Israel deveria aprender com os erros franceses na Argélia


0

E o Presidente Biden, do apoio pragmático e de princípios do Presidente Kennedy à luta de um povo ocupado pela libertação.

Baricas montadas durante a Guerra da Independência da Argélia, janeiro de 1960, Rua de Argel [Wikimedia Commons]

Em 7 de maio de 1945, a Alemanha nazista assinou o ato de rendição militar aos Aliados. No dia seguinte, pessoas de todo o mundo, incluindo na Argélia ocupada, saíram às ruas para celebrar o fim da Segunda Guerra Mundial.

Estima-se que 134 mil argelinos lutaram com os Aliados e 18 mil deles deram a vida para derrotar a Alemanha. E assim, em 8 de Maio de 1945, em Setif, uma cidade a leste de Argel, cerca de 5000 “muçulmanos”, como os argelinos foram chamados pelo poder colonial para apagar a sua identidade nacional, marcharam em celebração. Mas também marcharam clamando pelo fim de mais de um século de domínio colonial francês sobre o seu país. A polícia francesa apreendeu faixas e acabou abrindo fogo, matando manifestantes. Os confrontos eclodiram com 102 colonos franceses mortos.

Na quinzena seguinte, um frenesi de sangue tomou conta das autoridades e colonos franceses que massacraram cerca de 45 mil argelinos. As áreas rurais ao redor de Setif e da cidade de Guelma, consideradas simpáticas aos nacionalistas argelinos, foram bombardeadas pela força aérea francesa. Os colonos vingaram os seus compatriotas caçando e linchando “os selvagens”.

Para se estabelecerem na Argélia e ali legitimarem a sua presença, os colonos desumanizaram a população indígena ao ponto de considerá-la nada mais do que vermes. Isto permitiu que os colonos franceses e o seu exército de ocupação matassem milhares de argelinos, com pouco ou nenhum escrúpulo moral.

O massacre de Setif trouxe à potência colonial mais nove anos de relativa paz, mas, no final, serviu apenas para fortalecer a determinação argelina de ser livre. Em 1 de Novembro de 1954, embarcaram na sua última guerra de resistência contra a ocupação francesa. Após oito anos de “uma guerra selvagem de paz”, como disse o historiador britânico Alistair Horne, a Argélia conquistou a sua independência, mas a um preço elevado: a guerra custou a vida a cerca de 1,5 milhões de argelinos; cerca de 20 por cento dos “muçulmanos” da Argélia.

O que está a acontecer hoje na Palestina, predominantemente em Gaza, mas também na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, não é obviamente idêntico aos acontecimentos que marcaram o fim do domínio francês na Argélia. No entanto, existem muitas semelhanças entre eles, uma vez que o modus operandi da maioria das empresas coloniais segue um padrão definido.

Os colonizadores desumanizam as populações indígenas para mantê-las flexíveis e para justificar o uso da força brutal contra elas quando tentam resistir à sua subjugação.

Garantem que os colonizados são militarmente impotentes, mas muitas vezes cometem o erro de assumir que esta falta de capacidade militar também significa que lhes falta a força e a determinação para resistir à opressão e derrotar a ocupação. Quando finalmente se apercebem do seu erro de julgamento e reconhecem que não podem sustentar a sua posição indefinidamente, intensificam a sua brutalidade para preservar o status quo durante o maior tempo possível. Foi isto o que aconteceu na Argélia ocupada nos últimos anos do domínio francês, e é isto que estamos hoje a testemunhar na Palestina ocupada.

Quando a França respondeu ao assassinato de 102 colonos através de bombardeamentos massivos em aldeias e à morte de dezenas de milhares de pessoas, esperava conseguir muito mais do que vingar as mortes dos seus cidadãos e eliminar “terroristas”. Estava usando violência extrema para eliminar toda a resistência nativa. Queria quebrar sua vontade de resistir.

Hoje, Israel segue uma trajetória semelhante. É agora evidente que o objectivo da guerra de Israel em Gaza não é vingar centenas de civis e militares israelitas mortos em 7 de Outubro. Se a vingança fosse o motivo principal, a morte de mais de 8.000 crianças e bebés palestinianos e a redução da maior parte da Faixa em escombros provavelmente teria sido suficiente para Israel encerrar o dia.

Matar todos os “terroristas”, aniquilar completamente o Hamas para garantir a segurança da colónia, também não parece ser o objectivo principal da guerra de Israel. Os líderes de Israel sabem, sem dúvida, que mesmo que os seus militares conseguissem de alguma forma eliminar todos os “terroristas” em Gaza, não seriam capazes de eliminar as aspirações palestinianas à liberdade e decidir resistir à ocupação de todas as formas possíveis. Portanto, se o objectivo não é vingar as mortes dos seus cidadãos, ou “eliminar os terroristas”, o que é que Israel está a tentar alcançar?

Israel está a executar um plano multifacetado para proteger, consolidar e expandir o seu empreendimento colonial.

É mais ou menos assim: Primeiro, quebre a vontade e o espírito palestino. Mostre-lhes que Israel pode fazer o que bem entender, com total impunidade e à vista de um mundo impotente. Que não importa quanta violência e humilhação sofram, nem os colegas árabes nem a chamada comunidade internacional viriam em seu socorro. Que nem mesmo a visão de bebés palestinianos prematuros sufocados em incubadoras impotentes ou a ideia de milhares de crianças a definhar sob os escombros poderiam fazer com que as potências ocidentais repensassem o seu apoio a Israel.

Em segundo lugar, quando a sua vontade estiver suficientemente enfraquecida, ordenar aos palestinianos que deixem as suas casas e as suas terras. Ordene-lhes que se desloquem, a pé, em direcção a alguma “zona segura” vagamente definida. Quando o deslocamento estiver completo, declare que o Hamas está no meio deles e bombardeie a “zona segura” de qualquer maneira. Repita o ciclo até que toda a Faixa seja destruída e todos os palestinos sobreviventes sejam empurrados para o Sinai egípcio.

Israel garantirá a conclusão deste plano, a menos, claro, que os governos ocidentais, principalmente os EUA, mudem de ideias e intervenham para fazer cessar a carnificina.

Quando a França estava a elaborar o seu próprio plano sangrento para manter a ocupação na Argélia, o então Presidente dos EUA, John F. Kennedy, fez uma dessas intervenções. Ele expressou claramente a sua crença de que o domínio francês sobre a Argélia não era sustentável a longo prazo, condenou o colonialismo e torceu abertamente pela independência da Argélia. No final, a posição de princípio dos EUA sobre esta questão durante a era Kennedy desempenhou um papel importante no sucesso da luta de libertação da Argélia.

Kennedy foi aberto sobre o seu apoio à independência da Argélia mesmo antes de se tornar presidente.

Em Julho de 1957, ainda jovem senador, proferiu um discurso histórico criticando o apoio político e militar da administração Eisenhower ao colonialismo francês e apelou aos EUA para apoiarem a autodeterminação argelina.

“A força mais poderosa do mundo hoje não é o comunismo nem o capitalismo, nem a bomba H nem o míssil teleguiado – é o eterno desejo do homem de ser livre e independente”, disse ele. “Assim, o teste mais importante da política externa americana hoje é como enfrentamos o desafio do imperialismo, o que fazemos para promover o desejo do homem de ser livre.”

Ele continuou explicando como a insistência francesa em governar a Argélia, contra a vontade do povo argelino, está prejudicando os EUA, a OTAN e toda a comunidade global, e concluiu que “[t]Chegou a hora de os Estados Unidos enfrentarem a dura realidade da situação e cumprirem as suas responsabilidades como líder do mundo livre – na ONU, na NATO, na administração dos nossos programas de ajuda e no exercício da nossa diplomacia – na definição de um rumo rumo à independência política da Argélia”.

Kennedy sabia que a França estava a travar uma guerra que nunca poderá vencer e queria que os EUA fossem honestos com o seu aliado. Hoje, a história se repete. Um importante aliado dos EUA, Israel, está envolvido numa guerra que não pode vencer contra um povo que sofre sob a sua ocupação. Mas, ao contrário de Kennedy, o atual presidente dos EUA, Joe Biden, não está à altura da ocasião.

Em vez de dizer a Israel a dura verdade, que não pode extinguir o “desejo eterno de ser livre e independente” do povo palestiniano, o Presidente Biden apoia incondicionalmente o ataque colonial em curso à Palestina.

Na verdade, tal como a França não estava a “defender-se” quando matou centenas de milhares de argelinos para impedi-los de alcançar a independência, Israel não está a “defender-se” contra os palestinianos que vivem sob a sua ocupação. Está a travar uma guerra colonial moderna, a tentar reivindicar mais terras e, aparentemente, a cometer genocídio no processo. Biden deveria aprender com Kennedy, pôr fim ao seu apoio à guerra invencível e aos crimes de guerra de Israel e permanecer do lado certo da história.

As opiniões expressas neste artigo são do próprio autor e não refletem necessariamente a posição editorial da Al Jazeera.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *