Que países ainda financiam a UNRWA no meio da guerra de Israel em Gaza?


0

A Irlanda é a última a prometer fundos para a agência da ONU, a principal fonte de ajuda humanitária à Palestina.

Palestinos recebem sacos de farinha na Agência de Assistência e Obras das Nações Unidas para a Palestina
Palestinos recebem sacos de farinha no centro de distribuição da Agência das Nações Unidas de Assistência e Obras para Refugiados Palestinos no Oriente Próximo (UNRWA), no campo de refugiados de Rafah, no sul da Faixa de Gaza, em 21 de novembro de 2023 [Said Khatib/AFP]

Philippe Lazzarini, chefe da Agência de Assistência e Obras das Nações Unidas (UNRWA), visitou a Irlanda esta semana após a decisão do país de prometer 20 milhões de euros (pouco menos de 21,5 milhões de dólares) em apoio à agência atingida pela crise.

A UNRWA, que fornece cuidados de saúde, educação e outros serviços vitais ao povo palestiniano, foi acusada por Israel no mês passado de ter ligações ao ataque do Hamas ao sul de Israel em 7 de Outubro, o que levou mais de 10 países doadores, incluindo os Estados Unidos, a Alemanha , a União Europeia e o Canadá, para suspender o apoio financeiro.

O financiamento destes países constitui a maior parte de todo o financiamento recebido pela UNRWA. Ficar isolado desta forma significa que a agência ficará totalmente sem dinheiro dentro de semanas, disse.

Contudo, a Irlanda é um dos poucos países que se mantém firme. “Em Gaza, testemunhamos uma catástrofe humanitária”, disse o ministro irlandês dos Negócios Estrangeiros, Micheál Martin, na quinta-feira. “As pessoas necessitam urgentemente das provisões mais básicas para salvar vidas – comida, água, abrigo. Nestas condições mais angustiantes, face à perspectiva de uma nova escalada militar, a UNRWA é a espinha dorsal da resposta humanitária. Precisa urgentemente do apoio de todos os estados membros da ONU.”

Lazzarini
O Comissário Geral da UNRWA, Philippe Lazzarini, fala à imprensa após informar os diplomatas sobre a situação em Gaza nos Escritórios das Nações Unidas em Genebra, em 13 de fevereiro de 2023 [Fabrice Coffrini/AFP]

Por que a UNRWA é tão importante?

A UNRWA foi criada em 1949, na sequência da criação do Estado de Israel.

Na verdade, entre 29 de Novembro de 1947, quando a Assembleia Geral da ONU votou pela divisão do desvanecido Mandato Britânico da Palestina num Estado judeu e num Estado árabe, e o estabelecimento do próprio Israel em 14 de Maio do ano seguinte, combatentes armados procederam à limpeza étnica de milhares de pessoas. palestinos de suas casas.

Esta libertação dos palestinianos das suas casas e terras continuou mesmo depois de exércitos das nações árabes vizinhas terem invadido Israel em 15 de Maio de 1948 e, na primeira metade de 1949, pelo menos 750.000 palestinianos no total foram expulsos à força ou fugiram da sua terra natal.

Das cinzas daquilo que os palestinos ainda chamam de Nakba (a “catástrofe”) nasceu a UNRWA, que opera não apenas nos territórios palestinos ocupados por Israel, mas também na Jordânia, no Líbano e na Síria, onde hoje se encontram os refugiados palestinos. milhões.

INTERATIVO - Visão geral da UNRWA-1706440421
(Al Jazeera)

Qual é o défice de financiamento que a UNRWA enfrenta e porquê?

Israel, que matou quase 30 mil palestinos na Faixa de Gaza controlada pelo Hamas desde que começou a bombardear o empobrecido enclave em 7 de outubro do ano passado, alega que 12 funcionários da UNRWA, dos 13 mil trabalhadores do grupo em Gaza, estiveram envolvidos no ataque do Hamas a Israel, que matou 1.139 israelenses.

As alegações de Israel, compiladas num dossiê de seis páginas, foram suficientes para que países como os EUA, a Alemanha e a UE suspendessem as suas contribuições para a UNRWA que, em 2022, valiam 343,9 milhões de dólares, 202,1 milhões de dólares e 114,2 milhões de dólares, respetivamente.

A UNRWA estima que as suspensões dos doadores a deixarão com um défice de financiamento de 440 milhões de dólares.

Quem financia a UNRWA?  infográfico

Quais países suspenderam o financiamento?

Sendo os três principais financiadores do orçamento de 1,17 mil milhões de dólares da UNWRA em 2022, a decisão dos EUA, da Alemanha e da UE de suspender as doações foi um duro golpe para o organismo da ONU, com quase 75 anos de existência.

Ilan Pappé, autor de The Ethnic Cleansing of Palestine, emitiu uma crítica contundente aos países que optaram por suspender o financiamento, dizendo à Al Jazeera que este era “o Norte Global a seguir cegamente aqui a deixa israelita sobre a UNRWA”.

A lista completa de países que suspenderam o financiamento à UNRWA é a seguinte:

  • Austrália
  • Áustria
  • Canadá
  • Estônia
  • Finlândia
  • Alemanha
  • Islândia
  • Itália
  • Japão
  • Letônia
  • Lituânia
  • Os Países Baixos
  • Nova Zelândia
  • Romênia
  • Suécia
  • Suíça
  • Reino Unido
  • Estados Unidos

Que países continuam a apoiar a UNRWA?

Países como a Bélgica, a Noruega, a Arábia Saudita, a Espanha, a Turquia e, claro, a Irlanda, decidiram continuar a apoiar a UNRWA.

Em 1 de fevereiro, a vice-primeira-ministra belga, Petra De Sutter, cujo país forneceu à UNRWA 12,6 milhões de dólares em 2022, publicou no X: “A Bélgica continuará a financiar a UNRWA. A agência é insubstituível no fornecimento de ajuda humanitária urgente e crucial em Gaza.”

Falando na Cúpula Mundial de Governos de terça-feira em Dubai, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan, cujo país financiou o órgão da ONU no valor de US$ 25,2 milhões em 2022, disse: “Dói-nos ver os ataques contra o pessoal da agência palestina da ONU e nós devemos estender nosso apoio.”

Um dia antes de Lazzarini garantir financiamento para a UNRWA por parte do governo irlandês, o primeiro-ministro do país, Leo Varadkar, resumiu os sentimentos do seu governo em relação à guerra de Israel em Gaza.

“Está muito, muito claro para mim… que Israel não está a ouvir nenhum país do mundo, nem penso que estejam mais a ouvir os americanos”, disse ele ao parlamento irlandês na terça-feira. “Eles ficaram cegos pela raiva.”

Porque é que a Irlanda sente afinidade com o povo palestiniano?

A histórica luta irlandesa para se libertar do jugo da dominação britânica é uma das razões pelas quais muitos na República da Irlanda sentem uma forte afinidade com a Palestina, que, como ilustra a guerra brutal de Israel em Gaza, tem sofrido sob a ocupação israelita há gerações.

O Estado Livre Irlandês, ao qual a Irlanda do Norte optou por não aderir, foi estabelecido em 1922, após vários anos de conflito entre os nacionalistas irlandeses e o governo britânico, tendo o país tornado-se oficialmente uma república 27 anos depois.

Em 1980, a Irlanda tornou-se o primeiro membro da Comunidade Europeia (agora UE) a apoiar a criação de um Estado palestiniano e o apoio do país ressoa até hoje.

Na verdade, nas primeiras semanas da guerra contínua de Israel contra Gaza, quando os países do Ocidente se apressaram a apoiar o “direito à autodefesa” de Israel na sequência do ataque do Hamas, Varadkar ofereceu uma visão mais matizada.

“O que vejo acontecer neste momento não é apenas autodefesa”, disse o primeiro-ministro irlandês em Novembro do ano passado. “Parece, lembra, algo mais próximo da vingança. Não é onde deveríamos estar. E não creio que seja assim que Israel garantirá a liberdade e a segurança futuras.”


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *