Como o cessar-fogo em Gaza se tornou um ponto focal na campanha de Barbara Lee para o Senado dos EUA


0

Os apoiadores de Lee esperam que sua defesa pelo fim da guerra em Gaza a ajude nas primárias da Superterça na Califórnia.

Barbara Lee em um blazer azul e camisa branca
A congressista Barbara Lee fala durante um debate televisionado em Los Angeles para os candidatos na corrida ao Senado dos EUA em 22 de janeiro [Damian Dovarganes/AP]

Washington DC – Três dias após os ataques de 11 de Setembro de 2001, a Câmara dos Representantes dos Estados Unidos reuniu-se para autorizar uma resposta militar, com legislação que serviria de base jurídica para a invasão do Afeganistão e para a “guerra ao terror” mais ampla.

A votação foi esmagadora: 420 a um. A única dissidente foi a deputada Barbara Lee, uma democrata da Califórnia.

Na terça-feira, Lee – aos 77 anos – enfrentará possivelmente o maior teste eleitoral de sua carreira, quando a Califórnia realizar as primárias para sua vaga no Senado.

A congressista concorre nessa corrida com base nas suas credenciais como candidata anti-guerra. Desta vez, porém, o seu foco está em conseguir um cessar-fogo em Gaza – uma posição que ela diz que a distingue do resto do terreno.

Lee está competindo com mais de 20 outros candidatos, incluindo representantes democratas proeminentes como Adam Schiff e Katie Porter. As apostas são altas: Schiff, Lee e Porter optaram por não concorrer à reeleição na Câmara, a fim de se concentrarem nas suas perspectivas para o Senado.

Isso significa que as primárias deste ano no Senado poderão dar a Lee a sua primeira derrota eleitoral em 26 anos. Mas a sua candidatura ilumina a gama de opiniões democratas em relação à guerra de Israel em Gaza – um espectro que pode traduzir-se em fracturas à medida que o partido procura a unidade nas urnas.

Um farol para progressistas

Amar Shergill, presidente emérito do Partido Progressista do Partido Democrático da Califórnia, está entre os que apoiam a candidatura de Lee ao Senado.

Ele disse à Al Jazeera que a posição de Lee sobre a guerra de Israel em Gaza foi uma das razões pelas quais ele apoiou publicamente a campanha dela. “Barbara Lee é uma voz para acabar com o sofrimento em todo o mundo, independentemente do custo político, e ela lutará por isso”, disse ele.

Nos últimos meses, Lee reiterou o seu apelo a um cessar-fogo em Gaza dezenas de vezes nas suas contas nas redes sociais, tornando-o um elemento definidor da sua campanha.

Os americanos – e especificamente os democratas – têm manifestado cada vez mais preocupação com as terríveis condições em Gaza, onde Israel matou mais de 30.000 palestinianos.

Uma sondagem de Fevereiro da Associated Press e do NORC Center for Public Affairs Research revelou que metade dos americanos sentia que Israel tinha “ido longe demais” na sua campanha militar. Esse número, no entanto, subiu para 62% apenas entre os democratas.

Mas muitos dos principais membros do Partido Democrata resistiram durante muito tempo aos apelos a um cessar-fogo permanente, afirmando em vez disso o seu apoio à ofensiva militar de Israel. Eles incluem o presidente Joe Biden, que só recentemente articulou esperanças de um cessar-fogo para interromper – embora não encerrar definitivamente – as hostilidades.

Os apoiantes de Lee esperam que a sua posição sobre a questão a leve a uma vitória surpreendente na terça-feira. As pesquisas de opinião pública mostram que ela está atrás dos rivais democratas Schiff e Porter, bem como do candidato republicano e ex-jogador de beisebol Steve Garvey.

A política externa raramente é uma prioridade máxima nas urnas, mas Shergill disse que os eleitores estão cada vez mais a traçar paralelos entre as injustiças na Palestina e a desigualdade interna.

“A juventude é inspirada por sua clareza moral. Vemos comunidades de imigrantes que compreendem que o que está a acontecer na Palestina pode acontecer aos seus familiares em lares ancestrais em todo o mundo”, disse Shergill à Al Jazeera.

Primária da ‘selva’ da Califórnia

A corrida para o Senado na Califórnia – o estado com a maior população do país – está programada para chegar na Superterça, data crucial no calendário eleitoral dos EUA. Mais estados realizam primárias nessa data do que em qualquer outra.

Somando-se ao escrutínio dessa ocasião de alto nível está o simbolismo por trás desta corrida específica para o Senado. Lee e os outros candidatos ao Senado pretendem ocupar uma cadeira há muito ocupada pela falecida senadora Dianne Feinstein, uma importante democrata que morreu em 2023.

Feinstein detinha o título de senadora com mais tempo no cargo na história do Congresso dos EUA. Após sua morte, o governador da Califórnia, Gavin Newsom, nomeou Laphonza Butler para cumprir o resto de seu mandato.

Mas Butler se recusou a concorrer nas eleições de 2024, deixando a disputa para o Senado sem titular. Uma vaga no Senado na Califórnia, um reduto democrata, é uma raridade. Quem vencer passará um mandato de seis anos no Congresso.

A maioria dos estados tem primárias partidárias, onde candidatos de diferentes partidos competem em chapas separadas para reivindicar a nomeação do seu partido para as eleições gerais.

Mas a Califórnia realiza o que é conhecido como “primárias da selva”: os candidatos, independentemente do partido político, competem juntos na primeira volta da votação e os dois primeiros votados enfrentam-se nas eleições gerais.

Portanto, um democrata como Lee não só tem de competir contra membros do seu próprio partido, mas também contra republicanos e independentes.

Katie Porter de rosa e branco, Barbara Lee de vermelho e Adam Schiff de terno preto e camisa branca
Os rivais democratas no Senado Katie Porter, Barbara Lee e Adam Schiff posam para fotos após um Fórum de Candidatos ao Senado dos EUA em Los Angeles em outubro de 2023 [Richard Vogel/AP]

Os candidatos

Garvey, a estrela republicana do beisebol, liderou uma campanha azarão que surpreendeu os observadores políticos. Várias pesquisas mostram que ele está empatado – ou superando – Porter no segundo lugar.

Mas mesmo que Garvey chegue às eleições gerais, espera-se que os democratas mantenham a cadeira no Senado em novembro.

Schiff, aliado da ex-presidente da Câmara, Nancy Pelosi, está atualmente liderando a disputa. Considerado um dos favoritos do establishment do partido, Schiff desenvolveu um perfil nacional depois de liderar um inquérito de impeachment do então presidente Donald Trump em 2019.

Porter, por sua vez, é uma legisladora de esquerda que ganhou destaque com sua defesa do consumidor e suas críticas às grandes corporações.

Sobre questões internas, Lee, Schiff e Porter partilham pontos de vista semelhantes, embora com abordagens diferentes. Até mesmo Schiff – que é considerado o centrista na corrida – apoia prioridades progressistas como os cuidados de saúde universais e o plano climático do New Deal Verde.

Mas a guerra em Gaza é um ponto crítico de divergência. Schiff, ex-presidente do Comitê de Inteligência da Câmara, é um defensor ferrenho de Israel. No mês passado, ele votou com a maioria republicana a favor de um projeto de lei de ajuda de US$ 17,6 bilhões para Israel. A maioria dos Democratas opôs-se à medida, que acabou por fracassar, porque não incluía assistência à Ucrânia.

Porter, que está no Congresso desde 2019, não é conhecida pelas suas posições de política externa, mas também é uma defensora vocal de Israel. Em Dezembro, ela apelou a um cessar-fogo com uma ressalva: que o Hamas fosse retirado “do controlo operacional de Gaza”.

Na mesma declaração, Porter culpou falsamente o Hamas, e não o bloqueio de Israel, pela “escassez de alimentos, água potável, combustível e medicamentos” ao longo dos anos em Gaza.

“Acredito que precisamos de um cessar-fogo duradouro”, disse ela recentemente ao Los Angeles Times. “Este é um conflito entre Israel e o Hamas, e o trabalho dos Estados Unidos é trazer Israel e o Hamas para uma conversa e descobrir quais são as pré-condições, como a libertação de reféns e diferentes lideranças em Gaza.”

Em contraste, Lee tem apelado consistentemente a um cessar-fogo imediato e incondicional.

“A única forma de vermos paz, segurança e justiça para os israelitas e o povo palestiniano é através de uma solução política e diplomática”, disse Lee em Novembro de 2023.

A congressista também foi apoiada por progressistas proeminentes que apoiam os direitos palestinos, incluindo os membros do Congresso Cori Bush, Ilhan Omar, Ayanna Pressley e Mark Pocan.

Mesmo assim, ela tem lutado para acompanhar a arrecadação de fundos de Schiff e Porter, que contam com mais apoio institucional. Os registos apresentados à Comissão Eleitoral Federal mostram que Schiff, por exemplo, tinha quase 34,9 milhões de dólares em “dinheiro em mãos” para a sua campanha em Janeiro.

As chances de Lee

Então Lee tem alguma chance na corrida da Super Terça?

Yassar Dahbour, presidente da Liga Palestina Americana, diz estar “esperançoso”, mas realista quanto às suas chances.

“Ela se destacou e está repercutindo entre os eleitores, mas há outros fatores em efeito”, disse Dahbour à Al Jazeera. “E, infelizmente, na política americana, o dinheiro tem um grande efeito no resultado e no resultado das eleições.”

Dahbour elogiou a defesa de Lee por um cessar-fogo permanente em Gaza, chamando-a de uma voz pela justiça, mas disse que ainda não se sabe até que ponto a sua posição influenciará os eleitores para além da base progressista.

Por sua vez, Shergill rejeitou as pesquisas que mostram Lee atrás dos outros três principais candidatos, dizendo que os primeiros sinais apontam para uma baixa participação na terça-feira.

“Numa eleição com baixa participação, o tipo de pessoa energizada que deseja ver Barbara Lee eleita pode fazer a diferença”, disse ele.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *