Parlamentares do leste da Líbia não participarão das negociações em Genebra


0

GENEBRA / BENGHAZI, Líbia – Os legisladores baseados em áreas do leste da Líbia controlados pelo comandante militar Khalifa Haftar disseram na segunda-feira que não participarão, por enquanto, de negociações de paz com políticos aliados ao governo reconhecido internacionalmente.

Fayez al-Sarraj, primeiro-ministro do governo líbio apoiado pela ONU, sai depois de conversas com o primeiro-ministro de Malta, Joseph Muscat, no Auberge de Castille em Valletta, Malta, em 27 de maio de 2019. REUTERS / Darrin Zammit Lupi

Os políticos do leste disseram que as Nações Unidas, que estão intermediando as negociações em Genebra, não aprovaram todos os membros da delegação proposta.

A recusa dos legisladores é o mais recente golpe para os esforços das Nações Unidas para encerrar uma ofensiva de quase um ano pelas forças de Haftar, que visa tomar a capital Trípoli.

A ONU planejava reunir legisladores de ambos os lados do conflito da Líbia na quarta-feira para encerrar a luta por Trípoli como parte de um diálogo que engloba vertentes militares, políticas e econômicas.

O governo internacionalmente reconhecido da Líbia com sede em Trípoli descreveu Haftar como um "criminoso de guerra" e exigiu que ele retirasse suas forças que ameaçavam a capital.

O governo, que quase abandonou as negociações de Genebra na semana passada, culpou as forças de Haftar por bombardear o porto de Trípoli logo após o início das negociações.

Figuras militares de ambos os lados concordaram em submeter um projeto de acordo de cessar-fogo a suas lideranças antes de se reunir novamente no próximo mês, informou a missão da ONU na Líbia, UNSMIL, em comunicado.

As negociações políticas deveriam começar na quarta-feira, mas os parlamentares do leste se recusaram a participar porque a UNSMIL aprovou apenas oito de seus 13 delegados, disse Ahmaida Erouhma, chefe do comitê de Genebra no parlamento oriental, a repórteres na cidade de Benghazi.

UNSMIL não pôde ser encontrado imediatamente para comentar.

O governo de Trípoli insistiu que Haftar recuasse suas tropas das linhas de frente em torno de Trípoli, disse o ministro das Relações Exteriores Mohamed Syala a jornalistas.

O primeiro-ministro Fayez al-Serraj havia chamado Haftar de "criminoso de guerra" em uma reunião do Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra.

"As crianças perderam o direito à educação devido ao bombardeio e ao fechamento das escolas por causa do agressor e daqueles que financiam o agressor e fornecem armas, elas devem ser responsabilizadas", disse Serraj.

Quase nove anos desde que os rebeldes apoiados pela Otan derrubaram Muammar Kadafi, a Líbia ainda não possui uma autoridade central no controle de suas vilas e cidades. Grupos armados patrulham as ruas, enquanto governos rivais existem em Trípoli e no leste.

Haftar é aliado a um governo e parlamento rival no leste da Líbia, que também abriga uma empresa paralela de banco central e petróleo.

Ambos os lados são apoiados por potências estrangeiras. A facção do Exército Nacional da Líbia (LNA) de Haftar tem apoio do Egito e dos Emirados Árabes Unidos, enquanto a Turquia enviou soldados e armas para ajudar o governo de Trípoli.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *