Após dois anos de guerra da Rússia na Ucrânia, quão forte é a unidade da OTAN?


0

A fadiga da guerra está a instalar-se em algumas capitais ocidentais, mas a Rússia continua a ser o inimigo antes de uma eleição crítica nos EUA.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, e o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, participam de uma coletiva de imprensa conjunta, enquanto o ataque da Rússia à Ucrânia continua, em Kiev, Ucrânia, em 28 de setembro de 2023. REUTERS/Gleb Garanich
O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy (à direita) e o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, são retratados em uma coletiva de imprensa conjunta em Kiev, Ucrânia, em 28 de setembro de 2023 [Gleb Garanich/Reuters]

Após dois anos de invasão em grande escala da Ucrânia pela Rússia, a OTAN manteve principalmente a sua unidade contra Moscovo.

A aliança cresceu com a adesão da Finlândia e, provavelmente em breve, também da Suécia.

Nas capitais ocidentais, há acordo de que uma vitória russa na Ucrânia poderia alterar a ordem geopolítica internacional à custa dos interesses do Ocidente.

No entanto, existem divisões.

Enquanto os Estados Bálticos defendem um apoio europeu mais forte a Kiev, outros membros da NATO, como a Hungria e a Eslováquia, manifestaram cepticismo em relação à Ucrânia.

Os resultados das eleições realizadas no ano passado nos Países Baixos e na Eslováquia levantaram questões sobre a unidade da OTAN em defesa da Ucrânia.

Em Novembro, o Partido da Liberdade, de extrema-direita, de Geert Wilders, venceu as eleições parlamentares holandesas depois de fazer campanha a favor da redução do apoio militar de Amesterdão a Kiev.

Em Setembro, o partido da Social Democracia Eslovaca (SMER) de Robert Fico, que foi descrito como “pró-Kremlin”, obteve 22,9 por cento dos votos nas eleições parlamentares da Eslováquia, à frente de todos os outros.

Mas alguns especialistas dizem que é pouco provável que os resultados enfraqueçam a determinação global da OTAN.

As eleições foram “preocupantes porque estes líderes não aceitam certas normas europeias”, disse John Feffer, diretor da Foreign Policy in Focus, à Al Jazeera.

No entanto, Feffer não vê que as sondagens representem um “ponto de viragem” no que diz respeito à unidade da OTAN.

“Wilders, em particular, não tem maioria eleitoral suficiente – ao contrário [Prime Minister Viktor] Orbán na Hungria – ignorar completamente a política holandesa do passado, as posições dos principais partidos ou a opinião pública holandesa”, disse ele.

Matthew Bryza, que foi vice-secretário de Estado adjunto dos EUA para a Europa e Eurásia de 2005 a 2009, também pensa que essas eleições não terão impacto na solidariedade ocidental com Kiev.

Dentro da União Europeia, a Hungria esteve recentemente sozinha na tentativa de bloquear assistência militar e económica adicional de Bruxelas à Ucrânia no valor de 50 mil milhões de euros (54 mil milhões de dólares), mas o bloco “superou” Orban, explicou Bryza.

“A instituição da UE e a instituição da NATO são mais fortes do que um ou mesmo dois líderes com essas opiniões”, disse ele.

Além disso, apesar de o novo governo da Eslováquia ter chegado ao poder com uma perspectiva crítica em relação à Ucrânia, Bratislava não tomou medidas desde então para minar a unidade ocidental contra Moscovo.

Além disso, como Christoph Schwarz, investigador do Instituto Austríaco para a Política Europeia e de Segurança (AIES), disse à Al Jazeera, o resultado das recentes eleições na Polónia “revigorou o triângulo de Weimar entre Berlim, Paris e Varsóvia e fortaleceu [NATO] geral.”

Fadiga da guerra ocidental

No entanto, à medida que o conflito continua, a fadiga da guerra está a instalar-se em algumas partes do mundo ocidental.

“O melhor remédio contra a fadiga da guerra no apoio à Ucrânia seriam ganhos e vitórias substanciais da Ucrânia, o que exigiria muito mais apoio do Ocidente em termos de ajuda militar”, disse Schwarz.

“No entanto, quanto mais tempo esses ganhos e vitórias para a Ucrânia não se concretizarem, mais provável será que as facções nacionalistas-isolacionistas aumentem a sua influência e até ganhem as próximas eleições, exacerbando assim a falta de apoio militar ocidental à Ucrânia.”

A alegada capacidade da Rússia de conduzir campanhas de desinformação que disseminam narrativas antiocidentais também é um factor.

“O conceito de ‘fadiga da Ucrânia’ – a noção de que o apoio político à Ucrânia por parte das democracias ocidentais está fadado a diminuir ao longo do tempo – é uma profecia derrotista e auto-realizável que foi exacerbada pela falta de uma abordagem directa consistente e de alto perfil. -declarações de líderes de democracias globais explicando aos seus eleitorados os danos que não apoiar Kiev para derrotar os militares russos na Ucrânia teria para a segurança global”, Benjamin L Schmitt, pesquisador sênior do Centro Kleinman de Política Energética da Universidade da Pensilvânia, disse à Al Jazeera.

Incerteza nos EUA

Para além da formação, o apoio da OTAN à Ucrânia é mais político do que prático. Embora o apoio político seja importante, o que é mais importante em termos práticos é o apoio de membros individuais da NATO.

É difícil exagerar até que ponto as eleições presidenciais dos Estados Unidos deste ano irão impactar o futuro da Ucrânia.

“Quando se trata da unidade da OTAN em apoio à Ucrânia e contra as violações da soberania e da integridade territorial da Rússia, pelo menos superficialmente parece que tudo está em jogo em termos da corrida presidencial entre Biden e Trump em Novembro próximo. — disse Bryza.

Silja Bara R Omarsdottir, professora de assuntos internacionais na Universidade da Islândia, disse à Al Jazeera que acredita que é “a própria unidade que está em jogo”.

“As recentes observações de Trump sobre não querer defender os países [in NATO] que não atendem aos requisitos de financiamento é muito agressivo”, disse ela, “e no passado, é claro, nós o ouvimos indicar que é o [NATO members] mais próximos da Rússia, que ele considera como membros menos valorizados da aliança – apesar de serem eles que realmente cumprem a meta de dois por cento.”

Há uma enorme diferença entre a forma como o presidente dos EUA, Joe Biden, e o ex-líder Donald Trump veem a Ucrânia e a NATO.

Biden acredita firmemente na aliança ocidental, enquanto Trump vê a NATO em termos transacionais.

“Trump não apoia abertamente a Rússia, mas antes defende uma linha isolacionista de que os EUA não têm um cão na luta. Isso tem alguma ressonância no eleitorado dos EUA, tanto à esquerda como à direita”, disse Feffer.

“Em jogo, claro, está o futuro da aliança transatlântica, que Biden defende e Trump despreza. Trump tem a sua própria aliança transatlântica paralela para promover, com os seus amigos de extrema-direita na Hungria, nos Países Baixos e na Itália.

“Se Trump vencer – e a UE cair nas mãos da extrema direita após as próximas eleições para o Parlamento Europeu – estes pilares da política externa dos EUA e da comunidade internacional em geral parecerão subitamente muito frágeis”, concluiu Feffer.

Se Washington deixar de apoiar financeira e militarmente Kiev, os estados europeus não serão capazes de compensar a diferença porque “simplesmente não têm as capacidades militares, de inteligência e de armamento necessárias”, explicou Wolfgang Pusztai, conselheiro sénior da AIES.

“A consequência seria que a Ucrânia precisaria de procurar um cessar-fogo em condições desfavoráveis ​​– ou continuar a lutar e perder a guerra. Ambos fariam [Russian President] Vladimir Putin e a Rússia, o glorioso vencedor”, disse Pusztai.

“Isto teria consequências geoestratégicas negativas de longo alcance para os EUA e os seus aliados, o que certamente não é do seu interesse.”


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *