da Ucrânia use milhares de soldados treinados e equipados pelo Ocidente, mas a Rússia construiu enormes fortificações em território ocupado para se preparar, enquanto Kiev também carece de supremacia aérea.

Patrick Bury, especialista em defesa e segurança da Universidade de Bath, no Reino Unido, disse à Al Jazeera que a contra-ofensiva provavelmente será um “jogo longo” e que suas operações iniciais “provavelmente serão a parte mais sangrenta para os ucranianos”.

“É altamente improvável que veremos um avanço rápido como vimos em Kharkiv em setembro, por exemplo, onde os ucranianos conseguiram, com a ajuda da inteligência aliada, identificar lugares onde havia russos exaustos e arruinados. unidades e basicamente passou por eles e continuou. Não vai ser assim”, disse.

“Os russos tiveram meses para preparar ofensas significativas e estas são … posições defensivas com trincheiras, bunkers, campos minados, em particular, que são projetados para canalizar atacantes para zonas de matança”.

Os ucranianos provavelmente sofreriam “muitas baixas” durante o ataque.

“É muito mais fácil defender: você conhece o terreno, sabe qual é o plano, sabe ‘vou manter essa posição até eles chegarem aqui e depois vou cair de volta aqui, e aí outra posição vai me apoiar’”, disse Bury.

“É significativamente mais fácil para os defensores, como os ucranianos descobriram quando estavam defendendo no ano passado. É muito mais difícil para os atacantes”, acrescentou. “Sim, você tem alguma preparação de inteligência, mas não sabe exatamente onde está tudo; é tudo novo para você, o terreno e você está sendo alvejado etc enquanto tenta avançar; então é muito mais difícil para eles.”

O sul é visto como uma prioridade estratégica chave para uma investida ucraniana que pode ter como objetivo recapturar a maior usina nuclear da Europa e cortar a ponte de terra russa para a península ocupada do Mar Negro na Crimeia, dividindo as forças russas.

Os combates lá atraíram atenção renovada após a destruição da barragem de Kakhovka, controlada pelos russos, ao longo do rio Dnipro na terça-feira.

A inundação da barragem rompida forçou milhares a fugir de suas casas e provocou temores de desastres humanitários e ambientais. A Ucrânia diz que a Rússia explodiu a barragem. Moscou acusa Kiev de atirar nele.

Trudeau, o primeiro líder estrangeiro a visitar a Ucrânia desde o rompimento da barragem, ofereceu apoio monetário, militar e moral.

Ele prometeu 500 milhões de dólares canadenses (US$ 375 milhões) em nova ajuda militar, além dos mais de 8 bilhões de dólares canadenses (US$ 6 bilhões) que o Canadá já forneceu desde o início da guerra em fevereiro de 2022, e anunciou 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões). ) para assistência humanitária para a resposta às inundações.

Trudeau disse que o colapso da barragem foi “uma consequência direta da guerra da Rússia”, mas não culpou Moscou diretamente.

Em outros desenvolvimentos, o governo do Reino Unido também disse que dará 16 milhões de libras (US$ 20 milhões) em ajuda humanitária às pessoas afetadas pelas enchentes.

A maior parte do dinheiro está sendo canalizada por meio de organizações internacionais como a Cruz Vermelha e as Nações Unidas. O Reino Unido também está enviando barcos, filtros de água comunitários, bombas de água e waders para a Ucrânia.

O chanceler alemão, Olaf Scholz, por sua vez, disse no sábado que queria continuar conversando com Putin e planeja fazê-lo novamente “em breve”.

Scholz falou várias vezes por telefone com Putin desde que a Rússia lançou sua invasão em grande escala da Ucrânia no ano passado.

A chanceler disse que a base para uma “paz justa” entre a Rússia e a Ucrânia é a retirada das tropas russas.

“Isso precisa ser entendido”, disse ele.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *