Os aliados da Ucrânia ficam aquém da ajuda armamentista da Rússia, aumentando os riscos para 2024


0

A Europa está a fornecer à Ucrânia apenas uma fracção das bombas de que necessita, enquanto a Coreia do Norte deu um passo à frente para a Rússia. Isso, dizem os analistas, levanta desafios para Kiev no próximo ano.

Presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy
O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, reage durante sua entrevista coletiva de fim de ano em Kiev, Ucrânia, 19 de dezembro de 2023 [Efrem Lukatsky/AP Photo]

Em Março deste ano, a Ucrânia pediu aos seus aliados europeus um quarto de milhão de bombas por mês. Seu plano de batalha completo, disse o então ministro da Defesa, Oleksiy Reznikov, exigia pelo menos 350 mil. A Ucrânia estava então a racionar-se para apenas 110 mil por mês e precisava que a Europa ajudasse a compensar a diferença.

A União Europeia prometeu um milhão de bombas no prazo de um ano – um terço do que a Ucrânia tinha solicitado. No final de Novembro, tinha entregue 300.000 dos arsenais dos exércitos europeus. Tem quatro meses para compensar a diferença, mas novas entregas terão de vir de nova produção, disse Josep Borrell, chefe de política externa da UE.

Surpreendentemente, após quase dois anos de guerra em solo europeu, a UE não fez um balanço da capacidade de produção continental. “Gostaríamos de saber hoje onde estamos e qual poderá ser o ritmo de produção desta segunda via”, disse Borrell em 14 de novembro numa reunião de ministros da defesa da UE.

A Rússia também tem disparado mais bombas do que pode produzir e, em Setembro, pediu ajuda à Coreia do Norte. Num mês, a Coreia do Norte entregou 1.000 contentores de munições, disse o porta-voz da Casa Branca, John Kirby. O chefe da inteligência militar da Estónia, coronel Ants Kiviselg, disse que isso se traduziu em 300.000-350.000 projécteis – a mesma quantidade que a entregue pela UE à Ucrânia, mas num mês em vez de oito.

Uma análise de fotografias de satélite do Washington Post sugeriu que o número era maior porque os navios navegavam na rota entre o porto de Rason, na zona de livre comércio norte-coreana, e o porto russo de Dunai desde agosto.

A Rússia pode ter recebido projéteis norte-coreanos adicionais por via ferroviária. O Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS) disse que imagens de satélite mostram que o tráfego ferroviário entre a Coreia do Norte e a Rússia aumentou “drasticamente” desde que o presidente russo, Vladimir Putin, se encontrou com o líder norte-coreano Kim Jong Un, em setembro.

“Para grande surpresa do Ocidente, a Rússia provou ser mais hábil em garantir o que queria do exterior, inclusive da China”, disse Yiorgos Margaritis, professor emérito de história da Universidade Aristotélica de Salónica, que tem monitorizado o equilíbrio da artilharia, ao Al. Jazeera. “A quantidade de obuses prometida pela Coreia do Norte – 10 milhões – é monstruosa. E eles já forneceram um décimo disso.”

“[Russia] está bem abastecido, não se importa com o valor das perdas e conta com apoio de terceiros que não deixa dúvidas. Todos estes três elementos não são iguais no lado ucraniano”, disse Jens Bastian, membro do Instituto Alemão para Assuntos Internacionais e de Segurança, à Al Jazeera.

A UE ficou à procura de uma resposta. Borrell sugeriu que a sua indústria de defesa não cumprisse os contratos com clientes estrangeiros, que actualmente compram 40% da sua produção.

A resposta dos EUA foi mais rápida e dinâmica. Em Fevereiro, decidiu aumentar seis vezes a produção de projécteis de artilharia – um nível nunca visto desde a Guerra da Coreia – para reabastecer os stocks enviados para a Ucrânia, abastecer a Ucrânia com mais e acumular stocks para conflitos futuros.

De acordo com uma reportagem do New York Times, o Exército dos EUA comprava 14.400 munições por mês em Setembro de 2022, quando triplicou esse valor, e em Janeiro de 2023 duplicou novamente, para 90.000. Mas ainda serão necessários empreiteiros de defesa dos EUA até ao final do próximo ano para atingir essa capacidade de produção.

Qual é o problema com a Europa?

A UE afirma que irá igualar a carteira de encomendas dos EUA de cerca de um milhão de munições de artilharia, incluindo mísseis, por ano até à Primavera.

“Sou responsável pela capacidade de produção de munições, por isso posso confirmar que o objectivo de produzir mais de um milhão de munições anualmente… pode ser alcançado”, teria dito o comissário do mercado interno da UE, Thierry Breton, numa reunião de ministros da Defesa da UE. reunião em 14 de novembro.

Para que isso aconteça, os governos devem fazer pedidos, disse ele.

“São os Estados-membros que devem fazer a encomenda desta munição, que devem produzi-la e que devem garantir que ela seja produzida principalmente para a Ucrânia. Tudo isso está nas mãos dos países membros”, disse Breton.

No entanto, até 6 de Dezembro, os membros da UE tinham feito encomendas de apenas 60 mil do milhão de obuses que prometeram à Ucrânia, informou a agência de notícias Reuters. Os pedidos demoram muito para serem cumpridos, tornando duvidoso que a UE cumpra até março, mesmo os limitados que foram feitos. Por exemplo, o fabricante alemão de aço e armas Rheinmetall disse em 3 de dezembro que tinha recebido uma encomenda de 142 milhões de euros (156 milhões de dólares) de munições destinadas à Ucrânia, mas que seriam entregues em 2025.

O lamentável estado de coordenação da UE em matéria de defesa tem muitas razões, dizem os especialistas.

Ao contrário de áreas como a banca, a transição para a energia verde e os transportes, onde os Estados-Membros da UE têm políticas estreitamente coordenadas lideradas por Bruxelas, a defesa e a política externa continuam a ser competências nacionais.

“Não temos uma indústria de defesa europeia integrada e também uma política de defesa europeia integrada, e a Ucrânia tem destacado isso há dois anos”, disse Bastian. “O senhor Borrell está a deixar claro que o fracasso a nível da UE é também um fracasso de países individuais que não têm… a capacidade de produzir em escala dentro de um período de tempo definido”, disse ele.

A falta de coordenação na política externa é igualmente desafiadora. “Não temos uma percepção de ameaça definida e partilhada e, portanto, os países têm prioridades diferentes”, disse Minna Alander, investigadora do Instituto Finlandês de Assuntos Internacionais.

“Nem todos partilham a opinião de que a Rússia é uma ameaça existencial para a Europa”, disse ela à Al Jazeera.

O desinvestimento da Europa na indústria pesada, incluindo a produção de metais, que atingiu o seu clímax durante a pandemia de COVID-19, contribuiu para uma escassa oferta de matérias-primas para armas.

“Se você quiser construir uma ponte, 80% do seu aço virá da China, da Índia e de um ou dois outros países do leste. O mesmo se aplica à produção de armas”, disse Margaritis. “Se quisermos aumentar a produção de aço, precisamos de fazer enormes mudanças”, disse ele, incluindo o fornecimento de energia barata e mão-de-obra abundante.

Se a Europa não mantiver pelo menos alguma auto-suficiência na indústria pesada, arriscará a sua própria segurança, dizem os especialistas.

“A Europa precisa de uma mudança histórica no pensamento político, juntamente com gastos de defesa significativamente mais elevados e um esforço determinado para redefinir as percepções públicas sobre a necessidade de uma defesa forte”, Bastian Giegerich, diretor-geral do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos, com sede em Londres. think tank, e Tim Lawrenson, consultor da indústria de defesa, escreveram recentemente.

“Nenhum desses requisitos parece garantido atualmente. Contudo, a menos que sejam cumpridas, a alardeada capacidade de dissuasão da OTAN poderá falhar. A Rússia pode já não considerar a Europa como tendo defesas credíveis e ficar tentada a atacar um membro da NATO.”


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *