‘Um minuto para dizer adeus’ a pai, filho, marido: Hussein Abu Jamei


0

Hussein tinha apenas 32 anos quando foi morto num ataque aéreo israelita a Khan Younis, em Outubro. Seu corpo foi encontrado pelo próprio irmão.

Conheça seus nomes: Hussein Mohammed Abu Jamei
Hussein Mohammed Abu Jamei, de 32 anos, foi morto num ataque aéreo israelita a um bairro no sul de Khan Younis, onde se refugiava. [Courtesy of Sayyed Mohammed Abu Jamei]

Khan Younis, Faixa de Gaza – Era 1h da manhã quando o grupo de socorristas em Khan Younis recebeu a chamada – tinha havido um ataque aéreo israelita nas proximidades.

Junto com seus colegas, Sayyed Mohammed Abu Jamei correu para o local e começou a cavar nos escombros para encontrar sobreviventes. Enquanto vasculhava freneticamente os escombros, Sayyed se viu olhando para o corpo de seu próprio irmão, Hussein.

Nas primeiras horas de 24 de outubro, chocado e angustiado, ele ouviu um lamento próximo ficar mais alto – antes de perceber que vinha de si mesmo.

Hussein deixa sua esposa grávida, Hadeel, e seus filhos Abdallah, 10, Ahmed, 7, e Hoda, três.
Hussein deixa sua esposa grávida, Hadeel, e seus filhos Abdallah, 10, Ahmed, 7, e Hoda, três [Courtesy of Sayyed Mohammed Abu Jamei]

A mãe de Hussein, sua esposa Hadeel Abu Abed e seus filhos foram levados às pressas para o hospital. Eles chegaram apenas alguns momentos antes de ele ser enterrado, conseguindo apenas uma despedida final apressada dentro de um necrotério perigosamente superlotado.

“Eles tiveram um minuto para se despedir”, disse Sayyed, 46 anos. “As crianças puderam beijá-lo. Mas sua esposa e minha mãe só olharam para ele pela última vez.

“Minha mãe queria poder beijá-lo, mas não pôde por causa da multidão.”

Conversando com a Al Jazeera na sala de espera do hospital, os olhos de Sayyed vagaram enquanto ele tentava resumir quem era seu irmão: “Ele era decente, era sensato, era educado”, repetia repetidamente.

Hussein tinha apenas 32 anos quando morreu – morto por um míssil israelita que atingiu um bairro residencial no sul de Khan Younis, onde ele estava abrigado com amigos e familiares.

Seu sonho era pagar alguns empréstimos que havia feito para construir um pequeno apartamento acima da casa dos pais e comprar um carro. Eventualmente, ele quis economizar o suficiente para comprar um terreno para construir uma casa maior para sua esposa, três filhos e seu bebê ainda não nascido.

Ele sempre dizia ao irmão o quanto queria que seus filhos tivessem um lugar onde pudessem criar lindas lembranças. Para concretizar este sonho, Hussein trabalhou longas horas como motorista, fazendo biscates do anoitecer ao amanhecer na sitiada Faixa de Gaza.

“Meu irmão era uma daquelas pessoas de quem você gostaria desde o momento em que se conheceu”, disse Sayyed. “Ele tinha uma facilidade e uma calma que atraíam as pessoas para ele.”

Vinte dias antes de ser morto, Hussein levou a esposa grávida e os três filhos, Abdallah, 10, Ahmed, 7, e Hoda, três, para ficarem na casa dos sogros em Bani Souhaila, mais a sul da faixa.

Ele também deixou o apartamento da família no leste de Khan Younis e mudou-se para o sul da cidade.

Uma família dilacerada

Quando se apaixonaram, Hadeel e Hussein já eram vizinhos há algum tempo.

Eles tiveram um casamento tradicional palestino, completo com um zaffeh (procissão de casamento) e comemoraram seu aniversário de casamento todos os anos.

“Hadeel era tudo para ele”, disse Sayyed. “Ele a estimava e respeitava e tentava fornecer-lhe tudo o que ela precisava.

“No dia em que cada um dos seus filhos nasceu, Hussein ficou muito feliz e distribuiu doces pela vizinhança para partilhar a sua alegria”, acrescentou Sayyed.

“Hussein tinha um vínculo especial com seus filhos. Ele era uma criança de coração e adorava seus filhos, apesar das dificuldades de sua vida.

“Ele fez questão de reservar um tempo do seu dia agitado para brincar com eles e fazer as coisas que eles gostavam. Ele até brincava com eles na rua.”

Hussein trabalhou como motorista para pagar seus empréstimos e economizar o suficiente para comprar um terreno e construir uma casa maior para sua família.
Hussein trabalhou como motorista para pagar seus empréstimos e economizar o suficiente para comprar um terreno e construir uma casa maior para sua família. [Courtesy of Sayyed Mohammed Abu Jamei]

Hussein sentiu muita falta dos filhos durante o período em que estiveram separados, disse Sayyed. Ele tentou ir vê-los sempre que podia – a última vez foi no dia anterior à sua morte. Apesar do perigo, ele também visitou seus pais no distrito de al-Zana, no leste de Khan Younis, a cinco quilômetros de distância, a cada dois ou três dias.

“Hussein tinha um relacionamento muito caloroso e amoroso com meus pais e irmãos. Ele era muito apegado aos filhos e à esposa. Deus os ajude. Ele faria questão de ajudar as crianças com os deveres de casa, ele queria que elas se destacassem. Ele os chamava de ‘Dr. Abdallah’, ‘Dr. Hoda’”, disse Sayyed, com a voz trêmula.

Questionado sobre como estava a esposa de Hussein, ele disse desesperadamente: “Temos 10.000 mártires em Gaza. Ela reagiu como qualquer uma das pessoas que perderam entes queridos.”

Sombrio e exausto, Sayyed pensou no que seu irmão teria desejado se tivesse sobrevivido.

“Ele não era um homem de grandes ambições. Ele queria o que um jovem comum da sua idade queria: estar contente, ter uma vida decente e viver em paz.”

Este artigo foi produzido em colaboração com Egab.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *