À medida que a guerra da Rússia avança, estará o apoio global à Ucrânia a diminuir?


0

Enquanto a Eslováquia vota num político pró-Rússia, a Polónia abandona a ajuda militar e os EUA vacilam; A Ucrânia provavelmente está preocupada, mas ainda não está em pânico, dizem os analistas.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, posa para uma foto com militares enquanto visita uma posição de tropas ucranianas na linha de frente, em meio ao ataque da Rússia à Ucrânia, em local não revelado
O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, posa para uma foto com militares enquanto visita uma posição de tropas ucranianas na linha de frente [Ukrainian Presidential Press Service via Reuters]

No domingo, o antigo primeiro-ministro da Eslováquia, Robert Fico, um populista de esquerda, venceu as eleições parlamentares com o seu partido SMER-SSD, tendo feito campanha com a promessa de retirar o apoio militar à Ucrânia e parar de sancionar a Rússia.

Enviou um sinal preocupante a Kiev, que nas últimas semanas tem discutido com um dos seus mais fiéis aliados, a Polónia, sobre a questão das importações de cereais da Ucrânia, enquanto observa os legisladores republicanos dos EUA ameaçarem anular um novo acordo de ajuda.

Estes desenvolvimentos suscitaram rumores de uma mudança global no sentimento no sentido de apoiar a Ucrânia à medida que a guerra avança, mais de um ano e meio depois de ter começado.

Segundo Teona Lavrelashvili, analista do Centro Político Europeu, poderão sinalizar que vários aliados estão prontos para uma “solução pragmática” para o fim da guerra.

Mas Kiev ficará “preocupada, mas não em pânico” com a sensação crescente de que alguns aliados tradicionais “perderam o equilíbrio”, disse Sean Hanley, professor associado de Política Comparada da Europa Central e Oriental na University College London.

Ucrânia Eslováquia
A presidente da Eslováquia, Zuzana Caputova (L) e seu homólogo ucraniano, Volodymyr Zelenskyy (R), participam de uma coletiva de imprensa com o presidente tcheco Petr Pavel em Kiev, Ucrânia, 28 de abril de 2023 [Viacheslav Ratynskyi/Reuters]

Fico ainda precisa de formar uma coligação, mas a retórica pró-Kremlin e anti-Kiev que viu o seu partido vencer marcou um afastamento significativo da posição da Eslováquia desde o início da guerra. Ainda recentemente, em Abril, a Presidente eslovaca, Zuzana Caputova, viajou para Kiev, numa demonstração de apoio então rotineira.

Hanley disse à Al Jazeera que Kiev provavelmente estará preocupada com a mudança da Eslováquia para a Rússia porque sinaliza que a “fadiga da Ucrânia” está a instalar-se entre os aliados, enquanto os receios de que a ajuda militar da Eslováquia seja potencialmente cortada são menos preocupantes.

Mesmo assim, o sentimento pró-Kremlin na política eslovaca, disse Hanley, não é tão difundido como em países como a Sérvia ou a Bulgária.

Em vez disso, vemos mais visões “cépticas em relação à Ucrânia” que dão prioridade aos interesses nacionais sobre as causas internacionais, à medida que as tendências populistas iliberais desafiam “a ideia de que é preciso imitar o Ocidente”.

Eslováquia
O líder do partido SMER-SSD, Robert Fico, reage durante uma entrevista coletiva após as eleições parlamentares antecipadas na Eslováquia, em Bratislava, 1º de outubro de 2023 [Radovan Stoklasa/Reuters]

Kiev também estará preocupada com a possibilidade de a Eslováquia se juntar à Hungria na construção de uma aliança céptica com a Ucrânia dentro do bloco da União Europeia.

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, manteve relações estreitas com Moscovo durante a guerra e argumentou contra o fornecimento de armas à Ucrânia ou a ajuda económica.

No domingo, Orban parabenizou Fico com uma postagem no X, plataforma de mídia social anteriormente conhecida como Twitter, dizendo: “Adivinhe quem voltou! …É sempre bom trabalhar junto com um patriota.”

Essa amizade nascente representa uma mudança. Anteriormente, as relações eram tensas entre os nacionalistas eslovacos e húngaros, segundo Hanley.

Agora, disse ele, há um afastamento do “tipo tradicional de inimizade nacionalista em que você arranja uma briga com o vizinho” para “guerras culturais” com foco no ceticismo do resto da UE, dos direitos LGBTQ, feminismo e imigração potencial de países não europeus.

Lavrelashvili disse que embora a Eslováquia seja agora provavelmente “uma encrenqueira” no que diz respeito ao apoio da UE à Ucrânia, a retórica bombástica dá frequentemente lugar a uma abordagem mais pragmática da diplomacia.

É uma característica que Fico tem apresentado frequentemente, segundo Hanley, que disse que para se tornar líder terá de se comprometer com outro partido para formar uma coligação.

Os observadores também dizem que a Eslováquia, com o maior défice orçamental da zona euro, de quase 7% do produto interno bruto (PIB) este ano, precisa de fundos de modernização e recuperação da UE, o que significa que Fico pode pensar duas vezes antes de irritar Bruxelas.

Briga polonesa

Desde o início da guerra em Fevereiro de 2022, a Polónia tem sido um dos aliados mais empenhados de Kiev.

O país, que faz fronteira com a nação devastada pela guerra, acolhe milhões de refugiados ucranianos, transferiu uma série de armas para o exército de Kiev na sua luta contra a Rússia e funcionou como um centro de trânsito para carregamentos de armas de outras nações.

Mas nas últimas semanas, um vínculo aparentemente inquebrável começou a romper-se à medida que os vizinhos discutiam sobre as importações de cereais ucranianos, levando a Polónia a anunciar que deixaria de enviar armas para a Ucrânia e poderia cortar a ajuda aos refugiados.

Mateusz Morawiecki, o primeiro-ministro da Polónia, alertou o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, para nunca mais “insultar” os polacos, depois de o líder ucraniano ter dito às Nações Unidas que o “teatro político” em torno das importações de cereais estava a ajudar a causa de Moscovo.

A disputa começou em Setembro, quando a Polónia impôs restrições às importações de cereais da Ucrânia, numa tentativa de proteger os agricultores locais. A Ucrânia ficou furiosa e as duas nações trocaram advertências repetidamente, preparando o terreno para uma disputa que se desenrolou na arena internacional.

Robert Pszczel, membro sénior da Fundação Casimir Pulaski na Polónia, disse à Al Jazeera que, apesar da “retórica desagradável” entre as duas nações, o apoio estratégico fundamental à Ucrânia não mudará.

Ele disse que a recente briga é o culminar de várias divergências em curso, incluindo um incidente em Novembro, durante o qual um míssil de defesa aérea matou duas pessoas no sul da Polónia. Na altura, a Polónia e a NATO afirmaram que um míssil ucraniano provavelmente causou as mortes, mas que a Rússia era a responsável final, tendo instigado a guerra. Kyiv negou qualquer responsabilidade.

Mas Lavrelashvili disse que a Polónia e a Eslováquia não podem ser comparadas.

Na Eslováquia, as narrativas pró-Kremlin têm tido mais sucesso em influenciar a sociedade, criando uma divisão Leste-Oeste entre aqueles que agora vêem os Estados Unidos como uma “ameaça à segurança”, disse ela.

A Polónia, no entanto, não mudou a sua visão da Rússia como uma força perigosa. Em vez disso, as discussões em torno da Ucrânia giraram em torno do equilíbrio dos interesses nacionais, continuando ao mesmo tempo alguma forma de apoio.

Poderiam os EUA parar de financiar a Ucrânia?

Entretanto, os recentes acontecimentos nos EUA podem estar a causar ainda mais alarme na Ucrânia.

Numa cimeira da NATO em Julho, o Presidente dos EUA, Joe Biden, tranquilizou os líderes do G7 e o Presidente Zelenskyy: “O nosso compromisso com a Ucrânia não irá enfraquecer”.

Mas na noite de domingo, um compromisso alcançado no Congresso dos EUA para evitar uma paralisação do governo resultou no abandono de um novo acordo de financiamento para a Ucrânia, em grande parte devido à resistência dos republicanos de linha dura.

A subsequente remoção de Kevin McCarthy do cargo de presidente da Câmara dos Representantes aumentou a incerteza em torno da ajuda à Ucrânia.

Joshua Tucker, chefe do Centro Jordan para Estudos Avançados da Rússia e professor de política na Universidade de Nova York, disse à Al Jazeera que o projeto provisório deveria ser visto “no contexto da situação muito peculiar da política interna dos EUA neste momento”. ”.

Ele disse que o projeto de lei foi imposto por um pequeno setor do Partido Republicano e não reflete uma mudança abrangente na política dos EUA.

Em vez disso, o apoio à Ucrânia dependerá mais da direcção que o antigo Presidente Donald Trump, o favorito à nomeação presidencial republicana em 2024, escolher tomar.

Tucker explicou que nos EUA, a narrativa política em torno da Ucrânia centra-se em saber se o governo está a gastar demasiado dinheiro na guerra, ao contrário da Europa, onde há mais um desejo de que o “conflito acabe” devido à sua influência directa. impacto nos preços da energia e na qualidade de vida.

Talvez sentindo esta mudança, a maioria dos ministros dos Negócios Estrangeiros da UE reuniram-se fora do bloco pela primeira vez esta semana, visitando Kiev na segunda-feira numa demonstração pública de solidariedade inabalável, enquanto a Polónia e a Hungria enviaram representantes.

“Não vejo nenhum Estado-membro vacilando”, disse Josep Borrell, o alto representante da UE para as relações exteriores, depois de prometer à Ucrânia bilhões de euros em ajuda militar e treinamento para pilotos de caça.

Na terça-feira, o presidente Biden garantiu aos seus homólogos por telefone que continua confiante de que o Congresso aprovará a ajuda à Ucrânia, “pelo tempo que for necessário”.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *